Qual é o valor do ou(t)ro?

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Vivara130x50 jpg
  • Selo dorel jpg

Comecemos do começo. Você já parou pra pensar por que damos valores diferentes para as coisas? Não se prenda na noção econômica, em que a demanda influencia o preço ou a quantidade de trabalho empregado terá relação com seu custo.

Vamos para um pensamento hipotético: se não existissem pessoas para julgá-lo, como você daria valor as coisas?

Esquece um pouco da grana
Esquece um pouco da grana

Quem sabe acharia que o justo seria pagar muito menos por uma assinatura de TV a cabo do que por uma escova de dentes? É provável que pagasse muito mais em um x-salada do que em uma gravata. Aliás, é provável que você nunca sequer comprasse uma gravata.

É interessante notarmos que nossa noção de valores é uma característica que deriva muito mais da hereditariedade do que da experiência. Somos constantemente movidos pelo senso comum, que nada mais é do que a proposição superficial de que algo seja normal, baseado em uma compreensão que herdamos de outras gerações.

Pensando assim, podemos chegar a conclusão de que o maior mantenedor de valores durante grande parte de nossas vidas seja o senso comum. Faz ainda mais sentido se pensarmos nele como um tipo de vantagem adquirida, algo que nos auxilia e favorece em uma espécie de seleção natural 2.0.

É fato que, na natureza, características favoráveis hereditárias tornam-se mais comuns ao longo das gerações e o inverso ocorra com as desfavoráveis, mas seria possível termos pregado uma peça em nós mesmos ao tratarmos as tradições como vantagens e reguladoras de valores?

A resposta a para essa pergunta é um tanto quanto nublada. Por um lado, as tradições nos facilitam uma vida comum, sem riscos e com o mínimo de julgamentos negativos.  Elas nos indicam o que fazer quando a escola acaba, a época que devemos casar, a maneira com que nos relacionamos com nossas mulheres. Nos dizem que o preço de um carro deva ser maior do que de uma viagem e que devemos usar calças e não saias. Isso nos faz evitar muitas "complicações sociais", com certeza.

Resumindo, as tradições nos poupam de um caminhão sem fim de problemas e de questões que gastaríamos muita energia para decidirmos a respeito.

Olhando por este lado, a noção de valor derivada das tradições é bastante atraente e pode ser tida como legitimamente melhor para grande parte da população. Acontece que nem só da maioria se vive o todo. Existe, e sempre existirá, uma parte de seres desajustados da atualidade. Não me refiro a pessoas que queiram viver “como antigamente”, tipo um Clint Eastwood em seu Gran Torino, nem aos Stevies Jobs que gostariam de criar o futuro.

Falo de uma parcela de pessoas que quer viver o presente, mas, mesmo tentando, não conseguem se adaptar às tradições (e, por consequência, valores) da sociedade. Esses "outsiders" tendem a fazer e ver as coisas de maneira diferente apenas pelo fato de, por não se sentirem confortáveis em diversas situações, sentem-se compelidas a "adaptar" seu cotidiano em busca de uma felicidade mais genuína.

É aquele seu amigo que, ao invés de um cão, tem uma tartaruga. Seu tio que, em vez de ter um apartamento, preferiu passar a vida viajando e nunca teve filhos. Eles são, na maioria das vezes, pessoas comuns com atitudes incomuns e são posturas como essas que nos tiram do piloto automático, que nos fazem questionar o valor regulamentado pelas tradições.

Um homem pode ser feliz com seu porco
Um homem pode ser feliz com seu porco

Não que elas nos façam preferir jabutis no lugar de cães, mas com certeza são estas ações que nos fazem refletir por que preferimos um animal a outro. São estas situações que nos permitem estimar o que nos cerca e que, para outros, poderia não ter apreço algum.

Mesmo nos livrando do valor hereditário das coisas, é inegável que só compreendemos o quanto algo realmente vale com o auxílio de outra pessoa. Raramente este tipo de entendimento é obtido de maneira solitária. E esta é a maior virtude da existência da sociedade, permitir que a visão do outro torne a minha ainda mais clara, abrangente e rica.

Se o dia a dia costuma amortecer nossos olhos, se a rotina tende a transformar o fantástico em banal e se o cansaço é um larápio de belezas, que o estranhamento alheio nos auxilie a enxergar como nossa vida realmente é, permitindo que notemos o valor de coisas que, usualmente (ou "tradicionalmente") não daríamos muita atenção. É uma chance mesmo de expandir o olhar.

Por fim, tenho três recomendações:


  • O livro Walden, do escritor americano Henry David Thoreau;

  • O filme Waking Life (2001);

  • O pensamento de que seu pai vai morrer amanhã (sim, isso mesmo).

E por hoje é só, amigos. Como sempre, espero que tenha sido útil ou, ao menos, divertido.


publicado em 26 de Abril de 2014, 07:00
11304492 1107811912567819 865753018 n

Bruno Passos

Pintor e dono da Conto Figueira. Ama livros, filmes, sol e bacon. Planeja virar um grande artista assim que tiver um quintal. Dá para fuçar no Instagram dele para mais informações.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: