Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Somos uma piada, mas as pessoas não riem na nossa frente

Lembrei hoje de um daqueles vários projetos que começamos e logo deixamos morrer.

Em 2006, me juntei a dois amigos que conheci pela lista de discussão Transconhecimento, Fábio Rodrigues e Jaison Carvalho, para explorar o existencialismo, o niilismo, o ceticismo das piadinhas que trocávamos por email, sempre tirando sarro um dos obstáculos do outro. A piada, no entanto, era que todos estavam igualmente na merda. Sem muita pretensão, queríamos apenas descobrir se outros também ririam sem rir.

Surgiu então o Menino de Bigode, tirinha que durou apenas dois meses. Todos escreviam e o Fábio desenhava. Aqui as três que mais gosto:

Porco me importa

Inspirado pelo poema "Pouco me importa", de Alberto Caeiro (Fernando Pessoa).

Sr. Otário

Entendimento mútuo

A maioria dos diálogos que escrevemos não foi ilustrada. Esse, por exemplo:

A eficácia das metáforas
Menino de Bigode: "As tirinhas são doses homeopáticas de tratados filosóficos."
Divã: "Mas você não vive dizendo que a homeopatia não funciona?"
Menino de Bigode: "E quem disse que tirinhas funcionam?"

Além do "Somos uma piada, mas as pessoas não riem na nossa frente", produzimos outras chamadas:


  • "Por um mundo mais mundano"

  • "Pense duas vezes antes de começar a pensar"

  • "Porque tudo é o que parece"

  • "Imprima antes de rasgar"

Nos últimos tempos o Fábio resolveu fazer tirinhas budistinhas para a revista Bodisatva. Eu às vezes ajudo com ideias. O Jaison foi o único que conseguiu parar de perder tempo com besteiras assim.


publicado em 09 de Fevereiro de 2011, 12:15
Gustavo gitti julho 2015 200

Gustavo Gitti

Professor de TaKeTiNa, colunista da revista Vida Simples, autor do antigo Não2Não1 e coordenador do lugar. Interessado na transformação pelo ritmo e pelo silêncio. No Twitter, no Instagram e no Facebook. Seu site: www.gustavogitti.com


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura