A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Palavras são perfumaria

Não confio em nada do que as pessoas falam e confio em tudo do que as pessoas fazem.

Não confio no que as pessoas falam não porque desconfio de todo mundo e acho que estão sempre me enganando, mas porque conheço as limitações da palavra e tenho empatia com as vacilações da alma.

Não confio no que as pessoas falam porque as pessoas quase sempre não sabem o que querem e não sabem o que sentem.

Mesmo quando sabem, muitas vezes não conseguem articular verbalmente;

E, mesmo quando conseguiriam articular verbalmente, muitas vezes não ousam falar, porque têm vergonha, porque são fracas, porque querem agradar, porque pegaria mal, porque magoaria alguém.

* * *

Quem diz que ama brócolis mas nunca compra brocólis, nunca coloca brócolis no prato e, quando o prato vem com brócolis, não come...

Essa pessoa não ama brócolis.

"Eu juro que te amo, é que estava muito ocupado semana passada!"

Mas, apesar disso, nos nossos relacionamentos amorosos, inflados de amor e esperança, desesperados por acreditar e perdoar, invertemos essa regra e inventamos inúmeras explicações para o que está bem na nossa frente.

Preferimos mais nos agarrar a um "eu te amo" verbalmente articulado uma vez do que a mil gestos de abandono, desprezo, desinteresse, descompromisso ao longo de semanas e meses.

É o que nos faz humanos.

* * *

Na verdade, não é nem que não confio no que as pessoas falam: não me dou nem ao trabalho de ficar duvidando do discurso das pessoas.

É bem mais simples:

O que a gente fala não conta. Palavras são perfumaria pra encher o tempo e evitar o silêncio. 

O que conta é o que a gente faz.


publicado em 26 de Outubro de 2013, 06:02
File

Alex Castro

alex castro é. por enquanto. em breve, nem isso. // esse é um texto de ficção. // veja minha vídeo-biografia, me siga no facebook, assine minha newsletter.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura