Mérito, sorte, preparação: quais as suas chances de sucesso na vida?

Um breve olhar sobre os diferentes pontos de partida e os fatores que influenciam o sucesso

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Asm selo png
  • 130x50 jpg

“Menino magrelo da norte sua vida é um fio no novelo
Sem sorte no pesadelo
Sem grana até pra um corte de cabelo
Cercado de gente que julga me sentindo numa corte sem apelo
Pensando mais quantos deserto
Eu vou atravessar com esse peso, tipo camelo”

Trecho de Sem Sorte— Rashid

Fonte: Link da imagem no Facebook

Você já deve ter ouvido pessoas falarem que todo mundo pode alcançar seu sonho, basta só lutar por ele. E com base neste argumento não é raro entrar o discurso da meritocracia.

Para começar o texto eu fui procurar algumas definições sobre ela.

"Meritocracia é um sistema ou modelo de hierarquização e premiação baseado nos méritos pessoais de cada indivíduo." — Significados.com.br

"Meritocracia, neologismo cunhado pelo sociólogo britânico Michael Young nos anos 1950, é uma palavra híbrida, formada pelo latim mereo (‘ser digno, merecer’) e pelo grego antigo κράτος, transl. krátos (‘força, poder’) que estabelece uma ligação direta entre mérito e poder." — Wikipedia 

"A meritocracia é um modelo de distribuição de recursos, prêmios ou vantagens, cujo critério único a ser considerado é o desempenho e as aptidões individuais de cada pessoa." — Infoescola

Em um cenário ideal, onde todos têm as mesmas oportunidades e ferramentas, a meritocracia deve ser ótima. Mas a vida é mais parecida como um mesa de poker, onde você recebe as cartas e tem que jogar com o que veio, sendo a sua mão boa ou não.

Para ser mais realista, podemos colocar um dos jogadores com seus pais comprando as suas fichas, um outro pedindo dinheiro emprestado para tentar continuar jogando, um ganhando algumas rodadas, porém, a banca fala que ele não está no padrão do jogo e não pode jogar mais. E olhe que eu nem entrei no fator sorte.

Link YoutubeLink para versão em português

Recursos Bases

"Ver seu tempo acabar, sua chance morrer
E no fim do mês ganhar, o que não dá nem pra sobreviver
Me ensinou a não desistir rapaz,
Miséria é foda, só que eu ainda sou bem mais" - Trecho de
Ooorra - Emicida

Entre 1937 a 1951, Abraham Maslow foi destaque na equipe de Brooklyn College. Ele achava os seres humanos tão maravilhosos que resolveu verificar onde estávamos conseguindo acertar na nossa evolução. Desta forma, Maslow começou a estudar as pessoas que tiveram desempenho excelente, como Albert Einstein, Eleanor Roosevelt e Frederick Douglas. Em meio de seus estudos, ele encontrou uma relação entres estas pessoas, que foi a base de “Hierarquia das Necessidades Humanas”, afirmando existir cinco níveis de necessidades humanas, sendo o seu topo o necessário para uma pessoa alcançar o seu pleno potencial como ser humano.

Pirâmide de Maslow

Já no livro Abundância, Peter Diamandis apresenta a pirâmide da abundância. Ela se assemelha muito com a pirâmide de Maslow, porém ao invés de se preocupar com a necessidade no nível individual, Diamandis procura focar mais na sociedade e como ela pode prosperar.

Nela existem três níveis, o inferior correspondendo a comida, água, abrigo e outras preocupações de sobrevivência básicas, o central que é focado em catalisadores de crescimento como energia abundante, educação ampla e acesso a comunicação e informações globais, e o nível mais alto onde se encontra a liberdade e saúde, que segundo ele são dois pré-requisitos básicos que permitem ao indivíduo contribuir para a sociedade.

"Abundância não significa proporcionar a todos neste planeta  uma vida de luxo - pelo contrário, significa proporcionar a todos uma vida de possibilidades ... abundância significa criar um mundo de possibilidades: um mundo onde os dias de todos sejam gastos com sonhos e realizações, não a luta pela sobrevivência." - Peter Diamandis

Embora elas tenham sido criadas em tempos diferentes, ambas determinam a existência de recursos bases para o alcance do potencial máximo de uma pessoa ou de uma sociedade.

Agora, se analisarmos a nossa realidade brasileira onde os mais pobre podem levar até 9 gerações para atingir a renda média do Brasil, como podemos afirmar que qualquer pessoa pode chegar onde quiser, se muitos começam na desvantagens e sem recursos básicos para entrar na disputa?

A série Atlanta mostrando a realidade de muita gente

Existe uma frase atribuída a Arquimedes que é "Dê-me uma alavanca e um ponto de apoio e levantarei o mundo", mas o que fazer se não me derem uma? O mundo vai passar por cima de mim?

O meio tem uma forte influência no que você é!

"Sempre fui sonhador, é isso que me mantém vivo
Quando pivete, meu sonho era ser jogador de futebol, vai vendo
Mas o sistema limita nossa vida de tal forma
Que tive que faze minha escolha, sonhar ou sobreviver
Os anos se passaram e eu fui me esquivando do ciclo vicioso
Porém, o capitalismo me obrigou a ser bem sucedido
Acredito que o sonho de todo pobre é ser rico
Em busca do meu sonho de consumo
Procurei dar uma solução rápida e fácil pros meus problemas:
O crime, mas é um dinheiro amaldiçoado
Quanto mais eu ganhava, mais eu gastava
Logo fui cobrado pela lei da natureza, vish
14 anos de reclusão
Barato é loco, barato é loco"

- Trecho de A Vida é Desafio - Racionais MC's

Eu vivi em um lar onde meus pais sempre priorizavam a minha educação e eu nunca tive que passar fome, somente alguns períodos difíceis, mas nada que me fizesse ficar sem comer. Nunca tive que trabalhar na infância e tive alguns videogames. De longe, eu posso afirmar que esta não é a realidade de toda criança e que eu posso ser considerado um privilegiado.

Link Youtube

Jay Z, na sua entrevista com David Letterman falou que em uma parte da sua vida, só via uma única saída da miséria, o tráfico. Ele ganhou cerca de dois mil dólares por dia e conseguiu colocar comida e dinheiro na mesa de casa. Agora eu te pergunto, depois de você e a sua mãe passar fome, você consegue ganhar dois mil dólares por dia. Você ganharia o suficiente e depois pararia? Continuaria na vida do crime?

Eu não estou aqui para fazer uma apologia ao crime, mas sim para trazer uma reflexão. Uma vez que você sem recursos base é colocado em situações extremas onde é mais difícil de raciocinar, o que caminho para uma vida errada se torna muito mais fácil e atrativo

É errado metrificar vidas de uma forma geral, uma vez que elas acontecem em ambientes diferentes e com “regras” diferentes. Isto fica simples de notar quando vemos casos onde um negro é preso carregando pinho sol na mochila onde foi acusado de portar coquetéis molotov ou um jovem de 14 anos é morto em uma ação policial quando ia para a escola, enquanto um filho de rico é solto após atropelar e matar um ciclista.

Um exemplo no meio de milhares não demonstra a realidade

“60% dos jovens de periferia sem antecedentes criminais já sofreram violência policial
A cada 4 pessoas mortas pela polícia, 3 são negras
Nas universidades brasileiras apenas 2% dos alunos são negros
A cada 4 horas, um jovem negro morre violentamente em São Paulo
Aqui quem fala é Primo Preto, mais um sobrevivente”

Trecho de Capítulo 4, Versículo 3 —Racionais MC's

Não estou falando que é impossível você sair do buraco e chegar ao topo. Na verdade existem alguns exemplos famosos como o caso do Marco Gomes que saiu de uma favela do Gama, chegou a fundar e vender uma empresa e hoje está em uma das maiores empresas americanas.

Porém, não podemos mascarar toda a nossa realidade com um único exemplo, pois seria a mesma coisa de afirmar que só porque uma filha de gari consegue se formar em medicina que todas as pessoas concorrem igualmente em um vestibular. Pois segundo um artigo dos pesquisadores Carlos Góes e Daniel Duque, do Instituto Mercado Popular, se a renda familiar do estudante for de R$ 250 ao mês, a chance dele ingressar em uma universidade pública é de apenas 2%. Se essa renda for de R$ 5.000, as chances vão para 20%. Diferente dos mais ricos, com renda de R$ 20 mil per capita, que tem 40% de chance.

Lembro que já gastei 3 horas por dia em transporte público para conseguir cursar aulas na faculdade. Porém, mesmo com estes desgastes, eu não tinha a responsabilidade de colocar dinheiro dentro de casa no fim do mês, o que facilitou muito a minha vida, porém continua não sendo a realidade de todos..

Eu sei que história de superação são bonitas como a de Lukaku, mas seria mais legal ainda se elas não precisassem acontecer.

Carma social

"Não vai ter hashtag
Nem hoje, nem pós
Ninguém chora
Por 5 moleque tipo nóiz
Pra forjar crime que num existe
O jornal é veloz
Triste sina, de 5 moleque tipo nóiz
Pense se fossem brancos
Se fossem playboys
Mas num era
Era 5 moleque tipo nóiz
Então que a mãe de cada um
Chore a sós
É sempre assim quando
É 5 moleque tipo nóiz"

Trecho de 5 moleque tipo nóiz— Emicida

Link Youtube

Antes de falarmos que todos tem como chegar no mesmo local, temos que falar das forças na sociedade que agem contra alguns, temos que lembrar de expressões como "esse tem cara de pobre", "olhe aquele garoto, tem cara de marginal", pois se existe julgamento pela aparência, não é só o mérito que prevalece.

Explicações fáceis, em geral, estão longe da realidade

Sorte é um fator e oportunidades levam a ela

"Aí são regras do mundão
Perdi a conta de quantos escondem a bolsa se digo que horas são?
Taxistas perguntam mais que policiais a mim
Sim indescritível como é ruim
Nasci vilão, só veneno
Com o incentivo que me dão, errado tô se eu não virar memo
Suor na cara, levando currículo do cara
Até porque onde eu moro, buso não pára
Pé de barro, meio dia, inspirando piada nos boy, transpirando medo nas tias
Tudo é tão obvio ‘cê não vê que vai juntando ingrediente da bomba relógio
Eu sinto dor (dor), eu sinto ódio (ódio), é quente,
Sem nem saber o nome dessa gente
Católica, de bem, linda
‘Cê já notou pior que nem falei minha cor ainda!"

Trecho de Cê Lá Faz Idéia— Emicida

Um estudo feito por pesquisadores italianos foi feito para tentar descobrir se a relação entre sucesso e talento era realmente válida. Para o experimento, os pesquisadores criaram um mundo imaginário, com 1.000 pessoas de diferentes graus de talento em posições aleatórias que foram expostas a acontecimentos de sorte e azar, onde cada uma tinha a mesma quantidade de capital. O nível de talento delas (características como inteligência, habilidade ou esforço) tinha influência na probabilidade de serem capazes de transformar uma oportunidade de sorte em mais capital.

O resultado da pesquisa demonstrou que as pessoas mais sucedidas, não eram as mais talentosas, e sim as que tiveram mais sorte.

“Se você valorizar o mérito exclusivamente pelos resultados passados, ao perceber que seus resultados passados ​são fruto não apenas do talento, mas também de eventos aleatórios de sorte, você verá que está recompensando a sorte, não o mérito”, diz Biondo, um dos pesquisadores.

Alguns acontecimentos ou experiências de sorte — local de nascimento, classe social da família e etc —  estão alheios ao seu controle. Ainda assim, ṕpodemos tentar aumentar a nossa sorte aprendendo inglês, indo para uma instituição de ensino superior ou tentando conhecer pessoas novas, mas isto fica um pouco complicado quando, além disso, as pessoas tem que lutar pela sobrevivência.

Aqui embaixo, por exemplo, tem um vídeo que fala sobre os cuidados que uma pessoa negra pode ter ao seu abordado pela polícia ao transitar pela rua e sofrer abuso de poder. Se não é negro, você sequer já cogitou algumas dessas precauções?

Link Youtube

Você pode achar exagero, mas este guia pode ser usado facilmente para qualquer comunidade carente, e não só pelo rio!

Yavu Noah afirma no seu livro Sapiens, que existem duas maneiras de falar sobre história, uma é descrevendo "como" aconteceu e a outra é explicando o "porquê". Quando descrevemos como as coisas ocorreram, não começamos a analisar uma série de acontecimentos que levaram de um ponto a outro. Porém quando explicamos o porquê as coisas aconteceram, tendemos a criar conexões claras que esclareçam a ocorrência dos fatos.

Quando o vamos analisar o "como" dos sucedidos, não vemos a luta pela sobrevivência, mas oportunidades apresentadas.

A vida é dura mas ela precisa ser vivida

“Já escrevi rap com as ratazana passeando em volta
Tio! goteira na telha, tremendo de frio
Quantos morreu assim e no fim quem viu!?
Meu, cês ainda quer memo ser mais rua que eu!?”

Trecho de Triunfo — Emicida

O livro que cunhou o termo distopia é, na verdade, uma distopia, o que nos faz refletir um pouco a respeito de onde tiramos os eixos que nos guiam pela vida.

Mas se, ainda assim, você quiser usar mérito como base de sucesso, lembre que quem se esforça consegue, mas dependendo das suas condições - se você é pobre, por exemplo, ainda que não só isso - tem que ser esforçar 5x mais. Caso você não seja pobre, admitir os próprios privilégio já ajuda a mudar um pouco as coisas. Fingir que a realidade não existe é alienação.

Lembro que por bastante tempo eu chegava em casa, depois de ter pego dois ônibus e um metrô. Eu estava muito cansado, mas para dar o último gás, quando eu descia do último transporte público, eu colocava para tocar a música triunfo do Emicida, e lembrava que mesmo com todo aquele cenário desfavorável, aquele era um jogo que eu tinha que continuar jogando.

E para finalizar, se você assim como eu, quiser buscar força para o dia a dia no rap, vale dar uma olhada nesta seleção que o Marco Gomes fez.

Link Youtube


publicado em 22 de Julho de 2018, 18:46
20225196 120696535217912 6377239811299737600 n 1 jpg

Nivaldo Gomes

Recifense que mora no mundo. Paga as contas sendo Product Leader e nas horas vagas tenta ser Stand Up Comedy. Escreve sobre o que pensa no Medium e está tentando mudar o tamanho da camisa de P para M. Ficaria honrado em ser seu amigo no Facebook e Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: