Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Arruma essa barba, rapá: como modelar a barba de maneira real e estilosa

Além da virilidade, a barba também denota aspectos culturais e ajuda na estética facial, na parte harmoniosa. Explicamos um pouco de como entender isso tudo

Primeiro, o bê-a-bá, ensinado pelo Adriano do Retrô Hair. Em seguida, desenvolvemos o assunto em texto, pra não sobrar dúvidas sobre o que fazer quando estiver você, o espelho e a sua barba no juízo final.

Link Youtube

Neste artigo, a abordagem vai ser muito mais utilitária, explicando como cuidar do visual da barba, como manter os pelos adequados na questão estética (deixar o rosto mais harmonioso) e de estilo (deixar a barba condizente com o que você quer dizer socialmente).

Bem melhor, hein James Harden

Até já dei alguns pitacos sobre barba aqui anteriormente.Mas agora a coisa ser um pouco mais assertiva. Para aqueles que decidiram deixar os pelos crescerem e para essa multidão que já é barbuda faz tempo, aqui vão algumas dicas maneiras. Você já deve estar habituado com as normas da casa e sabe que, por aqui, ninguém gosta muito de ficar dizendo “faça isso ou será eternamente um perdedor”, certo?

1. Escolha um estilo de barba

Se você não fez a escolha conscientemente, de alguma forma ela será feita. O equívoco mais comum para um barbudo é acreditar que a natureza faz tudo sozinha. Como a linda cabeleira que você ostenta, a barba também não nasce perfeitamente modelada e adequada ao seu rosto. 

Deixar para o acaso o que é trabalho seu é como entrar em uma dividida com o pé mole. Então, deixe de moleza e entre para vencer. Aí você pergunta: "Mas como é que descubro o que serve para esse rostinho maravilhoso que eu tenho?". Primeiro de tudo, não tente nenhum tipo de corte específico antes de deixar sua barba crescer por inteiro. Aguarde uma, duas, três semanas sem tocar no barbeador ou na tesoura. Deixe a genética agir. Só depois disso você conseguirá ter uma noção do que fazer.

O Brett McKay, do ótimo Art Of Manliness, fala um pouquinho sobre isso:

“Seja qual for o estilo que você escolher, tente não cometer o erro mais comum no cultivo de uma barba: criar formas prematuramente. O problema em agir de forma prematura é que frequentemente acaba com a linha do pescoço e do queixo ficando muito alta ou descendo demais. O resultado é uma barba muito mal “desenhada”, que normalmente não parece boa e acaba como uma tentativa frustrada de cultivar uma barba. 

Se você realmente não consegue evitar as tentativas prematuras de delinear sua barba, ao menos tente mexer nela com o objetivo de que seja muito menos do que você acha que precisa.”

É basicamente isso. Se você quer ter uma barba irregular - onde o queixo, bigode ou costeleta ganham mais volume - ou quer simplesmente ver como a coisa fica, mantenha-se longe do barbeador um tempinho. Se dê o direito de errar também. Não vai ser de primeira que a coisa vai dar certo. 

Ninguém é mestre da noite pro dia. E só mestres podem usar esse blaser

Mas alguns homens abençoados têm a sorte de verem seus pelos nascerem de maneira que tudo faça sentido automaticamente. E tem o outro lado também. Os homens estão começando a se entender melhor esteticamente e fazendo melhores apostas. É o que diz o doutor Allan Peterkin, autor dos livros The Bearded Gentleman e One Thousand Beards, lá no The Huffington Post:

Os homens usam os pelos faciais para criar pontos fortes ou ocultar fraquezas.

Se você tem um queixo pequeno, pode aumentá-lo com uma barba. Se você tem um nariz muito grande, um bigode cheio vai combater isso. Você vê carecas deixando crescer uma bela barba.

Creio que os homens estão ficando realmente estratégicos sobre o uso dos pelos faciais por questões estéticas ou cosméticas”.

Quando os pelos tomaram o seu rosto, a onda é saber jogar o jogo das proporções e entender o que cada corte pode emprestar à sua personalidade. Aos que têm um rosto arredondado, nada melhor que criar um queixo mais quadrado com os pelos, deixando as bochechas proporcionalmente mais aparadas (os barbudos lá da foto que abre este artigo ilustram bem isso, maxilar mais largo e quadrado).

A barba serve como recurso para esconder papada ou para dar mais contraste quando raspa a cabeça careca - é como se aquele queixo com pelos atraísse os olhos automaticamente. 

Não é mágico? Na real, não. É bem simples.

Já parou para pensar o quanto o Jared Leto ganhou em credibilidade após manter a barba? Perdeu muito de seus traços delicados quando figurou nos prêmios de cinema com a cara cheia de pelos. E o Ben Affleck? Não parece mais confiante? E o astro do Houston Rockets, James Harden? Melhorou ou não depois da barba?

Acredite, alguns fios a mais para quem anda oscilando na carreira podem ser definitivos. Outra boa notícia é que boa parte dos ambientes já não restringem a barba, ainda que seja uma espécie de tabu em alguns lugares específicos. Mas, hoje em dia, não importa se você trabalha numa startup promissora e quer cultivar a barba para ganhar minimamente respeito e ser ouvido ou é gerente de um banco. O Muro de Berlim que separou os dois mundo está pra cair - ou já desabou completamente. Hipster, moderninho, roqueiro ou jogador de futebol. Hoje, só pela imagem, começa a ficar difícil distinguir qual homem vive de qual ofício.

Mesmo assim, uma barba desgrenhada vai sempre empregar o tom de independência. O bigode seguirá um símbolo de tradicionalismo ou de coragem. Aquele aspecto de barba por fazer ainda segue com uma ótima alternativa para empresários e profissionais de alto rendimento no mercado financeiro. É quase como se dissesse que é rebelde, mas não em excesso.

2. A linha do queixo

O Brett chegou a tocar no assunto, mas aqui vale um tópico exclusivo. 

O engano mais comum por aí é, sem sombra de dúvidas, o contorno do rosto. Cara, quem foi que disse que a barba precisa ser aparada exatamente na linha do queixo? 

Ben Roethlisberger

Mas fica frio. 

Gente de todas as classes sociais e até imortais como o astro da NBA LeBron James abusam desse recurso tenebroso. Em um artigo da GQ americana, o Andrew Richdale mandou a real:

"Barbas mostram que você é do tipo independente e, possivelmente, criou seu próprio emprego, já que ela acaba desaprovada em certas corporações tensas e conformistas como o New York Yankees.

Pense no Ben Roethlisberger (quarterbeck do Pittsburgh Steelers). Ele cometeu o erro que muitos barbudos cometem: raspou o pescoço quase até o queixo. Em geral, os homens acreditam que isso sempre marca o contorno do seu rosto e até mesmo os faz parecerem mais magros. Mas não: esta é a pior coisa que um cara com algum sobrepeso pode fazer.

A barba raspada na linha do pescoço faz você ter um queixo duplo”

Para além da questão do queixo duplo, vai rolar aquele aspecto de que você acabou de fazer a barba. Mas, afinal, se você deixou a barba não é justamente para valorizar os pelos que teimam em nascer?

3. Menos desenhos e mais camadas

Esse tópico é praticamente um desdobramento do anterior. Se deixar tudo acertadinho demais não é o melhor dos mundos, como resolver? Bem, a sacada é usar um barbeador elétrico.

Também na GQ americana achei umas dicas bem práticas do Dzenad "Geno" Bicic, da Geno's Barberia, lá em Nova York.

Etapa um: Apare a barba 

"Use a lâmina na altura 3 e apare toda a barba."  

Etapa dois: limpe parte inferior do pescoço

"Mude o barbeador para a lâmina de altura 1 e passe pelo pescoço, pelo gogó e a duas polegadas abaixo de seu queixo."

Etapa três: crie camadas

"Use o barbeador na altura 2 e apare a área de duas polegadas (uns 5cm) abaixo do queixo e tente criar um disfarce entre a região que usou o barbeador com o número 1 e o restante da barba que foi raspada com a altura 3."

Etapa quatro: Remova estáticas

"Use a configuração do barbeador (ou use uma lâmina de barbear comum) e apare os restos de pelos abandonados nas laterais do pescoço."

A ideia, você deve ter percebido, é criar um "aspecto Ryan Gosling" na sua barba. Não parece que a barba dele nasceu magicamente irregular dando aquele aspecto “tô nem aí, seu Zé Ruela”? 

Tudo feito com barbeador, cara. 

E você nem precisa gastar quarenta e sei lá quantos mangos para fazer isso em uma barbearia. Vai na fé que você chega lá. É bem melhor apostar nas camadas do que manter uma barba ultra espessa e, de repente, surgir um pescoço limpinho de navalha. 

Transição, cara. 

Faça o meio-campo com os pelos do rosto. Da lâmina 3 para a 2 para então chegar na 1 e na pela lisinha. Com o tempo você vai aprender a dominar certinho o formato do seu rosto e vai ficar maneiro.

4. Limpeza é limpeza

De nada adianta escolher o tipo adequado de barba, comprar um aparelho maneiro para criar camadas e se ligar que seu rosto pode ficar horrível com um corte inadequado na linha do queixo se você não cuidar da barba com carinho. 

Não sei qual é frequência que você costuma lavar o cabelo, mas barba é obrigação para todos os dias. O lado bom é que, hoje em dia, tem um montão de produtos próprios e específicos, mas se você quiser se safar com o bom e velho shampoo não tem nada de errado nisso. Condicionador também dá um grau legal. 

Só, por favor, não ache que sabonete pode ser solução. Ele vai retirar toda a hidratação dos pelos e ainda vai ressacar seu rosto. 

E aí, qual foi a dica que deixei passar batida? Ajude seus amigos barbudos ae, velho!

* * *

Sobre barba

Como deixar a barba crescer: o passo-a-passo e o emocional

Os tipos de barba, do mundo real ao Instagram: 5 relatos de caras como você e eu

A primeira barba de um homem (ou o que a gente nunca mais esquece)

Mecenas: Philips 

Nos próximos meses, Philips será mecenas de um canal especial sobre barba e estilo: vamos abordar todos os caminhos da barba, desde quem está deixando os pelos crescer até a conservação de quem já tem tudo no lugar.

Independente de como for a sua barba, a Philips possui a linha mais completa de aparelhos de barbear e aparadores para você criar diferentes estilos com rapidez e facilidade.

Conheça a linha completa de barbeadores e aparadores lá no site da Philips.


publicado em 07 de Setembro de 2015, 12:32
Eu1 perfil jpg

Rafael Nardini

Vive de escrever bobagem. Torcedor de arquibancada, fake de músico e curioso na cozinha.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura