Abrimos as inscrições para o PAI 2021: Os desafios das paternidades atuais. Temos encontro marcado dias 02 e 03 de agosto. Você vem?

Como desenvolver o autoconhecimento, pouco a pouco, em todos os dias de 2021?

Você consegue entender seus ciclos, seus padrões? A jornada solar é uma agenda que te ajuda a compreender seus comportamentos e questões de masculinidades no dia-a-dia

Muitas coisas no mundo são regidas por ciclos: os dias, as estações, os astros, as migrações das aves, a fertilidade feminina. E nós homens? Quais são os ciclos dos homens?

Juliano Poeta, ao ver a namorada observar seu ciclo com uma mandala lunar, começou a pesquisar sobre os ciclos masculinos.

Em um encontro do grupo de homens Guerreiros do Coração, Juliano se juntou com Eduardo Pereira, biólogo e astrólogo. Pensando em levar esse tipo de experiência e conhecimento para os homens, eles criaram a Jornada Solar.

Este é o Juliano apresentando as duas versões da Jornada Solar

A Jornada é um livro agenda que convida os homens a conhecerem mais sobre suas masculinidades, a observarem seus ciclos e a pensarem em seus processos de desenvolvimento pouco a pouco, todos os dias, com práticas e rituais de autoconhecimento e transformação.

"'Os conhecimentos que a gente traz são de várias bases: tem a base astrológica, vários conteúdos vêm da biologia, do corpo masculino, dos ciclos de hormônios. Trazemos também conhecimentos culturais, fizemos uma pesquisa com homens de vários lugares do mundo que responderam à pergunta: o que é ser homem?.”

Nos conteúdos ainda se encontram dados de pesquisa, como O Silêncio dos Homens, do Instituto PdH, e propostas para os homens entenderem melhor suas emoções, sentimentos e nuances.  

Por que Jornada Solar?

“Nos estudos que a gente fez, estamos descobrindo que tem uma associação cultural do polo masculino com o Sol e do polo feminino com a Lua. Todos temos os dois e, claro, que essas associações também estão construídas numa cultura patriarcal.

A gente vê que os homens, dentro de tudo que está posto, se identificam mais com o Sol, então esta é a porta de entrada. A gente parte do que está posto para desconstruir e reconstruir.

Também existe uma relação biológica do Sol com a testosterona, do nosso ciclo hormonal com a relação claro/escuro.

Mas a Jornada também tem muitos conhecimentos sobre o ciclo lunar. A lua é o astro que rege as marés e todo o ser humano é 75% água, então ela tem também uma influência em nós.”

Recuperando a conexão pelos rituais

Para Eduardo, os rituais formam processos que permitem a conexão de cada homem consigo mesmo, entendendo seus ciclos e conhecendo melhor suas próprias sensações, ações e reações.

Foto da agenda e de seus espaços para relatos e acompanhamentos 

Para dar exemplo de um ritual (que não precisa ser muito complexo), a pessoa pode criar seu próprio ‘altar’ (sem ter necessariamente relação com nenhuma crença religiosa), sendo esse altar um espaço sagrado e seguro. Num momento difícil, você pode voltar para aquele altar como um espaço de calma. 

Em outro ritual a proposta é se conectar com as emoções: num momento conturbado, quando sentir uma emoção forte, o ritual ajuda a entrar em contato direto com essa emoção, visualizá-la, conversar ela e processar aquele momento. Assim, a ideia é que você possa vivenciar sua emoção, sem reprimi-la ou "estourar" em cima de outras pessoas.

Homens ajudando outros homens

Enquanto o livro agenda ajuda os homens a se conectarem consigo mesmos de forma individual, ter o apoio de outros nesse processo também é fundamental. Sabemos que existem no Brasil mais de uma centena de grupos de homens, e a Jornada Solar também realiza rodas de homens online.

Foto de quando a roda de homens acontecia presencialmente

"Os encontros são mensais, e a temática de cada encontro é a mesma que está sendo trabalhada na agenda naquele momento do ano. Fazemos nossas rodas online e temos notícias de homens que usam a Jornada para criar suas próprias rodas de homens, sendo o livro um guia para o assunto do encontro."

Um caminho para ser um homem mais autêntico

Sim, os homens têm ciclos. E a construção de masculinidades mais inteiras e de relações mais saudáveis também passa por um ciclo, que é:

  1. Reconhecer: olhar para sua história de vida, seu dia-a-dia, seus hábitos, padrões de comportamento, sua ancestralidade e reconhecer que homem é você hoje. 

  2. Desconstruir: a partir desse olhar para si, busque compreender o que já não serve mais para você. Que atitudes você quer mudar, que padrões de comportamento você quer parar de repetir? 

  3. Reconstruir: e agora, o que você quer criar de novo? Quando o antigo deixa de ocupar espaço é que a novidade pode surgir. Olhe para sua vida, para o homem que você quer ser, e veja que novas atitudes podem sustentar esse novo homem. 

  4. Espalhar: ao trilhar sua jornada de autoconhecimento, você chega mais perto de alcançar seus sonhos e objetivos, de ter relações melhores com as pessoas que ama e consigo mesmo. Nesse momento, torna-se seu papel ajudar outros homens a fazerem esse caminho, pois vivemos em sociedade - é tempo de trilharmos essa jornada tanto de forma individual quanto coletiva.

Para apoiar esse processo e ajudar os homens a conhecerem seus ciclos, a Jornada Solar traz conteúdos acompanhados de reflexões. Há também ferramentas, como o Monitoramento Pessoal, que é uma planilha para observar seus hábitos e emoções, páginas em formato diário, para escrever de forma livre sobre sua vida e seu dia, além de espaços para você sonhar, planejar, realizar e celebrar seus sonhos a cada etapa da Jornada.

Caso tenha se interessado e queira começar seu ano com uma Jornada Solar, ou presentear alguém com ela, aqui vai o link. 

E você, em que etapa desse ciclo está? Que atitudes vêm mudando na sua vida, e como tem ajudado outros homens nesse caminho?


publicado em 03 de Dezembro de 2020, 10:43
Logo pdh png

Redação PdH

Mantemos nosso radar ligado para trazer a você notícias, conversas e ponderações que valham o seu tempo. Para mergulhar na toca do coelho e conhecer a visão editorial do PdH, venha por aqui.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura