Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Quem é seu fiscal?

Outro dia, estava eu no ônibus, e entrou um fiscal.

Ao ver que o pneu estava muito desgastado, disse aos passageiros que o carro não tinha como continuar viagem e que deveríamos descer e esperar pelo próximo ônibus.

Um dos passageiros começou a reclamar com o fiscal, dizendo que o ônibus tinha rodado até ali sem mais problemas e que não iria descer, porque estava atrasado para seu serviço, com o risco até de perder o emprego.

O fiscal explicou que o pneu estava em péssimas condições, que o ônibus nem deveria ter sido usado e, por questões de segurança, era melhor embarcar no próximo. Como o sujeito continuava discutindo, o fiscal acabou perguntando:

– O que é mais importante, seu emprego ou sua vida?

– Meu emprego, lógico!

Fui olhar pessoalmente o estado do pneu. Estava mesmo muito careca. De tão usado, já deixava à mostra sua fibra, que é o material que fica no meio da borracha. Nunca tinha visto um pneu tão desgastado como aquele.

E o sujeito continuava discutindo com o fiscal.

Em três minutos, já tinha chegado um outro ônibus. Todos nós, passageiros, alguns ainda reclamando, embarcamos pela porta de trás, para não pagar outra passagem.

Enquanto isso, o primeiro passageiro estava falando com o atendimento da empresa pelo telefone celular, revoltado com o fiscal que estragara sua viagem.

Quem é seu fiscal?

As pessoas parecem não saber mais lidar com seus contratempos. Ao se verem forçadas a sair de suas áreas de conforto, colocam a culpa no fiscal, que estava apenas fazendo seu trabalho e, pior, tentando protegê-las.

Às vezes, inclusive, o fiscal somos nós mesmos.


publicado em 15 de Novembro de 2012, 12:42
9ce6b005ad688cf8dc698e796c1f6497?s=130

Luis Guilherme

Pensou em ser militar mas não sabia lidar com a hierarquia. Pensou em ser jogador mas não sabia lidar com a bola. Pensou em ser padre mas não sabia lidar com a bíblia. Agora pensa que sabe lidar com palavras. Mas não engana a ninguém.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura