Quer ter mais sorte, mas não sabe como?

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

Todos nós já tivemos aquela sensação de olhar pro lado, ver alguém se dando muito bem e pensar que aquela pessoa tem toda a sorte do mundo, enquanto a gente só se ferra, não é?

É um engano de percepção bem comum, que acontece porque costumamos olhar apenas para o sucesso dos outros e não para toda labuta que foi chegar até lá, sem contar as oportunidades perdidas e todos os tombos que a pessoa levou no caminho.

Mas e com a gente? Ah, a gente trabalha duro, acorda cedo, pega trânsito, engole sapo... mas, por uma incrível falta de sorte, ainda não conseguimos chegar onde queríamos.

Na maioria das vezes, o conceito de sorte é decorrente dessa percepção equivocada: a crença de que algumas pessoas desafiam probabilidades matemáticas e violam as regras do universo, se saindo melhor do que a gente.

A verdade é que, durante a vida inteira, todos nós passamos por doses saudáveis tanto de oportunidades quanto de injustiças. Alguns descobrem isso logo de cara, talvez por terem nascido em berço de ouro e enxergarem mais cedo que a vida é cheia de boas oportunidades (o que não os impedirá de se sentirem muito mais frustrados quando seus planos derem errado). Outros, por terem nascido em condições menos favoráveis, demoram um pouco mais para enxergar o caminho -- mas justamente por isso crescem procurando e buscando aquilo que fará a vida deles ser diferente.

Muitos simplesmente aceitam a condição que têm. E, sim, alguns serão beneficiados aleatoriamente.

Meu avô começou sete diferentes tipos de negócios ao longo de sua vida. Chegou a ficar milionário uma vez. Quebrou duas. Depois de muitos anos tentando, ele finalmente decidiu vender seu último negócio por um valor suficiente para se aposentar confortavelmente na zona rural do Texas. Uma vida toda de trabalho duro, riscos, sucesso espetacular, falências mais espetaculares ainda... e no minuto em que ele decidiu parar de lutar e aproveitar o resto da vida, encontrou petróleo no quintal de casa.

É, meu amigo, a vida também tem dessas coisas.

 

Dados
A sorte é apenas o lado mais visível do azar

A verdade é que, até certo ponto, nós podemos influenciar a nossa sorte. Embora não possamos afetar diretamente as oportunidades que irão aparecer na nossa vida em um determinado momento (como achar petróleo no quintal de casa), nós podemos ter influência indireta sobre quantas oportunidades vão surgir e a ferocidade com que vamos agarrá-las.

Se definirmos “sorte” como a quantidade de oportunidades boas de mudança de vida que nos aparecem de modo completamente fora do nosso controle, pesquisas recentes mostram que algumas pessoas realmente são muito mais sortudas do que as outras, e mais: elas têm muitas coisas em comum.

Não são pés de coelho, ou o fato de nunca terem cruzado com um gato preto na vida. O que as pessoas “sortudas” têm são comportamentos específicos e uma forma de pensar que faz com que elas se deparem com mais oportunidades e vantagens na vida do que a maioria.

E o que você pode fazer, se quiser, é se treinar para se tornar uma dessas pessoas com mais "sorte":

 

1. Socialize e conecte-se com mais pessoas

O psicólogo Richard Wiseman é uma autoridade em sorte – ou o que é percebido como sorte em nossas vidas. No seu livro “The Luck Factor” (sem título em português), Wiseman diz que o maior fator determinante de “golpes de sorte” na vida das pessoas está relacionado ao quão social e interconectadas elas são com as pessoas em sua volta.

Pessoas sortudas têm prazer em se conectar e se relacionar com as outras e sentem-se confortáveis com isso. Quando se deparam com novas situações e ambientes, pessoas tidas como “sem sorte” tentam encontrar alguém que provavelmente seja parecido com elas, enquanto os sortudos conversam com todos da mesma forma sem se preocupar com isso.

Wiseman afirma em seu livro:

 

“Eu descobri que estar no lugar certo na hora certa na verdade tem tudo a ver com o estado de espírito...

Pessoas sortudas aumentam suas chances e criam oportunidades de encontros e experiências interagindo com o maior número possível de pessoas. E isso faz todo sentido: encontrar uma boa oportunidade é um jogo de sorte.

Quanto mais pessoas e perspectivas você tiver dentro da sua esfera social, provavelmente melhores insights e oportunidades vão aparecer para você.”

 

2. Seja um amante de riscos e situações imprevistas

A percepção de sorte vai ser mais associada àqueles que assumem mais riscos.

De novo, aquela percepção errada de sorte que nos faz olhar rapidamente para os sucessos e esquecer os fracassos que aconteceram no meio do caminho.

Pense que você está de férias com um amigo, e ele decide ir a uma casa de swing sozinho às 5 da manhã. A próxima coisa que você vê é ele chegando ao seu quarto de hotel ao meio dia com duas gatas, uma de cada lado, contando que eles ficaram a manhã toda num ménage.

Vamos combinar que ele não é um ser abençoado pela dádiva da sorte, mas sim que ele teve, além de coragem, provavelmente uma boa dose de outras tentativas frustradas em centenas de baladas das quais ele deve ter saído zerado, certo? Mas desta vez sim, ele foi ao lugar certo, na hora certa.

 

"A sorte favorece os ousados", em latim

Espontaneidade é um potencial atrativo de oportunidades e aventuras.

Continuar fazendo as mesmas coisas, indo aos mesmos lugares, vai fazer com que você diminua suas chances de encontrar oportunidades inesperadas e ganhos muito maiores do que os que você já está acostumado.

Quando mudamos nossas atitudes, um novo horizonte se abre, e ampliamos nossa capacidade de enxergar novas oportunidades. Nós costumamos enxergar apenas uma clara oportunidade possível, por exemplo: pedir demissão e ir morar em outro país. Além da ação, precisamos estar abertos para enxergar as outras oportunidades que essa nova atividade nos trará, seja uma viagem, um novo emprego, um hobby ou até mesmo um filme que você assistiu.

Por exemplo: quando eu comecei a trabalhar escrevendo online, achei que "consultoria amorosa" era o meu negócio, e que se não desse certo eu iria à falência e teria que engolir a vida num escritório, batendo cartão das 9 às 6. Mas com o passar dos anos eu conheci pessoas e fui tendo novas oportunidades de negócios em lugares inusitados como Tailândia e Ucrânia. Fiz amigos nas mais diferentes indústrias e de formas completamente aleatórias desenvolvi conexões que fizeram com que eu me mantivesse confiante de que eu nunca mais teria que trabalhar em um escritório de novo na minha vida.

A verdade é que se eu tivesse agido de modo diferente quando me deparei com cada uma dessas oportunidades (que naquele momento, aliás, não pareciam tão claras), haveria grande chance de nada ter dado certo. Sucesso nada mais é do que uma longa e dolorosa série de tiros n’água e algumas correções de rota. E o que é geralmente percebido como sorte, muitas vezes pode ser apenas alguém que não tem medo de fazer merda 20 vezes para acertar uma.

O ponto é: você precisa ter mente aberta e ser espontâneo.

Aquele cara coxinha que você conheceu um dia e nem deu bola pode vir a ser um ótimo parceiro de negócios numa nova empreitada. Aquele evento chato que você teve que ir obrigado para agradar seu cliente pode te render um par de ingressos para um show que você queria muito ir. O cara que te arranjou aquele baseado pode ser o mesmo que vai te apresentar à sua futura esposa. Nunca se sabe.

 

3. Maximize o retorno da sua sorte

Recentemente, dois pesquisadores chegaram ao fim de nove anos de estudo sobre o papel da sorte como determinante no destino das empresas mais bem sucedidas do mundo. Será que magnatas como Bill Gates foram favorecidos por golpes de sorte? Será que outras empresas de software não foram para frente enquanto a Microsoft prosperava por causa de circunstâncias infelizes ou acontecimentos imprevisíveis e fora do seu controle?

A resposta, obviamente, é não.

Na verdade, o que essas pesquisas descobriram depois de analisar 230 eventos tidos como “de sorte” em várias empresas, é que as mega-bem-sucedidas não foram beneficiadas pela sorte mais do que empresas que falharam. O que as diferencia é algo chamado “Retorno sobre Sorte” (ROL – Return on Luck).

Link YouTube | Quando Ted "Golden Voice" Williams teve a sorte de ser filmado e se tornar um viral no início do ano passado, será que ele soube capitalizar em cima disso?

Todo negócio pode ser afetado por eventos que trazem consequências positivas e negativas das formas mais imprevisíveis. O que separa as empresas bem-sucedidas das demais é que elas maximizam os elementos de sorte e minimizam os de “azar”. Isso é um alto ROL.

Quando Bill Gates percebeu que ele tinha a oportunidade de programar um sistema operacional a partir do Altair ele ficou sem dormir por semanas, perdeu várias aulas para agarrar ao máximo essa chance. Ele foi capaz de reconhecer que aquele era o grande momento da sua vida e que ele tinha meios de tirar todo o proveito que a situação oferecia. Isso é um alto ROL.

É isso que as grandes e bem sucedidas companhias fazem regularmente. Outras empresas podem até ser expostas a oportunidades similares, mas não tiram proveito da mesma forma que as demais.

Além disso, essas empresas também minimizam o “azar” de forma mais assertiva que outras. Muitas vezes transformando uma fraqueza em uma vantagem.

E as que se ferraram? Geralmente é porque desistiram. Azar o delas.

 

4. Seja otimista

Não preciso fazer uma lista sobre os benefícios de ser otimista (pessoas assim são mais saudáveis, felizes, bem sucedidas, agradáveis, vivem mais etc.), mas quero deixar claro que ser otimista e esperar o melhor das pessoas e das coisas à sua volta já te coloca, pelo menos, muito à frente na realização do item 1 dessa lista. Até porque ninguém gosta de sair com um ser humano que só reclama.

Otimismo e superestimação de si mesmo aumentam suas probabilidades de sucesso. Mesmo acreditando que a sorte (ou a falta dela) pode mudar tudo drasticamente, você ganhará muitas outras coisas pensando mais positivo.

Isso não é simplesmente pensamento positivo barato, ao estilo "O Segredo". O nosso desempenho geralmente acompanha o nível das nossas expectativas. Se você constantemente espera ser melhor do que já é, isso já é um grande passo. Um pouco de autoengano saudável não faz mal a ninguém – pelo contrário.

Em termos de otimismo e pessimismo, pense assim: otimistas estão mais sujeitos a ver situações de "falsos positivo" (situações ruins que você acredita serem boas) em suas vidas, enquanto pessimistas estão mais propensos a identificar "falsos negativos" (situações boas que você acredita serem ruins).

Não é difícil ver qual visão de mundo traz mais vantagens, certo?

Embora os otimistas possam muitas vezes confundir um monte de merda com ouro, eles nunca vão perder o ouro, pensando ser merda, quando este cruzar seu caminho. Os pessimistas acham que até ouro é merda e sempre vão tentar te convencer disso, tenho certeza, e assim vão deixar escapar muitas oportunidades valiosas por aí.

Escolher é fácil: você prefere encontrar merda ou ouro?

 

Original: How to Get Lucky, no Postmasculine 
Tradução: Fernanda Neute e Fabio Bracht


publicado em 29 de Setembro de 2012, 06:42
File

Mark Manson

Mark Manson é empresário, escritor, viajante do mundo e ex-dating coach. Ele escreve sobre sexo, dinheiro, cultura e realização pessoal. Você pode ler mais sobre suas experiências e pensamentos em www.postmasculine.com (em inglês).


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: