Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

[18+] Toda a safadeza de Georges Pichard

Por melhor que seja o trabalho de Apollonia Saintclair, a artista ainda tem que comer muito feijão (ou escargot) até chegar a altura de seu conterrâneo Georges Pichard.

pichard001

Por isso, um pequeno aviso ao leitor incauto: o que vem adiante é uma demonstração de que, no firmamento das obscenidades gráficas e das heresias eróticas, a estrela de Pichard brilha muito alto. Continue por sua conta e risco, evite o acesso se contar com menos de 18 anos de idade e não prossiga caso esteja em ambiente de trabalho.

foto-pichard

Nascido em Paris no ano de 1920, esse senhor francês de humor cáustico ofendeu, nas décadas de 60 a 80 do século passado, muitos cavalheiros e damas defensoras da boa moral e dos bons costumes em seu país.

pichard002
pichard003
pichard004
 gosto moral
 bom gosto estético

Mas a verdade é que bom não é irmão siamês do. Aplicada a Pichard, essa verdade fez com que seus detratores, mesmo quando o acusavam, para os padrões da época, de demasiadamente obsceno, fossem obrigados a  reconhecer que seu trabalho sempre foi tecnicamente magistral, ainda quando moralmente ofensivo.

pichard023
pichard024
pichard023B

Egresso da  École des Arts Appliques, após a Segunda Grande Guerra iniciou sua carreira com trabalhos publicitários. Em 1956, entrou para o mundo dos quadrinhos com trabalhos que já anteviam a sua temática predileta: o erotismo sem sutilezas e o prazer de ofender a Igreja.

pichard005

Em 1967, enfrentou a primeira polêmica. Junto com Jacques Lob, criou Blanche Épiphanie, uma loira de 17 anos que defendia sua convicta virgindade contra o ataque de vilões (o pior deles, um banqueiro  escroto) capazes dos mais ardilosos estratagemas para deflorá-la. Felizmente, sempre no último momento, surgia um misterioso herói mascarado para salvar nossa jovem, pura e virginal protagonista. A personagem estreou na V-Magazine, de propriedade de Jean-Claude Forest, ninguém menos que o criador de outra loira: a psicodélica. Mas isso é, literalmente, outra história.

pichard008
pichard008B
Paulette

Muito menos comportada foi a segunda personagem criada por Georges Pichard, dessa vez ao lado de Georges Wolinski. Em 1971, a dupla criativa apresentou ao público , uma loira com seios firmes e de moral frouxa. Diferente de sua antecessora, essa nova protagonista não estava assim tão convicta das vantagens de uma vida casta.

pichard0071
pichard011
pichard012
Paulette
Charlie Mensuel

 surgiu na edição de número 12 da revista de humor . Em suas aventuras, a moça vive de tudo um pouco: é sequestrada, forçada a viver no harém de um Sultão, tem um caso com Ali Babá, herda uma fortuna, vira comunista, insufla uma greve em um bordel (imagem acima), vai para o Vietnã, batalha contra o capitalismo e outras tantas estripulias pelas quais os autores alfinetam, a um só tempo, os religiosos, os conservadores, os machistas, as feministas, a esquerda e a direita.

pichard009

O que observamos na evolução do trabalho de Georges Pichard é que, ao longo dos anos, ele passou a aproximar-se gradualmente de um tema perigoso: as relações de domínio no âmbito da sexualidade. Em suas obras, a tônica sempre foi a do exercício do poder nas relações sexuais.

Em , Philip Roth demonstra que, para além de nossas pretensões civilizatórias, o desequilíbrio e a relação de domínio daí decorrente não podem ser afastadas da sexualidade, pois é necessário atrito para alimentar as chamas do instinto. Toda relação de domínio tem um componente sexual ou toda relação sexual possui um componente de domínio, ainda que sutil?

Não importa.

O que Georges Pichard deixou claro em suas obras é que o domínio sexual não se restringe à relação homem/mulher, como as imagens a seguir deixam claro.

pichard016
pichard014
Animal Agonizante

Em um trecho que Pichard apreciaria, Philip Roth expõe, através do protagonista de , a seguinte concepção sobre o assunto:

"O que está em jogo aqui é o caos do Eros, a desestabilização radical que é a excitação erótica. Na hora do sexo, todos nós voltamos para a selva. Voltamos para o pântano. O que há é um domínio, um desequilíbrio perpétuo. Você vai excluir o domínio? Você vai excluir a entrega? O domínio é a pederneira, é ele que produz a faísca, que dá início a tudo.”
pichard015

Discussões literário-filosófico-sexuais a parte, Georges Pichard chegou ao ponto máximo da ofensa dos conservadores franceses com a publicação de Marie-Gabrielle de Saint-Eutrope, no ano 1977. Trata-se de uma obra que o Marquês de Sade colocaria com prazer em sua biblioteca, mas que deixou os contemporâneos de Pichard um bocado aborrecidos.

O motivo desse aborrecimento foi bem simples: na história, freiras torturam e humilham a protagonista para redimi-la de seus pecados. A comercialização de Marie-Gabriele foi proibida.

pichard018
pichard0191
Marie-Gabriele
Marie-Gabriele 

Em , os algozes da protagonista justificavam os abusos cometidos utilizando a legitimação do discurso religioso. Se o objetivo de Georges Pichard era incomodar a Igreja e seus fiéis, sem dúvida conseguiu -- mas pagando um preço talvez alto demais. A verdade é que é inquietante e, até mesmo, muito desagradável em suas cenas mais violentas. Anos após a polêmica, Pichard procurou explicar as razões que o levaram a conceber uma história tão controversa:

"Tentei quebrar a noção de pornografia e fazer outra coisa. Sei muito bem que entre as pessoas responsáveis pelo sucesso relativo que foi Marie-Gabriele, há leitores que eu não gostaria de conhecer. Há vários tipos de proibições religiosas de conteúdo sexual. Eu queria colocar essas essas proibições em imagens. Para alguns, é só pornografia. Mas, na minha mente, não se tratava disso. Claro, são imagens violentas, muitas vezes difíceis de aceitar. Ms são imagens que correspondem muito bem a textos religiosos que usei, textos publicados por sacerdotes obscuros do final do século XVIII."
(trecho de entrevista dada a Fred Coconut em novembro de 1985 e publicada na revista Ratatouille em fevereiro/1986).
pichard019A
pichard019B
pichard019C
Marie-Gabriele
Odisseia 

Em seguida à , como que para escapar do clima claustrofóbico do catolicismo europeu, Pichard uniu-se novamente a Jacques Lob para fazer uma visita à Grécia mitológica, ao tempo dos deuses e heróis épicos. Seu projeto, ambicioso e muito bem-sucedido, era criar uma versão da que fosse, a um só tempo, descolada e fiel ao original.

pichard0241
Ulysse
pop
aliens

E assim surgiu, em 1974, , um marco da década de setenta e excelente exemplo da cultura . A sacada dos autores foi não retratar os deuses gregos como divindades entediantes e de personalidade unidimensional, mas como seres psicodélicos e retrofuturistas, uma mistura de "rock-stars" com  dotados de poderosa tecnologia, manipulando Ulisses e os outros  mortais por vaidade e egoísmo.

pichard025
Sorcières de Thessalie 
Metamorfose ou o Asno de Ouro

Ao que tudo indica, os ares da antiga Grécia fizeram muito bem ao talento de Georges Pichard, pois a eles retornou ao publicar (Feiticeiras da Tessália), em 1978. Tessália, segundo a tradição grega, era uma região famosa por suas bruxas. Dentre as mais poderosas feiticeiras, estavam Meröe e Pamphile, ambas personagens da famosa obra de Apuleio, intitulada  (séc. II D.C.). Inspirado nessa narrativa clássica, Pichard criou uma história em que, dessa vez, as vítimas eram os homens.

pichard021
pichard022
Carmen, aprés Mérimée

A adaptação de obras célebres é parte importante da biografia de Georges Pichard. Entre seus trabalhos mais bem sucedidos, está , baseado na história original de seu conterrâneo Prosper Mérimée.

pichard026
pichard027
La Comtesse Rouge

Em 1985, Pichard adaptou  (A Condessa Vermelha) de Sacher-Masoch. A história é baseada em fatos reais da vida da Condessa Isabel Bathory, condenada em 1611 por sacrificar jovens virgens e banhar-se em seu sangue para preservar a juventude.

pichard029
pichard031

Mas o talento de Georges Pichard chega ao ápice naquela que será sua adaptação definitiva. Trata-se de Le Kama Soutra (O Kama Sutra), trabalho realizado em coautoria com Joseph-Marie Lo Duca, inspirado no  de Vatsyayana e publicado em 1991.

pichard032

O grau de maturidade de Pichard no manejo da pena é revelado nos rebuscados arabescos e floreios em nanquim, que emolduram cenas em que a sexualidade ganha o colorido do imaginário que o ocidente alimenta sobre um suposto oriente místico. Se há um lugar em que a arte consegue encontrar a obscenidade de uma maneira natural e rebuscada, é nessa obra de Pichard.

pichard034
pichard035
pichard036
pichard037
pichard039

Georges Pichard morreu em 2003, aos 83 anos, sem jamais ter pedido desculpas pelas polêmicas que causou. Deixou-nos, além de uma extensa e formidável obra, apenas o testemunho de sua modéstia e uma justificativa para seu estilo, quando afirmou:

"Na verdade, desenhamos com as mãos que temos e com nossas tentativas desajeitadas de dominá-las. E não desenhamos exatamente o que queremos. Quando à minha representação de mulheres curvilíneas, essa é uma forma, como qualquer outra, de representar a feminilidade." (excerto de entrevista publicada em Cahiers de la BD, nº 27, em 1975).
pichard040
pichard0041

final


publicado em 08 de Julho de 2013, 21:00
File

Victor Lisboa

Não escrevo por achar que tenho talento, sequer para dizer algo importante, e sim por autocomplacência e descaramento: de todos os vícios e extravagâncias tolerados socialmente, escrever é o mais inofensivo. Logo, deixe-me abusar, aqui e como editor no site Ano Zero.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura