A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

To baby or not to baby, eis a questão

Recentemente contei lá no Srta. Rosa que fui tomada de uma paixonitezita por um garoto coisa de 10 anos mais novo que eu.

Recentemente contei lá no Srta. Rosa que fui tomada de uma paixonitezita por um garoto coisa de 10 anos mais novo que eu. Tá, um pouco menos, mas bem pouco. Estamos falando de trinta e poucos x uns vinte e alguma coisinha...

Acontece que visual e intelectualmente, à primeira vista, fui enganada pelo ser, que parecia ser mais velho. Alto, sabe como? E fortinho? E falando coisas pertinentes!

sin
Hmmm, soa como algo errado-que-não-se-deve-nunca-fazer, mas... Crédito da imagem para Eric Phillips

Logo eu, confundindo-me. Eu que quando sou abordada por criaturas com óbvios alguns anos a menos me apresento com um 'tia Rosa, muito prazer, sua mãe sabe que você está aqui?' [eu sei ser bem sarcasticazinha e grossa quando quero.]

Ainda não sei o que me deu para mudar de posição tão derrepentemente. O moço é gatinho, okey. Eu adoro gente meio gauche, okey. Inteligente, okey – isso eu gosto e gosto mucho! Mas vamos combinar que vinte e três anos é praticamente um adolescente! E nem adianta vocês protestarem, eu passei já dos 3.0 e acho quase adolescente mesmo.

Você dá uns beijos gostosinhos num baby e a primeira coisa que vem na sua cabeça é 'meu Deus do céu, o que foi que eu fiz?'. E se culpa. Se tivesse um chicotinho de silício se infligiria umas vinte chibatadas no lombo pra deixar de inventar moda.

Fico me perguntando 'o que eu estou fazendo aqui!', se afinal de contas, poder criar historinhas faz parte do que a gente quer. Viver as possibilidades, ainda que hipoteticamente. E com um baby, a gente se sente absolutamente ridícula de criar qualquer próximo capítulo pra coisa, mesmo que tenha sido bom e que isso diga respeito ao final de semana seguinte e não ao próximo mês.

Não dá pra fazer como a gente normalmente faz quando conhece um sujeito, sabe? Aquele momento pós conheci-um-cara-legal-e-interessante-e-gostosinho em que ficamos à sós com o nosso travesseiro já imaginando acontecimentos em sequência [e não se iludam, meninos, quando a gente faz isso quase nunca nos imaginamos vestidinhas de branco e subindo ao altar, mas gostamos de pensar se o fulano será o fulano que merecerá alguma surpresa hot-rocks no próximo dia dos namorados ou pra onde será nossa próxima viagem juntos].

sonhando-acordada
Não poder sonhar acordada é comer biscoito sem recheio, perde metade da graça

Quando você pesca um baby, a primeira verdade absoluta na qual você sabe que pode confiar é 'não crie expectativas', e isso pra mulher é praticamente uma dose de cianureto.

Sei lá, talvez essa minha incursão pela década errada seja só uma tentativa de reviver uma época feliz. Quem sabe, tentar resgatar, lá de trás aquele meu primeiro namorado bonzinho, romântico, ingênuo, gostoso e cheio de disposição que eu achei que fosse encontrar em seqüência vida afora depois de dispensá-lo – afinal, não conhecia bem o mundo e pensava que o nível era só dali pra cima!

Talvez seja experimentalismo mesmo, já que é um conjunto-da-obra bem diferente dos cascudos com os quais você toma na cabeça depois, porque que com o tempo os homens não sofrem mais por amores mal resolvidos, são mais hipócritas, canalhas e aprendem a mentir e a se esconder melhor, inclusive deles mesmos.

Talvez, porque me pareceu mais legal e divertido ensinar o que é sinestesia a alguém que recita 'metades' do Oswaldo Montenegro pra mim (mesmo tendo apagado essa informação do meu HD) do que consolar um sujeito que no terceiro encontro resolve desfiar nos meus ouvidos o rosário de ter sido enforcado, usado como reprodutor e posteriormente depenado pela ex-mulher.

xuxa
Xuxa em momento educacional com um baixinho

Mesmo com tudo isso, ainda me sinto um pouco a Xuxa seduzindo aquela criança naquele filmito polêmico e totalmente freak que nunca vi mas é claro que acessei a um dos ‘hot-trechos’ via na-web-fazemos-qualquer-negócio e atualmente passo alguns dias me alimentando de culpa.

Mas sabe que talvez, talvez, e pensando bem acho que essa é a possibilidade que eu assinalo como A Possibilidade, eu só queira mesmo é estrelar um conto erótico do extinto fórum da Ele & Ela como sedutora de menores.


publicado em 11 de Março de 2008, 17:30
7af32b48b50af4123b046301b122d8f8?s=130

Senhorita Rosa

Gostou, caro leitor? Pode ler mais no blog da Senhorita Rosa.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura