Se fosse uma mulher, quem você seria? Por quê?

 

"Se fosse uma mulher, quem você seria? Por quê?"

Começou como uma brincadeira na tarde de ontem, logo depois do pastel da feira no almoço.

Perguntei para arrancar umas risadas com as respostas engraçadas que surgiriam. O primeiro foi o Jader. Depois, interroguei o Rafael Nardini. Segui perguntando pra todos os presentes e, quando vi, estávamos em uma discussão bem acalorada.

O motivo da continuidade do papo não foi exatamente a pergunta, mas sim as respostas. Nenhum de nós sabia o que responder (com exceção do Felipe Franco, que tinha a dele na ponta da língua).

No meio disso, lembramos do vídeo do Dustin Hoffman, no qual ele conta sobre sua experiência com o personagem do filme Tootsie, interpretado por ele. A fala, em um momento, vai em direção ao fato de que ele pediu para não fazer o papel enquanto não pudesse andar pelas ruas de Nova Iorque sem ser notado nada de estranho.

Ao finalmente se ver mulher, teve uma epifania. Ali, não era o Dustin Hoffman vestido de mulher. Era uma mulher. E essa mulher não o agrada. Ou, melhor dizendo, não agrada a si própria. Seu primeiro desejo, ao se ver daquela forma, era ser mais bonita.

Link Youtube | Versão legendada

 

“Quando terminamos a maquiagem e olhei o resultado na tela, fiquei chocado pois eu não era atraente! Disse: ‘Agora que vocês me transformaram em uma mulher, me transformem em uma mulher linda!’. Porque eu achei que precisava ser bonita se era pra ser uma mulher, eu queria ser tão linda quanto possível! E eles disseram: ‘Esse é melhor que podemos fazer, não conseguimos te deixar mais bonita que isso, Charlie!’. E foi nesse momento que caiu a ficha e fui para casa, chorando.” Transcrição feita pela Cláudia Regina

Guardadas as devidas proporções, assim foi conosco.

Achei bastante curioso como é difícil pra nós nos colocarmos na posição de mulher.

Tenho a impressão de que, ainda que estejamos interagindo e passando por elas o tempo inteiro, é como se estivéssemos lidando com seres alienígenas. Temos uma quase completa cegueira, não somos capazes de enxergar quais são as expectativas, anseios, dúvidas, sonhos, angústias, prazeres e dores femininas com a devida clareza.

Praticamente todas as respostas iniciais, quando estávamos lutando para formular o que dizer, partiam de uma expectativa masculina do que achávamos ser uma mulher. Queríamos ser bonitas, inteligentes, diferentes, talentosas. Queríamos ser fortes, admiráveis como as mulheres que cuidaram de nós. Queríamos despertar o desejo dos homens, como muitas já fizeram conosco.

Ao mesmo tempo, chegamos a conclusões um tanto embaraçosas, enquanto ríamos do que considerávamos nossos retratos femininos. Um fala sobre seu eu feminino idealizado, o resto dos amigos, acaba apontando o que realmente aconteceria, caso as qualidades dele fossem apenas transcritas para um corpo feminino. Um certo constrangimento e frustração fica no ar. "Eu não seria linda e foda?"

E assim, seguimos e acabamos tendo a ideia de compartilhar as nossas expectativas do que gostaríamos de ser, caso mulheres. Os relatos, meio sem querer, retratam um pouco da nossa admiração, das dúvidas e da curiosidade que temos em relação a esses seres. Falam também da nossa ignorância, da nossa falta de habilidade e até falta de noção em alguns casos.

Se esse experimento não serve como pauta para reflexão ou como uma homenagem digna, que pelo menos sirva para rir um pouco do nosso embaraço.

 

Luciano Ribeiro

"Eu mesmo fiquei bastante tempo pensando, enquanto articulava a molecada para escrever. A introdução desse texto é um apanhado das ideias que me surgiram nesse entremeio. Não consegui fugir muito ao clichê que eu próprio acabei visualizando.

Confesso que tenho uma grande admiração por mulheres fortes, determinadas, cheias de projetos, exploradoras dos limites sociais impostos sutilmente ou não. Mas, se fosse para eu mesmo encarnar em um corpo feminino, acho que gostaria de ser a mais divertida e cheia de trejeitos possível. Eu queria ser como a Jennifer Lawrence, andando no limite entre ser alegre e inconveniente, caminhando distraída, sofrendo pequenos acidentes, sendo alvo de piadas e rindo do próprio ridículo.

A diferença é que a pequena é gata demais e eu acho que não chegaria nem aos pés dela se deus acordasse meio despirocado e quisesse me trocar de sexo."

 

Rodrigo Cambiaghi

"Quando me fizeram a pergunta, imaginei como seria minha versão feminina andando por ai, como eu me relacionaria com as pessoas, que tipo de decisões eu tomaria, que tipo de caras eu namoraria, quais seriam minhas prioridades, valores e o que eu gostaria de estar fazendo.

A resposta mais próxima que cheguei foi que eu seria minha amiga Verônica Bricolli. Além de achar que tomaria decisões muito parecidas com as dela e que de alguma maneira somos bem parecidos nas crenças e valores, ela tem algo que eu jamais abriria mão se fosse mulher: independência.

Me mataria de agonia se num passe de mágica, a la filme "Se eu fosse você", amanhã eu acordasse no corpo de uma mulher (ou qualquer ser humano) que fosse completamente dependente de um parceiro, parentes, filhos ou amigos, seja financeiramente ou até emocionalmente.

O que me admira na Ve, foi essa independência que ela conquistou, sem perder os elos de confiança com os amigos e com a família.

E ela sempre pegou uns caras gatos."

 

Felipe Franco

"Que mulher eu seria? Está ai uma pergunta difícil. Mal tenho definido que tipo de homem eu sou! Acho que o mais fácil é idealizar e pensar em uma mulher forte e independente que admiro, que fez parte da história e pensando em um ideal eu queria ser a pintora mexicana Magdalena Carmen Frieda Kahlo y Calderón, ou simplesmente Frida Kahlo.

Mas desde o momento que o Luciano entrou na sala perguntando que mulher seríamos, só um nome veio na minha cabeça, e sinceramente tem muito mais a ver comigo: a centenária Dercy Gonçalves.

É até estranho eu pensar nela, pois nunca acompanhei o trabalho da Dercy. De qualquer forma, sempre gostei de ver ela bem humorada e escrachada na televisão, soltando um “puta que pariu” ali, um “caralho” acolá, falando o que queria sem papas na língua, doa a quem doer. É o tipo de pessoa que eu sou e é o tipo de mulher que eu seria."

 

“Eu não falo palavrão, falo as coisas do jeito que elas são.”—  Dercy Gonçalves

 

Rafael Nardini

"Nada é mais potente que uma mulher bem humorada, de riso fácil e espontânea. Encontre uma delas no seu ambiente e seja feliz. A temperatura muda e a vida fica leve. A Tina Fey é assim.

Tivesse havido uma Tina Fey intermediando as relações entre EUA e URSS, a Guerra Fria nunca teria existido. Porra, ela comandou os roteiristas do Saturday Night Live por anos, criou o 30 Rock e consegue ser genial até na apresentação do Golden Globe."

PS: Ah, podem me apedrejar, mas acho ela gata PÁ CARAIO.

Tina-Fey-tina-fey-2046838-624-400

 

Ismael dos Anjos

"Quando o Luciano me perguntou sobre a mulher que eu gostaria de ser, admito que a cabeça foi logo pro fantasioso e para o aspiracional. Quem não gostaria de ser tão bonita ou livre quanto Tempestade e Vampira de X-Men e as mulheres do Manara? Tão corajosa quanto a Angelina Jolie na hora de encarar uma mastectomia de frente?

Fincando os pés em terra mais firme, pensei seriamente em dizer que queria ser minha avó, Leontina, mulher forte sobre quem já escrevi aqui no PapodeHomem.

A verdade é que, cinco minutos depois, percebi que não tenho grandes ilusões sobre como a minha vida seria se eu fosse mulher.

Sei que teria de enfrentar questões que não existem na minha rotina ou que experimentei até hoje, mas algo me diz que mesmo com certezas e dúvidas diferentes eu provavelmente seria tão amoroso, feliz, chato ou rancoroso quanto sou com barba na cara. É meio roubar no jogo proposto, mas cheguei à conclusão que me daria por satisfeito se fosse uma mulher possível, como a namorada e amigas que tenho.

E não ia reclamar se algum dia alguém se referisse a mim como uma avó do caralho."

 

Jader Pires

"De todas as histórias desse mundo que chegaram até mim, a da Úrsula Iguarán, figura central do clássico Cem Anos de Solidão do colombiano Gabriel Garcia Márquez foi a que me ficou mais riscada na memória.

A matriarca da família Buendía atravessou todas as gerações como a "voz da razão de uma familia de loucos". Mulher forte, mulher que sofreu e viu sua prole nascer e crescer e sofrer. Viu sua vila -- a pequena Macondo -- se transformar, teve como destino unir uma família em pedaços, foi passando, geração após geração, cada vez mais serena e cada vez mais sábia, mesmo que cada dia menos poderosa ou ouvida ou então lembrada.

Se eu fosse uma mulher nesse mundão de nossa fé, gostaria de ser a mais humana delas, mesmo que escolhendo como modelo uma mulher que não existe."

 

Guilherme Valadares

"É feio, mas vá lá. Preciso confessar a surpresa diante dos primeiros impulsos de minha mente. Surgiram mulheres atraentes, ligadas a cinema, música e entrenimento, e estrangeiras. Um tremendo susto ao reconhecer a grosseria dos filtros associados a referências femininas.

Superado os flashes iniciais, ufa!, ponderei em torno de critérios como presença, visões, inteligência e ação no mundo. Deveria ser uma brasileira, que admirasse e com quem já tivesse tido contato real. Eliminei família e namorada – deixa essas na conta do Freud.

Gastei algum tempo pensando no artigo 'Como se sente uma mulher'.

Fui então salvo pela rede.

Me lembrei das inúmeras autoras do PdH, de grandes amigas e também da espetacular lista de mulheres inspiradoras de 2013, feita pelo Think Olga.

E, considerando as que conheço pessoalmente e cuja presença, ideias e trabalho tenho em alta conta, posso agora chegar à resposta com relativa tranquilidade: seria feliz sendo alguém como a Camila Haddad (fundadora do Cinese) ou a Juliana de Faria (fundadora do próprio Think Olga).

Agradeço ao Luciano pela ótima pergunta e desejo a todas as mulheres não só um, mas 365 grandes dias."

* * *

Agora, direciono a pergunta para seguirmos o papo nos comentários.

Se você fosse uma mulher, quem você seria? Por quê?


publicado em 08 de Março de 2014, 09:41
Avatar01

Luciano Andolini

Cantor, guitarrista, compositor e editor do PapodeHomem nas horas vagas. Você pode ouvir no Spotify. Também escreve no Medium e em seu blog pessoal. Quer ser seu amigo no Facebook e Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura