Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Sua vida não é sua

Sua vida não é você (seu corpo, seu fluxo mental e ideações, suas atividades, seus objetos). Sua vida é tudo o que lhe acontece, tudo o que surge para você.

Sua vida é tudo o que você pode apontar, internamente e externamente, e todos que podem apontar para você, ou seja, todos para quem você surge com suas mil novecentos e oitenta e sete aparências.

Aqueles que tiram sarro ou silenciosamente me lançam olhares inferiorizantes, aqueles que se alegrarão com o que algum dia escrevi. A janela, o céu lá fora, o ônibus que eu não tomei mas ouço o barulho agora, o Wordpress, você. Eis minha vida.

Se o outro surge na sua mente ou na sua frente, não importa, é tudo o mesmo espaço: você

Corolários

1) Sua vida não é sua; minha vida não é minha.

2) Se alguém se acha no direito de acabar com a própria vida, isso vem da mesma confusão que faz uma pessoa achar OK matar outros.

3) "Cada vez que um ser humano morre, um mundo humano desaparece." (Humberto Maturana)

4) Como nossa vida é igualmente dos outros, todos os nossos movimentos e decisões deveriam considerar o máximo possível de seres -- o que não significa pedir opinião ou abrir votação democrática, já que a maioria dos seres sustenta visões equivocadas sobre o que é bom para eles e sobre o que é bom para você.

5) Tudo e todos participam de minha vida com influências muito mais intensas do que eu consigo conceber. De fato, eu só não me alegro com a felicidade de desconhecidos, só não cultivo compaixão com o sofrimento de estranhos, porque faço um esforço incessante em reduzir minha atenção àquilo que penso ser minha vida.

6) Quando entendemos um pouco mais, de novo e de novo, que não há ninguém referenciado quando dizemos "eu", apenas uma confluência indefinível de movimentos estupidamente maiores do que nós, podemos enfim dizer "eu" um pouco mais à vontade.

"Somos céus atravessados por nuvens de energias vindas da profundidade dos tempos. Quanto mais acreditamos que somos alguém, mais somos ninguém. Quanto mais sabemos que não somos ninguém, mais nos tornamos alguém." --Pierre Lévy

Link YouTube | Nem isso, nem eu sou meu, Eddie Vedder

7) Sou responsável por tudo o que surge dentro e fora de mim. Se quero transformar minha vida inteira, mudar a mim mesmo é inútil, quase nada, 0,1% do processo, digamos. Preciso encontrar um jeito de me posicionar e me relacionar para que outro fluxo mental surja, outras aparências e eventos tomem forma, outras redes, outros comportamentos se instalem em mim e nos outros -- que nasça outra vida. Por exemplo, se eu solto um sorriso, aumento as chances do outro sorrir, sem que eu nunca consiga controlá-lo. Preciso aprender a dançar e plantar, me comunicar diretamente com a realidade, pedir ajuda, ter paciência, algo como transar e esperar 9 meses por um processo mágico.

8) Mudar a minha vida não é senão mudar o mundo. Uma transformação não é a causa ou o efeito da outra, é exatamente a outra.

9) Se eu quiser uma vida feliz, devo viver de um modo (com a aspiração) de que a mera lembrança de meu nome -- ou uma rápida mirada em uma foto de meu rosto ou talvez algumas palavras perdidas por aí (quiçá lugares, organizações, obras, grandes movimentos) -- possa trazer alegria, sabedoria, abertura, inspiração, beneficiar de jeitos inesperados todos que algum dia tiverem algum contato comigo, participarem de minha vida.

10) Grandiosa é a vida que mais facilmente pode ser apropriada pelo máximo possível de seres. Não tanto a vida que todos querem ter, mas a vida da qual muitos querem participar e conseguir oferecer por aí.

Quer colocar isso em prática?

Para quem está cansado de apenas ler, entender e compartilhar sabedorias que não sabemos como praticar, criamos o lugar: um espaço online para pessoas dispostas a fazer o trabalho (diário, paciente e às vezes sujo) da transformação.

veja como entrar e participar →


publicado em 23 de Janeiro de 2013, 12:21
Gustavo gitti julho 2015 200

Gustavo Gitti

Professor de TaKeTiNa, colunista da revista Vida Simples, autor do antigo Não2Não1 e coordenador do lugar. Interessado na transformação pelo ritmo e pelo silêncio. No Twitter, no Instagram e no Facebook. Seu site: www.gustavogitti.com


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura