Informe-se sobre suicídio (e aprenda como ajudar) | Ignição #17

Que tal aproveitar o Setembro Amarelo para se informar e aprender como ajudar?

Olá, amigos!

Quarta-feira é dia de Ignição e cá estamos!

Na semana passada a prática foi daquelas simples, mas capazes de mudar uma vida: pisar no freio da correria e aprender a conversar por meio de interações com pessoas que estão abertas, como porteiros, garçons, açougueiros, floristas, etc.

A prática foi super bem recebida, tivemos relatos muito legais, principalmente de pessoas que já o fazem. Vale ir lá e conferir.

Agora, nessa semana, vamos falar de um assunto bem sério.

Prática da semana: informe-se sobre suicídio (e aprenda como ajudar)

O dia 10 de setembro é o dia mundial da prevenção ao suicídio. Além disso, o próprio mês de setembro tem sido utilizado para uma campanha do Centro de Valorização da Vida, do Conselho Federal de Medicina e da Associação Brasileira de Psiquiatria para conscientização e prevenção ao suicídio.

No Reino Unido, essa é a principal causa de morte entre homens abaixo de 45 anos. E, no Brasil, homens se suicidam quase 4 vezes mais que as mulheres (IBGE) e, sendo o Papo de Homem um portal voltado à transformação dos homens e das masculinidades, nada mais justo que trazermos a discussão à tona.

Segundo a OMS, 9 em cada 10 suicídios poderiam ter sido evitados com o devido diagnóstico e tratamento, pois em 98% dos casos, esses indivíduos tinham transtornos mentais, como depressão, transtorno bipolar, esquizofrenia e/ou dependência de drogas.

A psiquiatra Alexandrina Meleiro explica que “A maioria das pessoas, cerca de 70% delas, dá algum tipo de sinal [de que pensa em tirar a própria vida], mas muitas vezes os sinais são banalizados. Frases como: 'a vida não vale mais a pena; melhor morrer; queria desaparecer' são sinais de alerta. Esse alerta é um pedido de ajuda comum, pois todo suicida tem uma ambivalência: ele quer morrer porque quer fugir dos problemas, mas também quer ajuda”.

Como bem sabemos e lembramos sempre que possível por aqui, o isolamento e a solidão são questões reais e podem levar a uma situação de risco.

Mas também não é como se fosse simples, chegar lá, falar com uma pessoa e tirá-la magicamente do sofrimento no qual ela se encontra. É preciso habilidade e uma certa dose de perícia, pra não acabar piorando tudo. Então, o que fazer, afinal?

1. Informe-se

Esteja você em uma situação de risco ou querendo auxiliar alguém, estar informado é essencial.

Aqui alguns canais onde você pode obter informação útil:

Esse vídeo do psicólogo Fred Mattos também é ótimo:

Link Youtube

2. Direcione a pessoa para alguém que possa realmente ajudar

Especialmente em uma situação de urgência, disque 188 para obter apoio imediato.

Procure ou indique um psicólogo ou psiquiatra. Caso não possa pagar, na rede pública há os Centros de Apoio Psicossocial (CAPS). Por lá, é possível marcar uma consulta com um psiquiatra ou psicólogo. 

3. Desenvolva habilidades essenciais

Às vezes, não temos como auxiliar agindo diretamente no problema (oferecendo, por exemplo, o tratamento para algum transtorno psicológico), mas não devemos subestimar o poder de uma boa escuta, do companheirismo, de acompanhar e proteger.

Se você não sabe o que fazer, esteja junto, acompanhe nos tratamentos, apoie. Isso pode fazer toda diferença.

Você pode achar que não sabe ou não tem a paciência para cuidar de alguém nesse estado, mas tudo isso que falamos são habilidades que podem ser desenvolvidas. A escuta, a capacidade de falar de maneira compassiva e não-violenta, o acolhimento, a estabilidade para não surtar junto... tudo isso dá pra aprender.

Aqui alguns guias que já publicamos a respeito:

* * *

Espero que esse Ignição sirva pra gente se preparar e aprender a dar o devido auxílio, caso cruzemos o caminho de alguém que precise da nossa ajuda.

Vejo vocês na semana que vem!

Abraço!

* * *

O que é a coluna Ignição?

Resumindo: queremos iniciar processos de transformação por meio de ações práticas.

Aqui no Papo de Homem temos trocentos textos filosofentos falando de tudo. Agora, vamos pra outra abordagem.

Menos papo, mais ação.

Você está perdido e não sabe o que fazer da vida? 

Aqui vamos oferecer um ponto de partida, ações simples que você possa usar como um aquecimento, que coloque seus "músculos" no ponto para você gradativamente começar a lidar com seus problemas de frente.

Como funciona?

Toda semana vamos sugerir ações práticas acessíveis, para que você possa sair da inércia.

Depois, pedimos que venham aqui no artigo e relatem, em detalhes, como foi a experiência. Vale qualquer coisa, inclusive e principalmente, se der tudo errado, pois é nessas horas que a gente precisa de apoio e a coisa de termos uma comunidade mais vai fazer sentido. Nos colocando em movimento vamos começar a descobrir irmãos, amigos, enfim, parceiros de transformação.

Com o tempo, vamos cultivar uma rede de parceiros, dispostos a transformar suas vidas e também conversarem sobre o processo todo como uma forma de se incentivarem e se apoiarem. 

A Ignição é incrível, onde encontro os experimentos anteriores?

Muito fácil! Basta entrar na coleção Ignição.

Já conhece o ebook "As 25 maiores crises dos homens — e como superá-las", produzido pelo PdH?

Se deseja adquirir ou presentear alguém que possa se beneficiar, compre a sua edição aqui.

Para conhecer mais sobre o conteúdo do livro e tudo que vai encontrar lá dentro, leia esse texto.

Caso você se sinta em crise nesse momento e isso de alguma forma pode estar influenciando-o a pensar em suicídio, recomendamos de coração essa leitura. E, se você não puder pagar, entre em contato conosco pedindo ajuda que oferecemos o livro de graça. Você pode mandar e-mail para posts@papodehomem.com.br .

 
 
 

publicado em 12 de Setembro de 2018, 18:53
Avatar01

Luciano Ribeiro

Cantor, guitarrista, compositor e editor do PapodeHomem nas horas vagas. Você pode ouvir no Spotify. Também escreve no Medium e em seu blog pessoal. Quer ser seu amigo no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura