Assistam na íntegra a live que fizemos no Facebook com o Dr. Tiago Pádua (Oncologista) e o Dr. Lucas Ventura (médico de família) falando sobre o tema: "Por que os homens vivem 7 anos a menos que as mulheres". Vamo lá!

Vencer não é o maior desafio

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Asm selo png
  • 130x50 jpg

Quando saí pra correr hoje mais cedo, decidi que faria diferente do habitual. Seria um percurso calmo, sem preocupações com o tempo. E foi uma experiência excelente. Acabei de chegar em casa, tirei a roupa, tomei um banho e sentei para escrever.

Foi aí que a ficha caiu.

Minha corrida

Sou louco por desafios. Quer me ver completamente motivado? É só dizer que não vou conseguir, que é melhor nem tentar. “Eu já tentei fazer isso cara, melhor você deixar pra lá.” Nesse momento eu tenho uma nova meta, e eu vou atrás dela. Mesmo que eu não atinja a meta, eu gosto de saber que fui até onde eu podia.

Correr entrou de vez na minha vida desse jeito.“Qual é o seu tempo? Você faz ideia de qual é o tempo dos primeiros colocados?”

E foi assim

Começar a correr exige alguma perseverança. Embora a maioria das pessoas consiga completar os seus primeiros quilômetros em algumas semanas, pergunte para quem está começando hoje se não dá uma vontade incontrolável de desistir quando o ar começa a faltar, ou quando aparece aquela dor escrota, como uma faca atravessando o abdômen. Ali mesmo, no meio do caminho, você quer sentar e tomar um longo gole d’água.

Seja lá qual o seu motivo, com alguma vontade, em um mês você já treinou o seu corpo pra resistir àqueles principais sintomas do desertor. Você já está habituado ao lugar, às imperfeições da pista, descobriu a sua melhor passada, entendeu seu ritmo e como respirar da forma mais confortável. A sensação de alcançar isso é indescritível, principalmente quando se leva uma vida sedentária e atordoada, como a que muitos de nós levam.

600 quilômetros? Opa, vamo aê

Legal, mas eu só tinha começado. Agora era hora de correr "de verdade". Pelo menos foi o que imaginei.

Em pouco tempo alcancei uma marca que para mim era satisfatória. Foram sete meses correndo, correndo e correndo feito um louco. Eu só pensava nisso. Como meu trabalho não tem uma rotina exatamente definida e nada mais me impedia, não era difícil me encontrar na rua depois da meia noite, ou às 5 da manhã, treinando.

Vim, vi , venci, mas tive que parar

Fiz uma prova de 10km e fiquei entre os dez primeiros da minha categoria. Não foi só o desafio, eu tomei muito gosto pela coisa. Correr se tornou parte da minha vida, e ninguém podia me parar.

Foi em março de 2011 quando senti a primeira lesão. Parei. Não procurei nenhum médico, mas entendi que precisava reduzir a carga, foram três meses entre poucas passadas e várias dores. Quando me senti melhor, retornei, mas logo a coisa ficou mais séria. Resultado: consegui uma fratura por estresse na outra perna.

-- O que é isso doutor?
-- Resumindo, você está com a perna quebrada, filho. É melhor engessar.

Eu já estava treinando há um mês nessa condição. Atletas utilizam outros métodos durante a recuperação, mas esse não era o meu caso. Fiquei 31 dias com uma bota sintética, e após três meses ainda sinto as consequências de ter imobilizado um membro.

Uma mudança de passada

Em algum momento eu deixei a essência da corrida ir embora, e sem isso não sobra muito. É legal ser competitivo, mas correr é muito mais que isso, afinal, não pretendo me tornar um atleta profissional.

Hoje foi diferente, correr com música é bacana e ajuda a manter o ritmo, mas quando se pode fazer isso sem barulho ao redor, ouvindo a respiração e sentindo cada passada, é inspirador. Chegar ao final sem estar ofegante e com pique para mais uma voltinha é ser tornar pleno correndo.

Fazer o percurso de volta pra casa ou pegar um ônibus?

Mesmo com muito esforço, existem limites que estão além da nossa vontade, cuidar do próprio corpo é fundamental nessa relação de se superar, e ignorar isso é colocar tudo a perder. Ainda tenho aquela vontade de alcançar um lugar no pódio, pegar aquele troféu e registrar pra sempre esse momento. Queria mostrar no futuro para o meu filhote, quando ele estiver maior.

Mas, me cuidando, darei um troféu melhor ainda a ele: os dias em que poderemos sair juntos para um cooper tranquilo, com o sol abrindo uma bela manhã no final de semana.

Correr não é chegar ao final, isso é consequência. Correr é o próximo passo. Só isso.


publicado em 01 de Abril de 2012, 07:00
Bc5f7107af594b9845c33ba66c264a73?s=130

João Pinheiro

Apaixonado por esportes, aficionado por música, não vê a hora do filhão Oliver dizer “pa-pai”.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: