A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

7 armadilhas do modelo tradicional de relacionamento

Dos meus quarenta anos, passei dez casado. Segui direitinho o roteiro tradicional de qualquer relacionamento: namorar, casar, comprar apartamento e mobílias, se endividar, terminar uma facul, se acomodar, se cansar e separar. Parece até receita de bolo do inferno. Mas tudo isso foi pregado pelos meus pais, TV, jornais e sociedade como a coisa certa a se fazer: não tinha como escapar.

Mas é possível driblar essas armadilhas com ações simples, ao alcance de todos.

Acredite se quiser. Você e seu cônjuges não são gêmeos siameses!
Acredite se quiser. Você e seu cônjuge não são gêmeos siameses!

1. Abrace a individualidade

Esclareça logo no primeiro encontro o que você espera de um relacionamento, da vida, dos seus sonhos e objetivos e, principalmente, o quanto sua individualidade, trabalho, estudos, amigos e diversões são importantes. Considere que tudo isso também vale para o outro, com o mesmo peso e medida.

O que será combinado no começo não poderá ser condenado depois. Se tudo isso não ficar claro desde o início, as cobranças mais tarde serão excessivas e seu relacionamento se tornará uma merda.

2. A grana deve vir dos dois

Casamento é uma sociedade que pode dar certo ou não, como qualquer empresa por aí. De preferência, os dois trabalham e pagam contas, fazem poupanças e investimentos sempre juntos, para garantir a continuidade do relacionamento e para que, numa possível separação futura, tudo seja dividido meio a meio, com direitos iguais para todos. Vocês entraram nessa de comum acordo, então o esforço financeiro deve ser dividido também.

Agora, se a outra pessoa não pensa assim e repudia esse tipo de igualdade, aí você já entrou no jogo perdendo por 1 x 0.

3. Diversão dentro X diversão fora

Diversão out: motel, viagens, cinema, bar, parques e afins.

Diversão in: cozinha, sofá, DVD, Playstation, pizza, cama...

Se você realmente quiser manter a alegria em seu relacionamento, tenha uma reserva financeira para a diversão out: ela é mais importante do que a compra de sua nova TV LCD 3D ou do seu novo notebook. Muitos namoros e casamentos caem na mesmice da diversão in, e o tesão esfria mesmo. É claro que tem dias que vocês só querem ficar juntinhos dentro de casa, mas não faça disso uma rotina fatal.

Exemplo de um casal que nunca saía de casa. É assim que você quer ser?
Exemplo de um casal que nunca saía de casa. É assim que você quer ser?

4. O milagre da empregada doméstica

Deveria ser obrigatória, num acordo de casamento, a contratação de uma empregada doméstica. Assim, quando a esposa chega em casa, já vai encontrar tudo em ordem e poderá esperar o marido só de calcinha fio-dental, na cama, e ligando pra ele assim: "Amorzinho, to peladinha na cama te esperando, vem logo tesudo".

Se os dois trabalham pra caramba e possuem uma renda legal, contratem uma empregada ou diarista. Vai sobrar mais tempo livre para os dois se curtirem, o peso das obrigações domésticas fica muito mais leve, evita-se o desgaste emocional da mulher, e o marido não terá que ver sua mulher barangar. Só isso já compensa e muito o investimento, acredite.

5. Quando dizem pra você malhar e se cuidar... não estão brincando

Definitivamente, malhe. Se não gosta de malhar, faça caminhada ou corrida na praça. O importante é não se deixar barangar, não relaxar com seu corpo. Na fase do namoro, escolheram você – ou você escolheu a pessoa – por ser a melhor opção disponível naquele momento. Mas essa situação sempre pode mudar. Depois disso, temos a obrigação de nos mantermos saudáveis.

Repare em seus amigos e parentes que se casaram dois anos atrás: eles engordaram, relaxaram? Então, relaxar com seu corpo pode causar desinteresse sexual da outra parte. Pior ainda, faz a pessoa amada prestar mais atenção em quem está ao redor.

Não corra o risco de, em breve, ver seu cônjuge com outro ou outra no Facebook ou no Orkut, ambos de mãos dadas na praia, exibindo seus dotes físicos bem melhores que os seus.

Inspire-se na sua namorada.

6. Tenha estilo

Você até pode estar fora de forma, mas se souber se vestir causará impacto imediato nas pessoas a sua volta. Adquira um bom guia de estilo e, quando for comprar roupas, leve-o com você.

Outra dica essencial: use perfume, perfume do bom, importado, aqueles de R$ 100,00 pra cima.

7. Cabeça cheia... mas de coisas boas

Falta de assunto também causa desinteresse. Coloque coisas relevantes em sua cabeça. Leia bons livros e revistas, acesse jornais, escute rádios de notícias, fique presente ao mundo.

Mais sugestões?

Cometi todos esses erros. Caí em todas essas armadilhas dos relacionamentos comuns. Deixei que elas enferrujassem minhas atitudes e percepções. Não tem jeito, se esse modo de vida não for questionado, a trombada é certa: se-pa-ra-ção.

E vocês, que já casaram ou moram juntos? O que mais erraram e acertaram?

[18+] Oferecimento: Chivas (concurso para namorados e também para solteiros)

A Chivas vai presentear solteiros e namorados em sua página no Facebook. Se você não tem ninguém para chamar de minha, basta divulgar sua melhor cantada e concorrer a 5 ingressos para uma balada regada a Chivas em São Paulo. É isso: dá para levar 4 amigos.

Se quer levar sua namorada para um jantar especial, diga aqui o que ela merece. As respostas podem ser enviadas até dia 8 de junho apenas por maiores de 18 anos.

O resultado sai dia 9 aqui: www.facebook.com/chivalryclub


publicado em 06 de Junho de 2011, 14:13
790dac97904677b1c5b421a7a19e05ab?s=130

Moacyr Ferrazzini Jr.

40 anos, assessor comercial, pós-graduado em Gestão\r\nde Negócios, modelo e figurante comercial de propaganda em TV e revistas, baterista e vocalista às terças-feiras, carpinteiro de telhado, pintor profissional formado pelo SENAI e noivo de uma gata de 25 anos.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura