Como escolher destinos de viagem

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Vivara130x50 jpg
  • Selo dorel jpg

Como você escolhe para onde vai viajar? Seria muito mais fácil se desse para seguir aquela ideia romântica de girar um globo e ir para o país que o dedo apontasse.

Mas a vida não é assim e decisões costumam ser bem mais complicadas. Felizmente, todo mundo tem preferências. Ou você consegue imaginar aquele seu amigo fresco desembarcando na Índia? Ou quem sabe alguém que odeia frio partindo para Sibéria?

Ainda bem que o mundo é grande o bastante para agradar a todos os gostos, manias e obsessões. E também interessante o suficiente para surpreender aos que estão abertos a pensar fora da caixinha.

Pensando em algumas dessas possibilidades, preparei um guia de como escolher um destino de viagem, levando em consideração diferentes tipos de personalidade.

Party Like Hell

Ibiza
Ushuaia-1

Tem gente que viaja com uma ideia na cabeça: festas, festas e festas. No meio disso, costumam estar mulheres e bebedeira. Apesar dessa não ser exatamente a minha praia, não faltam destinos no mundo que se encaixem nessas características.

Para quem quer ir dormir quando o mundo inteiro acordar, a melhor opção é pensar lugares que já tenham festas tradicionais ou fama de baladas históricas.

Como Ibiza pode ser fora da realidade financeira de muita gente, opções como Barcelona, também na Espanha, ou Rimini, na Itália podem ser mais acessíveis. Festa na praia também é o que não falta na Tailândia, que celebra a Festa da Lua Cheia durante todo o ano.

A Europa também tem cidades com fama de boas baladas. Entra elas, destaco Praga, que é extremamente barata; Berlim, onde as festas duram até 72 horas; e Amsterdã com seus Coffeeshops.

Dica de ouro: quem quer curtir baladas como se não houvesse amanhã, pode marcar suas férias de acordo com o calendário de festas do mundo. Por exemplo, vale ter folga no final de setembro para aproveitar o Oktoberfest, em Munique, na Alemanha. Ou em agosto, para ir ao Burning Man, em Nevada, Estados Unidos

Sombra e água fresca

Bora Bora
Bora Bora

Indo na contramão dos festeiros, tem gente que só quer saber de ficar deitado de pernas para o ar e não fazer nada além de relaxar em uma viagem.

Essas pessoas podem até ir a uma festinha aqui, um tour acolá, mas nada muito longo ou cansativo. Se obrigação e horário são coisas que você não quer nem ouvir durante as suas férias, seu lugar no mundo, em geral, envolve praia ou montanha.

Um resort no Caribe ou um hotelzinho aconchegante nos Andes parece ser bem a sua cara. O Brasil é um país ótimo para quem só quer relaxar, porque as praias no nordeste, cidades históricas em Minas ou o friozinho no Sul são opções que atendem esses desejos.

Dica de ouro: uma boa opção para quem só quer curtir o ócio é escolher lugares próximos à vinícolas. Por exemplo, a região da Toscana, na Itália, combina paisagens lindas, com vinhos, queijos e tranquilidade. Chile e Argentina também tem regiões que combinam vinho e conforto, fora que são opções mais em conta.

Indiana Jones

Nova Zelândia
Nova Zelândia

Correr, atravessar um rio, escalar uma montanha, mergulhar num mar gelado…

Se essas são as memórias das férias perfeitas para você, sem dúvida seu destino é um lugar que preencha todos os requisitos do seu espirito de aventura.

Para pessoas com esse perfil, na maioria das vezes o lugar certo para viajar é aquele que oferece bastante contato com a natureza e fonte inesgotável de adrenalina.

A Nova Zelândia é um destino bem tradicional para quem curte esse tipo de atividade, porque o país oferece surf, esqui, snowboarding, caminhadas e escaladas, além do bungee jumping -- tudo isso combinado a um visual incrível.

Dica de Ouro: quem não tem como ir para o outro lado do mundo, pode correr atrás de aventura nos nossos vizinhos. O deserto do Atacama, o Salar de Uyuni, Machu Picchu e a trilha Inca, Torres del Paine e a Patagônia - todos esses são exemplos de lugares aqui na América do Sul que incluem aventura e paisagens impressionantes, imperdíveis para quem curte emoção.

Choques culturais

Papua-Nova Guiné
Papua-Nova Guiné

Obs do editor: quem parou para ler com mais calma essa parte do artigo, não deixe também de ler o artigo Antes que eles deixem de existir: 29 tribos e culturas que resistem aos nossos tempos. Lindo.

Quanto mais diferente, melhor.

Para a turma que tem como objetivo ver tudo que há de diferente no mundo, comer as comidas mais estranhas, conversar com monges tibetanos, entre outros, a Ásia pode ser um destino de intermináveis surpresas. Os templos em Angkor Wat, no Camboja, são únicos, misturando arquitetura, religião e arqueologia num cenário digno de filme ou videogame.

O Nepal é outro país que parece ser de outro planeta, com suas montanhas nevadas, construções diferentes e povo simpático. A Indonésia combina praias com uma cultura rica e uma religião bem diferente da que estamos acostumados. E não dá para esquecer da África: Quênia, Nigéria, Etiópia são países que tem que estar na bucket list de quem quer ver um mundo diferente.

Dica de ouro: Se é para ter um choque cultural de verdade, a Incredible India é, sem dúvida, o melhor destino. No mesmo rio Ganges, o rio sagrado, dá para fazer rafting na nascente, em Rishikesh, e depois presenciar as cerimônias de cremação de corpos, em Varanasi.

A Índia tem templos, fortes, elefantes e camelos. Tem pobreza, riqueza, sujeira, bagunça e todos os outros ingredientes para deixar qualquer viajante experiente impressionado. Eu, que morei lá e já contei essa experiência por aqui, nunca deixo de recomendar uma visita.

Mas só se essa viagem se encaixar no seu perfil.

Tradicional, mas nem tanto

High Line, em Nova Iorque
High Line, em Nova Iorque

Essa opção pode ser vista por muitos como mais chata do que as outras. Mas não precisa ser. Não é porque a pessoa quer conhecer lugares tradicionais, nem pensa em ficar em hostel e não tem muito ânimo para aventuras extremas, que a viagem tem que ser chata.

Afinal, para o turista tradicional, o mundo está cheio de destinos, em especial na Europa e nos Estados Unidos. A dica para quem vai conhecer clássicos como Paris ou Nova York não é sobre qual lugar visitar, mas sim o que não fazer.

Evitar excursões com 395 pessoas e mal organizadas é sempre uma boa ideia.

Dica de ouro: Ficar mais dias em menos cidades. O mínimo de tempo necessário para ficar num lugar como Roma ou Londres são 5 dias.

Mas, mesmo isso, sem dúvida é pouco (vão sobrar lugares para conhecer). O ideal é planejar um roteiro para realmente conhecer os locais com calma -- menos sempre é mais. Assim, uma viagem de férias não se torna cansativa ou frustrante.

Nota do editor: seria interessantíssimo ver esse post ser alimentado também pelos leitores. Há mais estilos de viajantes e viagens? Dá pra combinar estilos? quais outros lugares possuem festas fodas, lugares deliciosos e escondidos, aventuras incríveis, quais cidades clássicas porem render surpresas na hora de viajar? O que não falta é assunto pra ser colocado aqui embaixo, nos comentários.

Mecenas: Agaxtur 60 anos

agaxtur 60 anos - pdh
Agora que você sabe como escolher melhor o destino para sua viagem, ficou mais fácil escolher entre as 60 opções de destinos que a Agaxtur separou para comemorar seus 60 anos de história.

O PapodeHomem separou dez dos mais bacanas:

É só escolher pra onde quer ir e entrar no site deles.


publicado em 17 de Outubro de 2013, 21:00
97d9f76726a840ce8ec3cd8f3ba9e2e3?s=130

Rafael Sette Câmara

Virou mochileiro ao mesmo tempo em que se tornou jornalista. Desde então, se acostumou a largar tudo para trás - inclusive empregos - e cair na estrada. Ele escreve sobre viagens no 360meridianos, mas pode ser encontrado também no Facebook e no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: