Problemas no relacionamento? Um biscoito cura | Do amor #8

O que não falta é frustração e egoísmo no amor. O que será que pode dar aquela aliviada nesse sofrimento?

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Vivara130x50 jpg
  • Selo dorel jpg

Aquele sol das oito da manhã, de arder a cara, e nada do safado acordar. Quem teve que se mexer foi a Lurdinha que deu três tapas no vidro e despertou o Carlos daquele sono de cachaça. Baixou o vidro, parecia que lhe jogavam areia seca nos olhos, o incômodo da claridade, a cabeça pesando mais que o corpo todo. 

O carro estava mal estacionado em frente de casa, ele não tinha a mínima condição de colocá-lo na garagem na noite anterior. Foi uma balbúrdia só, aquela gritaria toda e os vizinhos aparecendo na janela para saber o que estava acontecendo. As roupas dele voando pela janela, os xingamentos da Lurdinha se espalhavam pela madrugada. A clássica chegada tarde com marca de batom na camisa aberta, cheiro de perfume de puta nos pelos, o excesso de álcool exalando pelos poros e os bolsos vazios de perder dinheiro no jogo. O Carlos tinha um talento nato pra fazer cagada. 

A Lurdinha dava as suas puladas de cerca, mas ficava puta era com a falta de respeitabilidade do companheiro de escancarar assim a pouca vergonha. Ficava brava pra burro de ouvir o carro chegando, aquela música alta de corno, a derrota do marido em não conseguir controlar o próprio veículo, o chamariz que era aquela cenazinha patética. Tinha que pagar na mesma moeda e deu nela de fazer o tal escândalo. Não o deixou entrar em casa, humilhou o homem calado em frente de casa, que não conseguia acertar a chave na porta do carro para trancá-la. Arranhou os braços dele, deu tapa na cara do pé de cana e o Carlos não esboçava reação, só repetia aquele débil "eu te amo, piriquita", enquanto o passo trôpego simulava indiretamente um tango solitário. 

Calça, meias sociais furadas, um porta-retrato atirado em direção ao carro e espatifado no chão. O vexame foi completo, janelas fechadas, luzes apagadas, um bêbado na rua balbuciando nada, chacoalhando o portão trancado, disparando o alarme do carro, chorando sentado na calçada. Foi-se mais umas horas até que ele se deitasse no banco do motorista e adormecesse. De manhã, os tapas na janela e ela gritando "anda! vai pra dentro, peste, que até teu filho já acordou e tá te esperando pro café".

Choque térmico, banho frio e café quente. Era o que ele precisava. O Carlos se arrastou para o banheiro e despejou o primeiro jato do chuveiro direto na cabeça. Tirou a roupa só depois e deixou o fracasso escorrer para o ralo. Penteou os cabelos molhados para trás, botou um shorts e se sentou à mesa com o filho. Pedrinho tinha cinco anos e estava mastigando uma bolacha recém desmergulhada do copo de leite. A Lurdinha, atravessa a cozinha fazendo suas coisas com um silêncio de velório. Ele olhando para baixo, ela olhando para os altos dos armários. Não dava pra tocar no assunto com a criança ainda desjejuando.

O garoto enfiou mais um biscoito no copo com leite e, olhando fixamente para o amolecimento do doce, perguntou "mãe, da próxima vez que o pai dormir no carro lá na rua... eu posso dormir lá com ele também?". Mastigou a rosquinha molenga e ficou fitando as migalhas boiando no leite.

Tem amor que bate e tem amor que assopra.

O livro Do Amor está à venda!

Gente, finalmente o livro Do Amor está pronto e no jeitinho pra ser vendido! Quer um? É só entrar na minha página do PagSeguro e fazer a compra! O livro está com o preço de R$39,90, mais nove reais para o custo de frete por item!

Qualquer coisa, me chama no Instagram (@jaderpires) ou manda e-mail pra jader@jaderpires.com.br pra eu te enviar um exemplar com dedicatória bem bonita e tudo.

Beijo!

Assine a Meio-Fio, a newsletter do Jader Pires

Pessoal, saiu hoje mais uma Meio-Fio, minha newsletter semanal com contos e crônicas, mais um monte de coisa boa, recomendações e links que vou pegar por aí. 

Sempre às sextas, vai chegar quentinho no seu e-mail. Basta se cadastrar com nome e e-mail aqui.


publicado em 29 de Maio de 2015, 00:00
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: