A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Deixei o Rio para trás e descobri que o povo da América Latina é sensacional | Na Estrada #24

Há mais de quatro meses atrás me dei o presente que eu sempre quis: uma longa viagem pela América Latina.

Estava sem muito dinheiro e sabia que financiar uma aventura como esta envolveria gastos consideráveis. Com minhas economias, decidi, então, comprar o equipamento básico: mochila, barraca e saco de dormir.

Adeus. Vou viver e já volto!
Adeus. Vou viver e já volto!

Abandonei o apartamento onde eu morava e troquei a poeira das estantes da biblioteca onde eu trabalhava pela poeira das estradas. No dia seguinte, estava no bairro de Santa Cruz, no Rio de Janeiro, pedindo carona. A Cidade Maravilhosa iria ficar para trás.

"Esse dia foi foda"
"Esse dia foi foda"

Minha primeira carona foi com alguém chamado Raimundo, moço simpático que jurava ter batido uma bola com Romário e me levou até a cidade de Mangaratiba. A segunda carona viria de uma senhora com certas tendências nazistas e interessada em estudar o sufismo (coisa que nem sabia o que existia!). Lembro-me também do Francisco e do Tiago, dois personagens meio hipongas do litoral paulista que me ofereceram comida e suco de uva (obrigado aí, pessoal).

A primeira viagem (gigante) de caminhão você nunca esquece
A primeira viagem (gigante) de caminhão você nunca esquece

A partir daí, a lista de caronas só fez aumentar.

Quilômetros ficavam para trás no escaldante verão brasileiro quando percebi coisas nas estradas que antes não atingiam minhas retinas. Famílias e caminhoneiros já me conheciam nas regiões onde eu passava e, de seus volantes, me faziam sinais ininteligíveis.

Praias, postos de gasolina, campos de futebol, estacionamentos e jardins de pessoas estranhas se tornavam lugares cada vez mais seguros e aconchegantes para passar as noites.

Bastante ocupado numa praia maravilhosa qualquer da América do Sul
Bastante ocupado numa praia maravilhosa qualquer da América do Sul

Após quatro meses, eu havia cruzado todo o sudeste brasileiro, o Uruguai e a toda a Argentina sem pagar um centavo com hospedagem ou transporte público que ultrapassasse os R$ 5,00. Aliás, peguei somente três ônibus durante a viagem toda.

Que orgulho eu sinto da minha linda barraca...
Que orgulho eu sinto da minha linda barraca...

Quando cheguei a Ushuaia, no sul argentino, fiz uma trilha de três dias e enfrentei uma nevasca incrível. Como eu não tinha roupa para aguentar tal temperatura, pedi casacos e calças às pessoas que encontrei anteriormente.

Na Bolívia, após atravessar o Cañon Del Inca na raça e sem precisar de guia nenhum, acabei escutando ao final que tal façanha não era coisa de "gente normal".

Quem é normal? Aliás, está aí. Em toda a viagem, dependi exclusivamente de uma coisa: gente.

Eram as pessoas que me levavam em seus carros e me davam comida a troco de uma boa conversa.

Quando contava minha história, algumas me abrigavam em suas casas por um ou dois dias. Fui gratuitamente hospedado nas casas de pessoas que eu nunca havia visto, aprendi a andar de bicicleta e a falar um espanhol enrolado (deixei o Cueca-Cuela de lado, finalmente).

"Vai, pessoal... Todo mundo esperto com a foto, hein?"
"Vai, pessoal... Todo mundo esperto com a foto, hein?"

Peguei caronas em caminhões que atravessavam a Patagônia em três dias e outros que me levavam por um quilômetro apenas.

Vi paisagens milenares que mudavam a cada passo. Comi e bebi coisas que eu não imaginava existir. Acabei por me especializar sobre o conflito nas Ilhas Malvinas e fui entrevistado quatro vezes por rádios e emissoras de televisão locais. O mais importante: fiz inúmeras amizades com os nossos vizinhos latinos e comecei a compreender suas formas de viver.

A Bolívia é ou não é uma coisa inesquecível?
A Bolívia é ou não é uma coisa inesquecível?

Circunscrito à minha visão ocidental do mundo, pensava que pessoas na sociedade contemporânea cresciam individualistas e egoístas. Pensava que valores como a amizade, a gratidão e o amor ao próximo eram piegas e não pareciam mais se aplicar quando o interessante era acumular riquezas.

E foi aí que aprendi a grande lição: eu estava completamente enganado.

Em algum lugar do mundo esperando a nova chance de conhecer o desconhecido
Em algum lugar do mundo esperando a nova chance de conhecer o desconhecido

Percebo que não me presenteei apenas com uma viagem, mas com a coragem de mudar minha vida. A viagem que me conectou profundamente com um mundo latino, hispânico, brasileiro, indígena ou seja-lá-o-que-for esta parte da América que ainda está em curso, caminando. No final, é bem simples: o mundo só precisa de gente que seja gente.

Continuo pedindo carona por aqui e descobrindo quem são essas pessoas e o que fazem de suas vidas. Ainda dependo inteiramente delas e elas me mostram, a cada dia, que nossa partezinha no planeta é divinamente humana e humanamente divina.​


publicado em 15 de Maio de 2014, 20:30
6ef0245799c93b4553c96a91273f530e?s=130

Felipe Maciel

Bibliotecário, caroneiro e pesquisador na área de videogames. É apaixonado por viagens, jogos de RPG e pelo Rio de Janeiro. Quando consegue uma conexão wi-fi, escreve no seu blog das 260 caronas e manda uma mensagem para a mãe dizendo que ainda está vivo.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura