O Discurso de Obama no Cairo

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

Dia 04 de junho foi um dos dias mais aguardados pelo mundo. Tivemos o tão sonhado discurso de Obama, no Cairo, Egito. Um discurso histórico e cheio de balela. Quase uma hora. Você pode assistir o vídeo na íntegra no youtube.

Em suma, Obama propôs uma nova relação entre os EUA e o mundo islâmico. Eu não vou destrinchar cada pedaço do texto lido por Obama, apenas algumas partes que eu achei mais importante.

Depois da introdução meio besta, e uma forçada no idioma Árabe, Obama diz (tradução livre):

“(…) A América e o Islã não são exclusivos. Pelo contrário, eles se sobrepõe, e compartilham princípios comuns - princípio de justiça e progresso, tolerância e dignidade de todos os seres humanos.”

O grifo é meu. A indignação também.

Vejam bem, desde quando os EUA (ou a cultura ocidental em geral) partilham dos mesmos princípios do mundo islâmico? Sobre qual justiça Obama se referia? A de matar opositores? Ou a de apedrejar mulheres em praça pública? E tolerância com quem? Com a imprensa?

Não me levem a mal. Eu sou a favor da livre escolha de religião. Mas, ao contrário do cristianismo, budismo, judaísmo e etc, o Islã é uma religião que não se reforma. Não muda sua maneira de pensar. O simples direito de escolher com quem quer casar não é aceito no mundo islâmico. Se uma mulher paquistanesa resolve casar com um homem não-paquistanês, ela perde a nacionalidade. Isso se não perder a vida antes. Esse é apenas um das centenas de exemplos.

E Obama quer mostrar que todo o ódio que os países islâmicos têm pelo Ocidente é culpa deste último! O Ocidente, com sua cultura liberal e a globalização, destrói a moral e corrompe as civilizações. Aham.

A tolerância iraniana.
A tolerância iraniana.

“(…) O Islã tem demonstrado, através de palavras e atos, as possibilidades da tolerância religiosa e da igualdade racial.”

Demonstrado como? O cristianismo é ilegal em vários países islâmicos.

Um pouco mais de balela, e ele começa a falar sobre a questão Israel-Palestina. Vamos lá:

“[a resolução] para as ambas as partes será através da criação de dois Estados, onde israelenses e palestinos possam viver em paz e segurança. Este é o interesse de Israel, interesse da Palestina, interesse da América e o interesse do mundo.”

Isso tudo é realmente muito lindo. Eu quase chorei.

O problema aqui é que o Hamas (que “manda” na Palestina) é um grupo terrorista e não abre mão da violência por nada! É ridículo que Obama peça para o Hamas reconhecer Israel. Ele provavelmente não leu o “Estatuto do Hamas”, que logo no início diz:

“Israel existirá e continuará existindo até que o Islã o faça desaparecer, como fez desaparecer a todos aqueles que existiram anteriormente a ele.”

Pouco tempo depois, é hora de falar sobre as armas nucleares.

“É por isso que estou reafirmado o compromisso da América para buscar um mundo no qual as nações não detêm armas nucleares.”

E qual é a tática? Se desarmar. Enquanto os EUA desativam seus mísseis, a Coreia do Norte testa os dela. O Irã está quase completando os seus. Japão, com receio do maluco Kim Jong II, pensa em se armar, e assim vai.

“(…) E qualquer nação - incluindo o Irã - devem ter o direito de acesso à energia nuclear pacífica.”

Sem dúvida! Nem passou pela cabeça de Ahmadinejad construir bombas atômicas. Ele quer urânio porque a pedra brilha no escuro. Só isso.

Depois ele continua, com sentenças abstratas e gerais, sobre os direitos das mulheres, liberdade de religião, democracia, etc.

“O Islã tem uma orgulhosa tradição de tolerância”.

Nem Bin Laden engoliu essa.

Inclusive, o discurso foi amplamente criticado pelos radicais islâmicos. Claro, como disse Reinaldo Azevedo, “são espertos: no dia em que não estiverem mais no lugar das vítimas, acusando o Ocidente, terão perdido poder. É preciso atacar os Baracks Obamas da vida para que possam ser mimados por eles.”

Resumindo, a culpa de tudo é nossa e Obama é o único que quer diálogo. Mesmo se tudo já deu errado.

Em Relações Internacionais, discurso é uma coisa, prática é outra. Só Obama que ainda não se tocou.


publicado em 18 de Junho de 2009, 21:13
Afb7baf69e7aa557be159a17eb303501?s=130

Enrique Villalobos

Enrique Villalobos é formado em Relações Internacionais e escreve sobre política mundial no Mondo Post.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: