A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Feliz dia da independência... das pessoas brancas!

Nos Estados Unidos, hoje é o "dia da independência". Mas não é exatamente verdade.

Hoje é o "dia da independência... das pessoas brancas". As pessoas negras ainda demoraram quase cem anos para se tornarem independentes, apenas em 1863.

George Washington e seus escravos. Ê vidão... pra ele!
George Washington e seus escravos. Ê vidão... pra ele!

Só para comparação, o Reino Unido aboliu a escravidão em todas as suas colônias em 1833, quase três gerações antes. Trinta anos é um longo tempo para quem passava a vida inteira cortando cana e sendo estuprada pelo patrão.

Mais ainda, aquelas pessoas escravizadas "não-patriotas" e "traidoras", que se insurgiram contra as norte-americanas e lutaram pelas britânicas, conseguiram a liberdade no ato e viveram vidas livres no Canadá.

Para as pessoas negras norte-americanas de 1776, apostar em quem pregava a democracia e os direitos universais do ser humano significou mais um século de cativeiro.

Fez melhor quem apostou no rei absolutista.

* * *

Naturalmente, nós, pessoas brasileiras, não podemos nos gabar de nada. Portugal aboliu a escravidão em 1761 e, nas suas colônias, em 1869 (bem tarde, na verdade).

Já o Brasil libertou suas pessoas brancas em 1822 e as negras, somente em 1888.

Diriam alguns que ainda não.

* * *

Sobre a nossa culpa nessa história, leia Senzalas & Campos de Concentração

Para saber mais sobre a situação nos Estados Unidos, leia Stop calling it “Independence Day”

Leilão de escravos nos Estados Unidos.

Leilão de escravos nos Estados Unidos.

* * *

Assine a newsletter do Alex Castro


publicado em 04 de Julho de 2013, 11:09
File

Alex Castro

alex castro é. por enquanto. em breve, nem isso. // esse é um texto de ficção. // veja minha vídeo-biografia, me siga no facebook, assine minha newsletter.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura