Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Cansei de fingir que não sou um bosta | Pesadelos Criativos #2

Admitir que não sabe é mais lucrativo do que fingir.

Quando eu estava na escola, era um preguiçoso. Odiava a aula de educação física tanto quanto quase todas as outras e, por isso, não pensava duas vezes antes de faltar às aulas.

Eu não era asmático, nem tinha nenhuma lesão que inviabilizava a prática. Não tinha nada de errado comigo. Como diria minha avó, era sem-vergonhice mesmo.

É só que era bem melhor passar um tempo com alguém pelos corredores, jogando conversa fora.

No mundo real algumas coisas são bem matemáticas. Eu reprovei.

Em um último suspiro de esperança, decidi falar com a professora, que não era das mais simpáticas. A ideia era perguntar se ela poderia me aprovar se eu prometesse ser mais aplicado no ano seguinte (como pode, né?). Óbvio, ela negou com a maior expressão de desprezo do universo. Eu suspirei o longo suspiro dos desesperados e desiludidos.

Enquanto entrava no carro, mal humorada por ser seguida por um mirrado Luciano adolescente, ela soltou algo que eu nunca esqueci:

“Esse suspiro é pra aprender que você não é diferente de ninguém.”

Doeu.

Muitos anos estão pra trás em relação a essa história. Acredite, ou não, ainda é difícil confessar, mas há um motivo muito claro pra eu ter me guiado a esse final.

Eu era péssimo na educaçao física. Pequeno, magrelo, desajeitado. Óbvio que eu preferia fazer mil outras coisas nas quais era melhor, como jogar conversa fora.

Mais tarde, comecei a cantar em uma banda. Eu era muito ruim, mas basicamente, música foi a primeira coisa que gostava tanto de fazer ao ponto de continuar mesmo mandando muito mal. Mas isso não quer dizer que os comentários não doessem. Eu estava sempre pronto a debater ou a dar alguma desculpa. O som estava ruim, não tivemos ensaio, alguém adoeceu, quebrei a perna… esse tipo de coisa.

Depois, comecei a escrever no Papo de Homem. Tem algo que só publicar online proporciona: o primeiro texto no qual você é rechaçado em praça pública. Não importa quão forte ou inteligente pense ser, você não vence a internet. Você apanha tanto que em algum ponto percebe que é melhor parar de lutar.

Por causa desse tipo de situação há quem desista de vez de escrever.

Há quem siga em frente, como foi o meu caso.

Não foi exatamente fácil ou rápido, mas em algum ponto tive um insight.

Quando queremos conseguir algo, ao invés de tentar criar as condições para que aquilo aconteça, nós começamos a pensar em como podemos convencer a outra pessoa de que somos merecedores de algo que, na verdade, não somos.

Pelo menos comigo esse foi um padrão que se repetiu durante muito tempo.

Depois de repetidas mancadas, precisei abaixar minha bola e aprender a argumentar melhor, escrever textos que já contemplassem desdobramentos e confusões inesperadas. Depois, meus artigos começaram a dar sono, então, tive de descobrir como fazer pra ter um mínimo de mojo. E assim seguimos no processo de aperfeiçoar o ofício.

Musicalmente, eu tinha uma tendência a me esconder. Demorei muito tempo até lançar meu primeiro EP. Demorei a voltar a tocar. Demorei.

Mas eu queria ser um músico. Assim, como não existe pintor sem quadro, eu precisei colocar a mão na massa. Fiz aulas de canto, assisti umas videoaulas na internet, aprendi a mixar minhas próprias canções, comprei equipamento e tudo o mais que envolve a atividade. Agora, o desafio é sentar a bunda e suar a camisa.

O que eu mais vejo hoje é um ambiente no qual é extremamente difícil de se permanecer. Estou generalizando, claro, mas seja na internet ou presencialmente, as pessoas acham que sabem demais de tudo e estão pouco propensas a ouvir, mudar caminhos e de alguma forma realmente aperfeiçoarem aquilo que fazem.

O mais comum é uma defesa cega de pontos de vista que muitas vezes sequer têm algum fundamento. É como se todos estivessem escondendo suas fraquezas e dúvidas com tanta força que mordem ao menor sinal de ameaça.

Só de pensar no trabalho que isso dá já fico esbaforido.

Eu demoro pra criar, preciso pesquisar, encontrar referências, quebrar a cabeça. Frequentemente tenho brancos e vivencio pesadelos com meus fracassos. Suo frio de pensar em me situar fora das minhas pequenas certezas.

Atualmente, partir do princípio de que eu de fato não sei, que preciso estudar e pensar melhor antes de partir pra ação tem tornado tudo bem mais leve.

E, na boa, cansei de fingir que não sou um bosta.

Eu não sou tão bom assim. Eu não sou diferente.

Agora é a hora de trabalhar com o que tenho.

Ouça meu EP De Volta pra Casa

Acabei de lançar um EP chamado De Volta Pra Casa. Se quiser me fazer feliz, não economize nas palmas aqui embaixo mas também ouça minhas músicas, deixe um recado, siga minha página ou no Spotify. Assim eu garanto que você faz o meu dia. :)

* * *

Nota: este texto foi originalmente publicado no meu Medium.


publicado em 22 de Outubro de 2017, 15:16
Avatar01

Luciano Andolini

Cantor, guitarrista, compositor e editor do PapodeHomem nas horas vagas. Você pode ouvir no Spotify. Também escreve no Medium e em seu blog pessoal. Quer ser seu amigo no Facebook e Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura