O “luz, câmera e ação” para iniciantes

Tá querendo gravar vídeos e não sabe como perder a vergonha de falar pra câmera? Esse texto pode ajudar.

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

Dizem que as pessoas têm mais medo de falar em público do que de morrer. Falar para uma câmera deve causar o mesmo terror. Mas assim como existem técnicas de oratória, também existem estratégias para se desinibir e investir em personalidade na hora de se comunicar por meio do vídeo.

Usar essa ferramenta para trocar conteúdo nas redes sociais, por exemplo, virou algo acessível. Da dona da padaria da esquina ao advogado: todo mundo pode expor ideias, vender produtos, serviços, fazer o povo dar risada ou ensinar cursos digitais.

Grande parte desse sucesso acontece porque, talvez, os vídeos tenham maior poder de conexão do que os textos, já que unem dois dos nossos principais sentidos: a audição e a visão.

Produzir conteúdos bacanas com os recursos que a gente já tem (um smartphone, um tablet, uma webcam) é fácil. Mesmo assim, você, pessoa que pensa em gravar vídeos mas não tem experiência, pode acabar ficando paralisada na hora de produzir. Será que não é complexo demais?

Essa dificuldade geralmente começa quando ligamos a câmera. Encarar aquela lentezinha pode ser desesperador pra muita gente, e aí começam a surgir inseguranças, medos, crenças limitantes e a sensação de não conseguir se desenvolver.

Se você é uma dessas pessoas, então senta que lá vem 9 dicas da apresentadora de TV (e agora Youtuber and videomaker) aqui, para você se desinibir e começar a trabalhar sua personalidade em vídeos.

1. Grave com os recursos que você tem

Primeira lição de TODAS: "o feito é melhor do que o perfeito"

A gente nunca vai achar que nossa performance no vídeo está ideal. (Somos assim com tudo na vida, né?). Então, faça e coloque no mundo, do jeito que for possível, AGORA.

Nem a câmera pode ser desculpa. Por mais simples que a do seu celular possa parecer, ela tem uma capacidade extraordinária de gravação de vídeos: um áudio razoável se você colocar mais pertinho e uma imagem ok com a ajuda da luz natural.

Muita gente boa que eu conheço começou assim e hoje conta com milhares de pessoas inscritas em seus canais, por exemplo.

2. Seja você o apresentador do seu vídeo

Você é a pessoa protagonista de suas histórias, vivências e teorias: é você quem tem que se colocar na frente da câmera para comunicar o que deseja.

Ainda que possa ter várias inseguranças, medos e crenças sobre sua imagem, vale a pena pagar pra ver; faça o teste e se coloque a prova.

3. Não se leve tão a sério

Você se acha uma pessoa ridícula? Esse auto julgamento é puro ego. E talvez nada além disso. A gente tem medo de parecer uma pessoa ridícula, boba, chata e feia.

Brinque com sua imagem, com sua mensagem e se divirta durante o processo porque, afinal de contas, a gente nunca vai agradar todo mundo.

4. Crie o hábito de escrever suas ideias

Elas são voláteis e desaparecem na mesma velocidade com que chegam. Se você não agarra suas ideias e as executa, perde a oportunidade. Por quê? Porque vem outra pessoa e a põe em prática. O mundo é assim, so sorry!

Portanto, tenha um caderninho pra anotar seus insights a qualquer hora do dia. Isso também ajuda a moldar a maneira como você quer ser visto.

5. Peça a opinião das pessoas

Comentários sobre nossos vídeos são a forma de validação mais inspiradora que podemos receber, ainda que pessoas que os fazem sejam poucas.

Portanto, PEÇA para que elas comentem.

Mas se você acha que vai se arriscar demais fazendo isso, ou que pode paralisar caso receba algum comentário negativo, não o faça por enquanto.

6. Erre quantas vezes for preciso.

Não tem problema se você não acertar de primeira. Nem na segunda. Errar é TREINO. Quanto mais você erra, mais natural fica o texto.

Na minha experiência como apresentadora de programa de varejo, onde a gente tem que improvisar muito, eu percebia que quanto mais eu errava na hora de gravar um determinado texto, mais incorporado em mim ele ficava. E hoje, mesmo gravando formatos de vídeos diferentes, ainda é assim. Portanto, erre à vontade!

7. Pratique diante do espelho

Prepare seu roteiro, bem simples, como se fosse fazer um vídeo. Mas ao invés de conversar com a câmera, fale de frente para o espelho, olhando no seu olho. 

Tente manter-se focado durante o máximo de tempo possível e, se conseguir, a câmera será fichinha.

8. Exercite as emoções que sua voz transmite

Grave a frase: “Eu sou uma excelente pessoa comunicadora” com diversos tons de emoção: feliz, triste, com raiva, com vergonha, com medo, etc, de maneira ultra exagerada. Se joga mesmo.

Depois, ouça atentamente cada áudio para observar como sua nuance de voz vai mudando a cada emoção. Entender esses mecanismos pode ser um belo aliado na hora de ir para a ação.

9. Observe-se atentamente 

Quando a gente grava um vídeo pra se observar, saímos do nosso corpo.

Portanto, faça isso. Desafie-se! Grave um vídeo agora, onde você estiver, com a câmera do seu tablet, celular, PC, qualquer um. Não precisa colocar no ar: é só pra você se ver. 

Depois, passe o arquivo pro computador e se observe. Analise e anote tudo o que percebeu. Veja o vídeo quantas vezes quiser e julgar necessário, ou até você se convencer de que quem está ali é VOCÊ, a pessoa que o mundo vê.

Grave um novo vídeo, agora ajustando o que não te agradou no primeiro.

É bom lembrar que esse "moldar" é um processo contínuo, que só tem fim na hora da morte.

A princípio, se ver ali, falando para um objeto, pode mesmo causar um medinho, uma insegurança. Se ouvir e se ver pode causar estranhamento. A boa notícia é que a aquela lei que diz ‘’a prática leva à perfeição’’ também se aplica ao nosso assunto. Quanto mais você se gravar e se observar, mais fluido, fácil e agradável vai ficar.

Topa um desafio? Grave seu vídeo e me manda pra eu te dar um feedback (contato@fazedoradevídeos.com.br), ou deixa sua dúvida aqui nos comentários.

Te espero!


publicado em 28 de Setembro de 2016, 17:33
Foto pdh

Carolina Barros

Comunicadora, feminista, empreendedora e fazedora de vídeos.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: