A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Coma bem e aproveite a ceia de Natal – 15 práticas para abrir 2016 com o pé direito

Não vale ficar na neura das dietas restritivas – só dá pra manter um estilo de vida saudável se esse processo for autônomo e natural

Se para alcançarmos nossos objetivos nutricionais e estéticos precisamos planejar, contar, fracionar, pesar e ler tabelas de equivalência, a comida obviamente se torna figura central nos nossos pensamentos. Fisiologicamente muito se assemelha à sinais e sintomas de uma obsessão.

“O que eu farei com minha dieta nas festas do fim de ano?
(Pensamento constante que começa em agosto).

Vocês não têm pão integral sem glúten e lactose?
(Café da manhã do resort 5 estrelas all inclusive).

No lugar da leitoa pururucada da tia Gina, vou fazer uma receita de salada de feijão, ninguém notará a diferença”.
(Pensamento entre uma chacoalhada e outra do Whey).

Ah amor, desapareça com isso da minha frente.
(Namorado seminu sorridente com seu queijo coalho de procedência desconhecida)."

Qualquer aroma conhecido pela amígdala e hipotálamo estabelecem elos emocionais e aí pronto, é paixão sucumbida, é um se entregar culpado nessa cocada do demo.

E é isso que as muitas confraternizações de fim de ano se tornam para a maioria de nós, reincidentes em dietas de poucos meses e caminhadas levianas – uma tortura, um acontecimento no qual é impossível permanecer numa dieta restritiva.

Isso se dá por um raciocínio muito lógico: uma dieta restritiva não é algo natural, como já conversamos em outros textos. A realidade é que não conseguiremos ter um estilo de vida saudável se esse processo não for autônomo, faça realmente parte de nós, e que saibamos olhar e ceder aos encantos de uma boa alimentação de uma maneira indulgente e consciente.

Nunca será autônomo se eu precisar pesar minha comida, se precisar reivindicar alimentos free-alguma-coisa num lugar onde se tem uma abundância de tudo, precisar negar agrados alimentares de quem nos ama – nunca, nem por decreto, deveríamos deixar de provar algo que alguém passou horas cozinhando.

"Tirar toda a parte boa do leite é extremamente ridículo"

Dessa forma eu proponho que nesse fim de ano você se dê de presente.

Dê você, seu corpo, seus hábitos conscientes a você mesmo e aos seus próximos em quatro ações.

1. Pergunte-se: estou com fome?

Se você é um glutão, partiremos desse questionamento nos dias festivos. Afinal, nossos horários mudam, dormimos mais tarde, nossos hormônios de fome e saciedade nem sempre acompanham o horário que as refeições são servidas...

Por isso, pergunte-se: estou com fome?

Preciso mesmo comer esse bolo de fubá cremoso? Abocanhar esse salame? Ou estou entrando no embalo? Eu poderia comer ao invés disso um prato de arroz feijão, abobrinha refogadinha e ovo mexido? (Parece ridículo, eu sei, mas pense comigo: esse prato saudável cai como uma luva quando estamos realmente com fome).

Não é chique

O exercício é simples, mas nos faz perceber que na grande e massacrante maioria das vezes comemos sem fome, comemos por impulso, por condicionamento, comemos porque todos estão comendo, bebemos porque todos estão bebendo. E a questão é: estou com fome?

Quando você estiver, pegue um café, se sirva do bolo de fubá cremoso da receita proibida da tia vó, coma, aproveite. Essa conta tem que valer a pena.

2. Como posso ajudar pra que as festas não sobrecarreguem poucas pessoas?

Festa de fim de ano na minha família sempre envolve reclamações e arrancarrabos acerca da decisão do cardápio. Fulanos que não fazem nada enquanto a maioria de mulheres estão estressadas e cansadas por estarem trabalhando há semanas, independentemente de seus trabalhos, nos feitos natalinos. Conhece o filme “Parente é serpente”?

Passamos da época em que bastava sentar-se na mesa das crianças, pegar nosso pratinho, comer sem agradecer, e deixar o resto ali.

Os anos 50 já se foram

Se prontifique a ajudar caso precisarem de algo no mercado, e vá caminhando. Chame um parente que não vê a tempos – e do qual goste –  e aproveitem para conversar.

Está hospedado na casa de alguém? Arrume sua cama, deixe o banheiro em ordem, lave algumas louças, varra alguns chãos – sem falar nada para ninguém.

Saiba que não há nada tão irritante como quando a cozinha está a mil e ainda é preciso atender ao bom vivant, que nos pede favores irrelevantes: "Onde está a cervejinha? Acabou aquele patêzinho de ontem?"

Procure, ache, limpe.

Jogue bola com as crianças que estão infernizando, vá comprar o abacaxi do caminhão da esquina, descasque os legumes e exerça gentilezas que valem mais do que qualquer presente caro.

3. Estabeleça uma refeição exemplar

Nesse momento, não sugiro que corte absolutamente nada do seu cardápio. Quero que inclua.

Independentemente da orgia alimentar que adentrar, não se esqueça dos alimentos que fazem bem. Comece seus cafés da manhã e tarde com as frutas, e só seguida enfie o pé na jaca. O mesmo vale para as grandes refeições: não se esqueça das saladas, das nozes, dos azeites. Não retire nada, mas inclua.

Coma bonitinho

Ainda, se possível, escolha uma das três grandes refeições para você fazer bonito. Cereais integrais, leguminosas, vegetais, frutas, sementes, gorduras boas. Faça um prato colorido, e nem por decreto pense em calorias e quantidades.

Chega a ser imoral contar calorias de frutas e verduras quando bebemos refrigerantes zero e bolos de caixinhas.

4. Aproveite as titias e coma comida que existe

Cozinhar e comer comida feita em casa é o luxo dos luxos nesses dias de óleo de palma que nos acompanham.

Aproveite e deixe de lado os frascos, as latinhas, os pacotes. Usufrua da honra que temos nessas datas de ter pessoas nos presenteando com a melhor das comidas – das preparadas, das picadas na cebola e no alho, dos pratos que estão marinando há um tempo, das sobremesas que fazem os livros de receitas serem relembrados em cima das mesas.

“Mudou o Natal ou mudei eu?”

Mudamos, estamos com sobrepeso, sedentários, e consumimos alimentos muito ruins. Além disso, nossas mulheres têm inúmeras atribuições fora a ceia de Natal.

Mudamos, cês´t la vie.

Que nossas festas sejam saudavelmente deliciosas!


publicado em 23 de Dezembro de 2015, 00:05
Fullsizerender jpg

Débora Navarro Rocha

Educadora Física, mestre em Exercício Físico e Saúde para Populações Especiais. Atualmente é Docente do Instituto Federal do Paraná.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura