Rudyard Kipling e Junior "Cigano" dos Santos nos ensinam sobre postura, após uma bela surra

Em 29 de dezembro de 1895, Leander Starr Jameson liderou o avanço de uma tropa com mais de 600 soldados rumo ao episódio histórico conhecido como the Jameson Raid (Invasão Jameson). Tratou-se de uma ação militar de alto risco durante a Guerra dos Bôers na África do Sul. Para todos os fins, a ação foi um fracasso, sendo inclusive um dos estopins para a Segunda Guerra Boer.

Jameson sendo preso após o fracasso de sua missão

No entanto, Sir Jameson se tornou um herói junto à imprensa britânica, sendo louvado por sua coragem em ter aceito a missão e ter assumido pessoalmente o fracasso da mesma. Um ano depois, inspirado no incidente, o poeta inglês Rudyard Kipling escreveu um poema cujo título se resumia a uma única palavra: Se.

Seu texto foi aclamado internacionalmente como um magnífico tributo às virtudes humanas, se tornando um marco da cultura britânica.

Se

(link para o original)

Se és capaz de manter a tua calma quando

Todo o mundo ao teu redor já a perdeu e te culpa;

De crer em ti quando estão todos duvidando,

E para esses no entanto achar uma desculpa;

Se és capaz de esperar sem te desesperares,

Ou, enganado, não mentir ao mentiroso,

Ou, sendo odiado, sempre ao ódio te esquivares,

E não parecer bom demais, nem pretensioso;

Se és capaz de pensar – sem que a isso só te atires,

De sonhar – sem fazer dos sonhos teus senhores.

Se encontrando a desgraça e o triunfo conseguires

Tratar da mesma forma a esses dois impostores;

Se és capaz de sofrer a dor de ver mudadas

Em armadilhas as verdades que disseste,

E as coisas, por que deste a vida, estraçalhadas,

E refazê-las com o bem pouco que te reste;

Se és capaz de arriscar numa única parada

Tudo quanto ganhaste em toda a tua vida,

E perder e, ao perder, sem nunca dizer nada,

Resignado, tornar ao ponto de partida;

De forçar coração, nervos, músculos, tudo

A dar seja o que for que neles ainda existe,

E a persistir assim quando, exaustos, contudo

Resta a vontade em ti que ainda ordena: "Persiste!";

Se és capaz de, entre a plebe, não te corromperes

E, entre reis, não perder a naturalidade,

E de amigos, quer bons, quer maus, te defenderes,

Se a todos podes ser de alguma utilidade,

E se és capaz de dar, segundo por segundo,

Ao minuto fatal todo o valor e brilho,

Tua é a terra com tudo o que existe no mundo

E o que mais – tu serás um homem, ó meu filho!

A quadra central de Wimblendon, palco de algumas da mais incríveis batalhas da história do tênis, tem em sua entrada duas potentes linhas escritas por Kipling:

Tradução: Se encontrando a desgraça e o triunfo conseguires
Tradução: Se encontrando a desgraça e o triunfo conseguires// Tratar da mesma forma a esses dois impostores

Me lembrei dessas linhas há alguns dias.

Em 29 de dezembro do ano passado, tomou lugar em Las Vegas a edição 155 do UFC. No principal evento da noite, Junior "Cigano" dos Santos foi atropelado em uma surra monumental aplicada pelo mexicano Cain Velasquez, perdendo assim seu cinturão de campeão dos pesos pesados. Foram vinte e cinco minutos brutalizantes, encerrados com um Cigano desfigurado.

Confiante, entrando na arena

Sendo demolido pelo mexicano

Cain recebendo o cinturão de Dana White

Derrota

Após o combate, ainda no octógono, ambos lutadores foram entrevistados. As palavras de Velasquez passaram batido por mim. A postura de Junior dos Santos me pescou os ouvidos.

Antes mesmo que pudesse responder à primeira pergunta, a platéia despejou vaias sobre o brasileiro. Bem duro, após se preparar tanto e aguentar os cinco rounds sendo demolido, sem ceder o nocaute.

Cigano respondeu com:

– Por que estão fazendo isso, por que?

Em seguida, após receber os devidos aplausos pela raça, admitiu sem rodeios:

– Hoje, ele foi melhor do que eu.

Prometeu retornar e tomar de volta o cinturão (tomado do próprio Cain, a quem nocauteou em 64 segundos um ano antes). Só.

Link vídeo

Agradeço a Sir Jameson, Kipling e Junior dos Santos pelas lições da postura em derrota. Por nos lembrar da natureza fugaz inerente a nossos triunfos e fracassos.

Um belo abre para 2013.


publicado em 04 de Janeiro de 2013, 15:27
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura