O poder da conexão humana

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Vivara130x50 jpg
  • Selo dorel jpg

Tenho sérios problemas com o Facebook.

A plataforma foi pensada e otimizada ao máximo por algumas das mentes mais brilhantes de nosso tempo – hoje a serviço de algoritmos publicitários – para cultivar uma relação de dependência dos seus um bilhão de usuários (essa antiga pesquisa aponta 33% deles como viciados) e, assim, cumprir sua razão de existência como empresa de capital aberto: satisfazer os sacrossantos acionistas.

O face, me permitam a intimidade, é adubo pra todas as neuroses do ego – além de contribuir para nos infantilizar e reduzir nossa capacidade de atenção.

Lá é como se fôssemos candidato, jurado e produtor num desses reality shows em busca de talentos. Você se promove e julga sem dó – em público ou bem escondidinho. Em tempos de tédio, o entretenimento permanente é nossa chupeta lambuzada de nutella – com Huxley rolando em sua cova: "eu avisei!".

Sim, sim, já escutamos que "a plataforma é neutra, o que importa é o uso que as pessoas fazem dela".

Mas não, nada é neutro por completo. Não dá pra ignorar a influência das origens, parâmetros e visões por trás. Ou nunca se perguntou por que o botão "não curti" está fora do jogo?

Críticas severas à parte, e em virtude da comemoração dos dez anos do Facebook, ofereço trégua.

A história abaixo, contada junto a outras nove, me fez engasgar e chorar como um bezerro longe de casa, sozinho escornado na cama do quarto sábado de manhã:

Assista em tela cheia, pode confiar

O mendigo na "ilha", suas poesias e nós.

Raimundo e Shalla.

Raimundo Arruda Sobrinho e sua família, separados há 57 anos.

O Facebook conecta mundos impossíveis. Isso transforma realidades. E por tamanho feito Mark merece nosso mais sincero aplauso. Acima do marketing e dos executivos, está o poder da conexão humana.

Ainda bem.

* * *

Outros causos:

* * *

ps.: sigo com fé no surgimento de uma plataforma que não dependa de viciar seus usuários para pagar as contas e encher o bolso de investidores fantasmagóricos.


publicado em 15 de Fevereiro de 2014, 15:15
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: