Assistam na íntegra a live que fizemos no Facebook com o Dr. Tiago Pádua (Oncologista) e o Dr. Lucas Ventura (médico de família) falando sobre o tema: "Por que os homens vivem 7 anos a menos que as mulheres". Vamo lá!

Black Bloc: as manifestações continuam

  • Nossos atuais Mecenas:
  • 130x50 jpg
  • Asm selo png

"Black bloc é o nome dado a uma estratégia de manifestação e protesto anarquista, na qual grupos de afinidade mascarados e vestidos de negro se reúnem com objetivo de protestar em manifestações anti-globalização e/ou anti-capitalistas, conferências de representacionistas entre outras ocasiões, utilizando a propaganda pela ação para questionar o sistema vigente.
As roupas e máscaras negras que dão nome à estratégia são usadas para dificultar ou mesmo impedir qualquer tipo de identificação pelas autoridades, também com a finalidade de parecer uma única massa imensa, promovendo solidariedade entre seus participantes.
Black blocs se diferenciam de outros grupos anti-capitalistas por rotineiramente se utilizarem da destruição da propriedade para trazer atenção para sua oposição contra corporações multinacionais e aos apoios e às vantagens recebidas dos governos ocidentais por essas companhias. Um exemplo desta atividade é a destruição das fachadas de lojas e escritórios como McDonald's, Starbucks, Fidelity Investments, e outros locais relacionados às corporações no centro de Seattle, durante as manifestações contra a Conferência Ministerial da Organização Mundial do Comércio de 1999." –Wikipedia

As roupas e máscaras negras que dão nome à estratégia são usadas para dificultar ou mesmo impedir qualquer tipo de identificação pelas autoridades, também com a finalidade de parecer uma única massa imensa, promovendo solidariedade entre seus participantes.

Black blocs se diferenciam de outros grupos anti-capitalistas por rotineiramente se utilizarem da destruição da propriedade para trazer atenção para sua oposição contra corporações multinacionais e aos apoios e às vantagens recebidas dos governos ocidentais por essas companhias. Um exemplo desta atividade é a destruição das fachadas de lojas e escritórios como McDonald'sStarbucksFidelity Investments, e outros locais relacionados às corporações no centro de Seattle, durante as manifestações contra a Conferência Ministerial da Organização Mundial do Comércio de 1999.

Os primeiros momentos demonstravam o clima de tensão, durante muitas horas havia mais policiais que manifestantes – isso nunca é bom sinal.

Link Youtube

De repente, havíamos tomado as ruas. O trânsito parou. A hora de voltar para casa em uma sexta feira é sagrada para quem trabalhou a semana toda.

Nos ônibus lotados, as pessoas pedindo "ação policial". Partimos em marcha, sem nenhum incidente.

black-9996

Chegando na marginal Pinheiros, um segurança despreparado saca a arma e a coisa fica mais quente do que nunca.

Passamos por mais uma.

black-0312

Caminhávamos em ritmo de maratona e de provocações de ambos os lados – "corre coxinha", "desmilitariza" e o "fim da polícia militar" eram entoados de vários lados – os policiais, mais contidos, por algum comando superior provocavam à sua maneira, xingando quando passavam de moto e não podiam ser alcançados.

O principal objetivo do grupo era chegar em frente à sede da editora Abril e realizar um ato no qual revistas seriam queimadas e "devolvidas aos seus donos".

black-0295

O ultimo destino estava fechado por um batalhão de choque, um dos oficiais que comandava o policiamento – após mais uma das tantas outras iminências de conflito – liberou a passagem, evitando mais uma.

No caminho de volta, pedras foram arremessadas em direção aos policiais.

Imediatamente houve um revide com bombas e balas de borracha – caos, perseguição pelas ruas, manifestantes presos, agências bancárias depredadas, vidros de carros quebrados e minha cabeça doendo como nunca – efeito do gás.

black-0413

O coração acelerado pedia: chega, chega, chega.

Logo tudo se tranquilizou e eu estava de volta ao metrô, seguindo para casa – dentro do vagão, a vida seguia tranquilamente e assim eu segui.

Hoje tem mais. As manifestações continuam.


publicado em 30 de Agosto de 2013, 14:39
File

Felipe Larozza

Felipe Larozza largou a publicidade, o banco, a praia e foi abrir um hostel na Vila Maladena. Hoje, troca ideia com os gringos no Santa Maloca e, com fé em deus, ainda vai cobrir guerras como fotojornalista


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: