Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Num relacionamento, o que é melhor? Uma barra de chocolate ou um ovo de páscoa? | Do Amor #78

Como entender nossos sofrimentos no amor comparando um ovo de chocolate com uma barra de valor mais barato?

O curioso caso do peso e do preço do chocolate. Na matemática primária, aprendemos a calcular a média de valor de um doce dividindo o preço pelo seu peso. Um ovo de páscoa de quatrocentos gramas custar noventa reais enquanto uma barra de meio quilo não sai por mais de vinte desperta, todo ano antes da festividade religiosa, a ira de quem sabe fazer conta.

Eu mesmo, todo ano, caio nessa e saio dividindo e multiplicando toda vez que passo pelo corredor abarrotado e farto de embrulhos cintilantes e metálicos típicos deste produto. Me revolto, empino o nariz como se fosse o melhor dos ministros da Fazenda, feito um economista com Nobel debaixo do braço, faço pouco dos ovos e digo que nunca - NUNCA - me farei de otário e comprarei uma falcatrua daquelas.

Não é assim no amor?

Uma delícia deseja por todos, mas que a gente adora se enganar e comprar o mais caro, ir atrás do que dá mais trabalho, aquele que fica mais bonito na prateleira, que todo mundo vai parar no trânsito para querer ver você desfilar segurando na mão. E daí a gente lê este parágrafo e já se agita, percebe como é bobo ir atrás de uma relação assim, pelo status, pelos anseios culturais e sociais, porque o amor romântico pede esta condição, faz pesar sua influência. Daí lembramos também de como é difícil explicar para uma criança de oito anos que uma barra pesa mais que um ovo, que ela vai se dar melhor, vai ter mais doce, se levar o mais barato. Que brinquedo a gente compra por fora também. 

Nem sempre as coisas são fáceis. É muita pressão estrutural mesmo, muito Shakespeare na cabeça, que te, que dar certo mesmo dando errado, que tem que doer pra valer, que tá escrito nas estrelas, é muita Hollywood contando que vai brigar muito pra depois se entender nas comédias românticas, que precisa chegar no ponto de precisar correr no aeroporto, que precisa de fogos de artifício, que precisa de embrulho brilhante e formato oval para se obter o mesmo amor gostoso que tá na embalagem quadrada lá na prateleira.

A gente gosta de um amor bonito, a gente procura por aí o êxtase, uma história única, a gente separa as pessoas para se aproximar daquelas que aparentemente tem tudo a ver conosco, a lista de filmes tem que bater, a sobremesa favorita tem que ser a mesma, a preferência por videogames ou museus, feito criança de oito anos que "precisa" muito do brinquedo específico dentro do ovo específico, mesmo que seja muito mais fácil (e barato e inteligente e saudável) pegar o chocolate e um brinquedo interessante separadamente.

A gente precisa urgentemente aprender a matemática do amor.

Esse pessoalzinho de humanas...

O livro Do Amor está à venda!

Gente, finalmente o livro Do Amor está pronto e no jeitinho pra ser vendido! Quer um? É só entrar no meu site, jaderpires.com.br, e fazer a compra! O livro está com o preço de R$39,90, mais nove reais para o custo de frete por item!

Qualquer coisa, me chama no Instagram (@jaderpires) ou manda e-mail pra jader@jaderpires.com.br pra eu te enviar um exemplar com dedicatória bem bonita e tudo.

Beijo!

Assine a Meio-Fio, a newsletter do Jader Pires

Pessoal, saiu hoje mais uma Meio-Fio, minha newsletter semanal com contos e crônicas, mais um monte de coisa boa, recomendações e links que vou pegar por aí. 

Sempre às sextas, vai chegar quentinho no seu e-mail. Basta se cadastrar com nome e e-mail aqui.


publicado em 30 de Março de 2018, 00:00
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura