A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Diálogos que apresentam espaços de construção de paz

“Muros que separam as pessoas são normalmente construídos com base em ignorância, ódio e medo. Eu tento criar fendas nesses muros. Quando percebi que minha dor era a mesma dor de um judeu, comecei a enxergar o quanto temos em comum”.

Aziz Abu Sarah é palestino e teve seu irmão morto por soldados israelenses. Hoje, é ativista pela paz no Oriente Médio. Semanalmente, apresenta o programa de rádio Changing Directions, e divide o comando do programa com Yitzhak Frankenthal, judeu ortodoxo que teve seu filho de 19 anos sequestrado e morto pelo Hamas. O programa é exibido pela All For Peace, única frequência de rádio criada por israelenses e palestinos, com o objetivo comum de ultrapassar as fronteiras e construir diálogos para a paz na região.

Esse é um dos muros que separam Israel da Palestina. Tá na hora de ver um recorte real

A rádio é difundida em cidades israelenses e palestinas e os programas são produzidos e apresentados por equipes mistas. Palestinos e israelenses que acreditam que a maneira de acabar com a intolerância é através da convivência. “Se nós, que perdemos pessoas próximas, podemos conviver e trabalhar juntos, então qualquer um pode”, diz Sammi Ibrahim, palestino e técnico de som da rádio.

Assim como a rádio All For Peace, o documentário Diálogos visitou outros espaços de integração entre árabes e judeus em Israel e bairros palestinos.

Neve Shalom/Wahat Al-Salam é um outro exemplo. Uma vila próxima à Jerusalem onde judeus e árabes são vizinhos por opção há 35 anos. Há também algumas escolas mistas espalhadas pelo país, e um único centro comunitário Árabe-Judaico, em Tel Aviv, com cursos e atividades para judeus e árabes. São projetos que mostram o interesse da população local pela coexistência.

O média metragem tem como objetivo mostrar o que pouco se mostra: pessoas que, ao invés de incentivar a guerra, buscam a união, e a construção de uma linguagem comum a todos.

A paz não chega pronta. Experimentar a coexistência e lidar com as dificuldades apresentadas é trabalhoso. Se o conflito entre Israel-Palestina parece impossível de ser solucionado, iniciativas como as que Diálogos apresenta são alternativas otimistas e efetivas.

Peter Coleman, diretor do Centro Internacional para Cooperação e Resolução de Conflitos (International Center for Cooperation and Conflict Resolution) da Universidade de Columbia, pesquisa meios de solucionar conflitos aparentemente impossíveis de serem resolvidos.

Um dos pontos chave salientados pelo autor é que exista espaço para a interação, porque é através desta troca que se criam laços com aquele que seria o “inimigo”. Ao estabelecer contato, simplificações como “nós” versus “eles”, “bom” versus “mal”, deixam de fazer sentido. Coleman fala também da importância de reconhecer e apoiar o que já funciona. Diálogos apresenta exemplos que funcionam.

Link Vimeo | Cá está o vídeo, na íntegra, para que todos possam ver

A criação de espaços de encontro é importante para pressionar os governos para um outro caminho que não o da separação ou da guerra.

Diálogos apresenta espaços de construção de paz - com muita discussão e debate – no Oriente Médio.


publicado em 04 de Setembro de 2012, 07:00
193e79bab05a4ad87218a1530538f2b7?s=130

Alice Riff

Alice é mulher, faz filmes, e desconfia desses papos de homem. As mulheres têm sempre razão.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura