A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Brüno (2009), ele conseguiu de novo?

Minha relação com a tela grande tem suas particularidades. Por exemplo, não gosto de ver trailers de filmes. Via de regra, o trailer entrega metade do roteiro de bandeja. Facilita o entendimento, mas dá uma pisada de botina no fator surpresa.

Sendo assim, quando resolvi escrever essa resenha, fui à caça de insumos além do sempre óbvio trailer. Comecei pela busca “Bruno” no Google. Vejam o que encontrei:


Reconhecem o psicopata presente na última foto, crianças?
bruno_cohenbruno_marrone_vol2tarso3dulcetti-bicicleta-600x450

Hmm, se é pra ser comédia, o prospecto está excelente.

Indo adiante, estive presente há uns dias em uma das sessões de pré-estreia do filme Brüno (2009), de Sacha Baron Cohen, que abre hoje em território nacional. Gostei. Sacha cutuca o telhado de vidro de todos nós com provocações diretas, em camadas mais ou menos óbvias, de acordo com o setor étnico-sócio-econômico-sexual com o qual você mais se identifique.

Quem curtiu Borat, como eu, certamente vai apreciar essa nova incursão.

No entanto, a grande piada é a meta-piada.

O vídeo abaixo é um pintocóptero. Uma referência obscura a uma das inúmeras cenas ácidas presentes no filme. Assista.


Vídeo YouTube

Agora vá ao cinema assistir Brüno.

Yep, uma sala inteira de cinema pagou para ser bitch-slapped, e gostaram. Quando você se dá conta disso, não há como não deixar escapar um sorrisinho sacana. Sim, Sacha Baron Cohen pegou todos nós, de novo. E estamos aplaudindo-o pela façanha.


publicado em 14 de Agosto de 2009, 10:32
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura