A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Ainda existe emoção na Fórmula 1?

Os amigos deste glorioso, bem desenhado e bem editado site composto única e exclusivamente pela nata masculina da sociedade mundial talvez gostem muito de Fórmula 1. O grande problema, no entanto, é conseguir boas informações sobre o tema na internet tupiniquim.

Para sair do óbvio - ou seja, ir além dos colunistas em grandes jornais do mundo que só falam "fulano fez a pole", "fulano está com problemas no pneu", "fulano ganhou a corrida", o sujeito acaba sendo obrigado a ler a parte gringa da internet. Não mais, pois tentarei regularmente fazer por aqui a coisa que melhor sei fazer na vida: ler sobre F1 em sites que ninguém conhece e falar como se eu fosse mestre no assunto.

O quarteto dominante, em 21 de setembro de 86. Teremos hoje novas lendas?

O chefe Guilherme me deu a excelente idéia de, num primeiro texto, abordar os maiores mitos da F1 atual:

1. "Piloto não faz nada hoje em dia, é só computador nessa porra agora!"

Essa é a frase lugar comum, por excelência. Sujeitos assumindo que  piloto não precisa fazer mais nada hoje em dia só porque temos computadores nos carros. Pior, só mesmo a galera que solta:

Hoje tá fácil, até eu piloto carro de F1.

O carro de F1 só tem um computador, no motor. Não tem controle de tração, ABS, diferencial eletrônico, nada.

Para esclarecer, pinto-lhes o seguinte cenário. Você é um grande piloto e está lá no grid, esperando as luzes verdes. É dada a partida e todos aceleram loucamente para a batalha. Depois de algumas voltas, as posições começam a ficar definidas e seu engenheiro, olhando nos computadores lá no box, com todos os tipos de informação do seu carro, te passa um rádio:

Bicho, é o seguinte. Seu pneu está gastando muito, nesse ritmo estamos ferrados, você vai parar no box e perder uma pancada de posições, manera aí.

Você, gênio da F1, já sabe o que isso quer dizer, não? Como são componentes de altíssima performance, os pneus só trabalham bem em uma faixa de poucos graus de temperatura. Precisamente entre 98 e 101 graus. A 94 graus seu pneu tem 17% menos aderência, a 105 graus ele dura 25% menos(!). Um pneu de carro normal funciona de 20 a 100 graus na boa, troca-se a performance pela durabilidade. Então você precisa maneirar nas curvas e não ser tão agressivo (ou seja, diminuir algo na casa de milésimos) para diminuir a temperatura dos pneus e economizar. Ah, e ainda tem que segurar o seu adversário grudado atrás de você.

Dirigir um bólido desses e mantê-lo estável durante a corrida é uma arte. Se os freios estiverem frios simplesmente perdem a eficácia - componente pra alta performance é assim, meu querido. Dirigir fora da parte emborrachada da pista pode acabar com seus pneus.

Hoje em dia até a faixa de uso do motor precisa ser gerenciada pelo piloto. Explicação: os gases que saem do escapamento ajudam a estabilizar o ar em alta velocidade que passa pelos pneus, mas isso só tem uma boa performance funcionando numa faixa constante de temperatura. A Renault diminuiu em 10% o consumo de gasosa pro piloto poder deixar o giro do motor um pouco mais alto durante a corrida - ou seja, queimar gasolina à toa - e conseguir deixar a saída de gás ali mais constante.

2. "Carros de F1 não são tão diferentes dos outros..."

Carros comuns são feitos para obter performance mediana em todas as condições. Um F1 é construído para performance máxima em UMA situação, sem margens para cima ou para baixo. Imagine conseguir gerenciar tudo isso, a 350 km/h, sabendo que a diferença entre economizar e acabar com o seu carro é de no máximo 200 milésimos por volta. E sabendo também que tem uma fila de maníacos atrás de você, buscando a ultrapassagem.

Uma diferença de 0.2km/cm2 na calibragem do pneu já muda por completo a performance. O piloto lida com tudo isso enquanto tenta superar seus oponentes.

Para se ter uma noção da dificuldade de se pilotar um F1 desse e de como um piloto faz a diferença, deixo-lhes com este vídeo de Richard Hammond, apresentador de um dos programas sobre carro mais assistidos no mundo, o britânico Top Gear. Além de dirigir os veículos mais rápidos do planeta, o cara também corre turismo na Inglaterra:

Link vídeo

Não tem legenda. Resumindo: Richard explica que o carro mais forte que já pilotou foi uma Bugatti Veyron com uma relação de potência de 500cv por tonelada. A F1 tem 1000 cv e pouco além de 600kg.

Começaram dando um carro porcaria e ele não conseguiu sequer sair do lugar. Aumentaram o carro para ele ir se acostumando. Com o carro de F1 tiveram que esquentar os pneus pra dar aderência, e enfim conseguir sair do lugar. Porém ele estava sem freio, não conseguia ir rápido suficiente para freiar e os freios precisam ser utilizados para alcançarem a temperatura adequada e começarem a funcionar corretamente. Pegou?

3. "F1 não tem mais emoção!"

Brasileiro tende a usar a frase "fórmula 1 não tem graça", quando na verdade querem dizer "não tem mais brasileiro ganhando, então não tem mais graça". Uma coisa aprendi sobre nosso país: só torcemos para quem ganha. Lembra do Guga levando tudo no tênis? De repente nos tornamos o país do tênis! E o vôlei, nas Olimpíadas? Mesma coisa. Quando o Senna ganhava 99% das corridas do ano de ponta a ponta a F1 era linda. Agora que os gringos fazem isso ela é chata. Aparentemente só gostamos da modalidade quando nos favorece.

Porém, se é um real fã de corridas, é impossível não apreciar as últimos temporadas.

Comecemos com 2010. Loucura o ano inteiro. Seis pilotos - SEIS, inédito na história da F1 -, disputando as primeiras posições até as últimas etapas. Na última, três pilotos chegaram com chances de ganhar o campeonato. Sebastian Vettel, o azarão, venceu numa corrida marcada pela burrice extrema da Ferrari. Foi emoção automobilística até o instante final.

Vamos para 2009. Inesquecível. Corridas sempre disputadas e recheadas de ultrapassagens. Durante toda a temporada tivemos pilotos diferentes alternando posições. Fechando com o término de temporada mais emocionante da história. Se Massa ganhasse e Hamilton chegasse em QUINTO, Hamilton seria campeão. Massa ganha e na última volta Hamilton estava em sexto numa chuva torrencial:

Link vídeo

Hamilton leva. Épico!

Alguns dizem que a falta de acidentes tirou parte da emoção. Como já dizia o mito Nelson Piquet, se bem me recordo, "todo mundo assiste corrida pra ver a desgraça". Infelizmente para muitos, é uma verdade. E após a morte do Senna, a modalidade ficou bem mais segura, eliminando as  batidas.

Não me incomoda nem um pouco, gosto mesmo é da disputa. Essa está melhor do que nunca!

Oferecimento: Pirelli

Às vésperas da primeira prova da Pirelli como fornecedora exclusiva de pneus da Fórmula 1 em Melbourne, na Austrália, a marca promoveu um movimento em prol da volta da emoção à competição. As ações aconteceram em diversos pontos e culminaram com a execução de um arranjo inédito do Tema da Vitória pela Orquestra Furiosa, no Viaduto do Chá.

Absolutamente imperdível para fãs do automobilismo e do Ayrton Senna.

Link vídeo


publicado em 11 de Abril de 2011, 07:56
F2a5acd88de8042a46819a347e9ab4b9?s=130

Fabio Morróida

Escrevendo de seu iate Azimut Leonardo 78 pés atracado em Côte d'Azur, enquanto degusta seu Blue Label rodeado de modelos, este autor gosta das boas coisas da vida, é humilde e sincero e escreverá sobre F1.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura