Como se transforma a paternidade no Brasil? Faltam apenas 5 dias para o PAI: Os desafios da paternidade atual.
Compre já o seu ingresso!

"Treine como o besouro, meu amigo"

Precisamos nos lembrar de onde viemos e quem somos de verdade. Nossa mais profunda essência.

É doído pensar quantas vezes fiquei fazendo exercícios de madrugada, acreditando que aquelas últimas repetições iriam transformar minha vida. Toda gota de suor teve seu ganho em dobro, em aspectos que vão muito além dos quais eu nem poderia imaginar.

Muhammad Ali

Scott Peck, em seu livro A trilha menos percorrida, define disciplina como a capacidade de adiar a recompensa. Disciplina é uma das poucas características que podem mudar uma vida totalmente.

Você já deve ter ouvido falar do pobre besouro. Um grande inseto lento e desengonçado que, na maior parte do tempo, está virado de cabeça pra baixo, debatendo-se enquanto se balança suas costas arredondadas. O besouro não é o melhor dos exemplos de sucesso natural que podemos ter. As pessoas gostam de se comparar com as fantásticas aranhas ou os mortais escorpiões. Eu não.

Eu nunca passei de um besouro.

Todos os dias, nos meus primeiros anos de treino, acordei e pensei: “eu não nasci pra isso”.

Chegava nos treinos e via os talentosos prodígios aprendendo, em poucas horas, tudo o que demorei meses para conseguir. Engolia em seco e insistia no pouco que eu podia. Meu corpo também nunca favoreceu nenhuma das minhas investidas no esporte. Sempre tive pernas muito largas e, mesmo depois de emagrecer, continuaram pesadas demais para quem salta com frequência.

Lembra da sensação do seu primeiro dia de aula na escola? Ou de começar num novo emprego? Esse sentimento sempre esteve presente em meus treinos. Sempre serei o estranho no ninho, tentando provar pra mim mesmo que consigo, que posso.

Como todo besouro desengonçado que decide voar, quando alguém acima do peso pretende começar a treinar, a reação geral é de descrédito, normalmente transformada em uma piada ou um comentário irônico, seguido de uma risadinha. A pessoa que está acima do peso não tem apenas a barreira física para enfrentar, o impacto psicológico causado por esse preconceito cria um muro, na maioria das vezes, intransponível.

A maior parte dos gordinhos até gostaria de fazer alguma coisa, mas a resistência psicológica causada pelo medo de ser alvo de piadas é muito mais forte que a força de vontade e da iniciativa.

Quando consegui quebrar essa barreira, tive uma grande vantagem em relação aos naturalmente talentosos: a disciplina necessária para dar o primeiro passo, que acabou me tornando psicologicamente mais forte para seguir em frente. É impossível não se importar com os comentários, mas avançar -- mesmo com esse amargo na boca -- é o que nos garante a chance de sucesso.

Jasper Benincasa
Jasper Benincasa

Eu queria provar que estavam todos errados. O impacto de desistir e me reconhecer como um perdedor, mesmo que só pra mim mesmo, se tornou maior do que eu estava disposto a aceitar. Poderia ser o pior no que estava fazendo, o mais desengonçado, mas pagaria pra ver o resultado. Quando entendemos que não precisamos ser o melhor, é muito mais fácil continuar seguindo o caminho em nosso próprio ritmo.

Os anos foram passando e os talentosos foram ficando pra trás. A falta de desafios e a sensação de que tudo é fácil faz o interesse cair. Não sabemos valorizar as coisas que vêm fácil, perdemos o interesse.

É triste.

Não é que tudo precisa ser difícil, mas, infelizmente, só damos valor nas coisas que nos custam a conquistar.

O besouro é um inseto que, por sua concepção física, não possuí a aerodinâmica necessária para voar. Sua asas são pequenas demais para seu grande corpo, o que teoricamente tornaria o ato de voar impossível. Mas o besouro voa. Lentamente, torto e meio sem direção, o besouro vai voando em seu ritmo, no seu tempo. E ele voa.

Assim o tempo foi passando e a capacidade de executar os exercícios se tornando mais natural. O gosto por esse desafio, o de começar do zero e não saber nada foi tomando conta, me fazendo sempre querer tentar algo novo. Sempre lembro que não quero ser o melhor nem o mais desenvolvido. Só quero ser mais satisfeito.

Essa vontade de ser igual aos outros é que nos bloqueia de trilhar nosso próprio caminho. Quantas histórias de pessoas que, mesmo com os médicos dizendo que jamais voltariam a andar, continuaram seus passos lentos e foram capazes de conquistar o que antes era impossível?

Reconhecer que todos possuem um diferente potencial, capacidade e um caminho próprio para trilhar, é imprescindível para sair do lugar. Lembrar que o mundo não é uma corrida, onde tentamos chegar em primeiro. Só podemos nos comparar com uma pessoa: a pessoa que éramos ontem.

E, nesse caso, não existe estagnação. Ou você está melhorando ou está piorando.

Tão importante quanto escolher uma atividade que te agrade, para se sentir bem, é assumir seu egoísmo e escolher a si mesmo. Podemos nos culpar o tempo todo e dizer que o mundo não é como gostaríamos, que quando nos demos conta, já estava gordo demais, velho demais, cansado demais.

Bruce Lee
Bruce Lee

Ou podemos nos livrar das crenças limitadoras e simplesmente perseverar, com uma irracional perseverança.

Quando um atleta paraolímpico cruza a linha de chegada, ele escolheu a si mesmo, ao invés dos outros. Quando um homem larga tudo para ser mais feliz e seguir seus sonhos, ele está escolhendo a própria felicidade. Quando um sedentário levanta do sofá pela primeira vez, disposto a ir ao parque caminhar, ele está dando o primeiro passo para uma mudança que nem ele mesmo imagina.

É só uma questão de tempo.

Mecenas: SUBWAY

AF_BOR004413AS_620x350_PecaOferecimento
A SUBWAY sabe que a vida bate, mas também assopra. Nessa toada, quem melhor sabe trabalhar com as escolhas -- as que o acaso impõe e as nossas próprias – sempre

Autonomia de preferência, indulgência e escolha acertada. Atitudes que "mandam bem" é um estilo de vida.


publicado em 27 de Outubro de 2013, 22:00
12596172 10153389055960906 1551523976 n

Alberto Brandão

É analista de sistemas, estudante de física e escritor colunista do Papo de Homem. Escreve sobre tudo o que acha interessante no Mnenyie, e também produz uma newsletter semanal, a Caos (Con)textual, com textos exclusivos e curadoria de conteúdo. Ficaria honrado em ser seu amigo no Facebook e conversar com você por email.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura