4 dúvidas comuns sobre falhas na barba (entre elas, transplante)

Barba falha tem relação com a calvície? Barba cai? Barba cresce até quando? Como fazer barba crescer?

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Vivara130x50 jpg
  • Selo dorel jpg

Algumas vezes já falei sobre barba aqui no Papo de Homem. Até já raspei a minha em uma época que ela estava com uns 4 ou 5 centímetros.

A real é que, quando optamos por deixá-la ou não crescer, muitas questões acabam vindo à cabeça, confessemos. Se vai combinar com o meu rosto, se não vai ficar zoado durante o crescimento até ela ficar cheia, o que devo fazer para mantê-la apresentável, enfim.

Na adolescência, então, nós costumamos ter aquela ansiedade de saber como os pelos da cara vão crescer. Eu tive muito, pelo menos!

Também, pudera, a barba dá (ou muda o) formato ao rosto – e não só isso: “é uma forma inerentemente masculina de dar à cara uma vantagem”, disse um barbeiro de Nova York à Men’s Health recentemente

Tem outra questão, que não citei acima, mas que precisamos falar dela. Muito por conta de uma potencial neura importante que pode gerar: as (malditas) falhas.

Elas existem, aparecem, não dá pra disfarçar e, se te incomodam, cara, vamos te dar umas dicas pra você tentar resolver.

Sobre isso, apesar de hoje, aos 30, a minha barba ser bem cheia, conversei esses dias com o dr. Raul Mauad tendo a Barbearia Corleone, em São Paulo, como cenário.

Aqui está o vídeo e mais embaixo, falamos sobre alguns pontos.

1. Por que não tem pelo aqui, poxa vida?

Essa, claro, foi minha primeira pergunta para o Dr. Raul, que antes da entrevista, inclusive, apontou que a minha barba, apesar de não apresentar falhas, tem regiões com maior densidade que as outras, algo que eu realmente não sabia. Será que dá pra perceber muito? 

Como a maioria das explicações dessa vida tem um pezinho na nossa cadeia genética, as barbas falhas, claro, não poderiam estar fora dessa.

“A genética é um ponto determinante para a existência das falhas, apesar de não existir uma explicação detalhada”, me explicou o especialista ao dizer ainda que alguns homens podem, praticamente, nem ter barba. Ou seja, é algo que varia caso a caso.

Claro que outros fatores não ligados à genética, como traumas, cicatrizes, queimaduras, podem acarretar numa permanente marca no rosto que impedirá, a partir dali, que o pelo nasça. Mas em resumo, é muito pouco provável que um dia você acorde com buracos na sua barba.  

Há casos mais raros também de doenças que podem acarretar perda de folículos e, consequentemente, falhas nos pelos faciais, mas o doutor me assegurou que muitos desses casos têm caráter transitório.

“É sempre importante a avaliação médica para entender o que realmente está acontecendo. Se aquela falha é, de fato, transitória, se aquilo tem outra doença associada”. Essa, inclusive, foi uma pontuação que aconteceu em vários momentos da nossa conversa: na dúvida sobre o que está acontecendo, não hesite em procurar um especialista para te orientar.

2. A barba é tão importante quanto o cabelo, do ponto de vista estético, então?

Se ela dá formato ao rosto, se sempre me falam que eu fico com cara de mais velho usando barba, presumo que sim! Claro que a opção por ter ou não, se ela vai ser maior ou menor, aparada ou não, é uma opção individual. O problema é ter a vontade de modelar o rosto com um barbão e não ter pelos suficientes para. Isso, sim, é um pouco angustiante realmente. O Dr. Raul endossa: “A estética masculina está em alta, e a barba é mais um componente dentro desse contexto”.

A simetria é a principal preocupação dos homens quando percebem algo que não está muito legal com seu cabelo ou barba. Uma falha nos pelos da bochecha, no bigode, no queixo (regiões visíveis quando somos olhados frontalmente) não deixa de ser uma assimetria.

Então, se incomodou, parceiro, não sofra sozinho, um especialista pode realmente ajudar. Antes mesmo do final desse texto já digo que a medicina estética tem condições de preencher aquele vazio com transplante de barba.

Falando um pouquinho de transplante (o doutor explica bem legal sobre isso no vídeo), ele é um dos poucos recursos, se não o único, para corrigir permanentemente as falhas.

Existem duas técnicas para que ele possa ser feito: uma que extrai pelo a pelo de uma região doadora que pode ser a própria barba, pescoço ou mesmo o couro cabeludo e implanta no local que apresenta falha; e outra, que extrai uma tira de pelos e transplanta para a região da falha. “O princípio do transplante de barba é muito semelhante ao princípio do transplante da calvície capilar”, nos explica o doutor.

3. Os 30s são a nova puberdade, digamos assim

E pra você que achou que, lá pelos vinte e poucos já estava tudo resolvido, digo: nós nos enganamos!

Ah, aqui só falo sobre formação de barba e falhas nela, outras questões se resolvem, de fato, lá pelos 20, outras chegam a ultrapassar os 50, mas isso é outra história. 

Voltando às barbas (e as suas eventuais falhas), elas, sim, são resolvidas até lá pelos 30. Pasmem! Então, talvez sua barba não seja tão cheia hoje em dia, aos 18, 19, como você gostaria, mas saiba que ela está em pleno desenvolvimento.

Por isso, algumas rarefações ou mesmo falhas ainda podem existir nessa fase de jovem adulto, pós-adolescência. Nesse caso, é melhor não se desesperar e sair procurando tratamento ou tomando remédios que se vê pela internet.

Espere mais um pouco, pois é se aproximando da meia idade que essa barba poderá se preencher totalmente.

Outra curiosidade que descobri nessas busca sobre o porquê das barbas terem algumas falhas é que outros fatores, como tipo de pele ou raça determinam a formato, densidade da barba dos homens.

O Dr. Raul explica melhor:

“Os indivíduos afrodescendentes, europeus, do Oriente Médio costumam ter barba cheia. Já os orientais, por exemplo, tem essa característica de terem menos barba em geral e podem ter mais falhas”.

4. Minha barba é falha e isso me incomoda

Aquele velho ditado “pra tudo na vida, dá-se um jeito” vale também pras falhas na barba.

Remodelar a sua e deixa-lo mais feliz já é possível se a sua barba não nasce como você gostaria.

Como comentei lá em cima, via de regra, a maldita falha que te incomoda, possivelmente é genética. Assim sendo, mudar hábitos de vida, infelizmente não fará os pelos começarem a crescer naquele lugar. Algo muito semelhante à calvície capilar. O transplante, saída defendida pelo Dr. Raul, é um método avançado dentro da medicina e que traz resultados muito bacanas.

Internet à fora, nos fóruns de discussão, encontramos informações sobre medicamentos para calvície e falha na barba. WATCH OUT!

Primeiro que confiar em fóruns de discussão quando o assunto é saúde e prescrição de remédios não é a melhor das ideias. Mas dando vazão àquela pergunta que ouvimos muito por aí – se remédio pra calvície deixa o cara brocha e, no caso do tema desse artigo, se pode ser usado para falhas na barba, digo mais uma vez que a melhor resposta é procurar um médico para analisar o seu caso especificamente, seja para a queda de cabelo, barba ou sobre uma possível brochada.

O Dr. Raul Mauad me contou que toda medicação pode ter associações adversas ou não. “Por isso é importante que o paciente não faça uso de medicação sem prescrição médica ou sem acompanhamento. Havendo alteração, ele deve imediatamente comunicar-se com o especialista que tomará a melhor decisão”.

Mas toda a discussão desse artigo cai naquela questão que falei mais no início: a individualidade.

Você pode ter barba falhada e isso incomodar. Você pode não ter barba e não estar nem aí ou se incomodar muito.

O bom é que, pros casos em que olhar no espelho é motivo de frustração, já tem algo ao nosso alcance que pode ser feito.

Mecenas: Clínica Mauad 

Para mais informações sobre transplante capilar ou transplante de barba conheça a Clínica Mauad.

Rua Santa Columba 05, Itaim Bibi, São Paulo.
Fone: (11) 3849-0659
Cel: (11) 95321-0598 
Email: contato@clinicamauad.com.br  


publicado em 10 de Março de 2016, 11:47
File

Danilo Gonçalves

Um cara alegre e gosta de ser lembrado assim. Jornalista de formação, com um pé na publicidade, gosta de Novos Baianos, Doces Bárbaros e Beatles. Já gostou de Calypso e como todo gay que se preze, é fã da Beyonce.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: