Como deixar a timidez pra trás | ID#15

Vamos estabelecer diferenças entre ser tímido, introvertido e extrovertido e ver o que podemos fazer a respeito

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

Nota do editor: este artigo é parte da visão que nos motivou a criar o nosso principal evento do ano, o Homens Possíveis. Um evento inteiro dedicado a palestras, vivências, integração e rodas de papo sobre as maiores questões da masculinidade atual. Vai ser 09/12, sábado, em São Paulo. A edição passada foi incrível e esta está ainda melhor, garanta o seu ingresso. Esperamos vocês lá!

* * *

Olá, Fred, tudo bem?

Essa sua coluna no PdH é excelente e pode ajudar bastante as pessoas. Meu caso é complicado e resolvi pedir sua ajuda, pois sou muito tímido e não tenho coragem de enfrentar um psicólogo frente a frente.

Meu problema é a timidez. Desde pequeno tive problemas com essa maldita e já deixei de fazer muitas coisas por causa dela. Não consigo namorar (tenho 20 anos e só fiquei com duas mulheres na minha vida), pois quando vou chegar em uma mulher, tudo trava.

Não consigo chegar em alguém para conversar, fazer novas amizades e bater um papo legal pois tenho receio de ser rejeitado ou ignorado. Nunca apresentei trabalhos escolares por não conseguir falar em público. Tenho medo de tentar para evitar erros. Além do mais, tenho pensamentos negativos com certa frequência.

Existe algum método ou 'treino' para resolver este meu problema? Todos esses problemas me impedem de crescer.

Desde já agradeço. Abraços!

Caro tímido,

Sei bem o que é ficar se debatendo nessa tortura sem fim. Sou um tímido em recuperação, limpo há 12 anos. Falo dessa forma pois sinto a insistência desse vício mental em retornar, dependendo do ambiente.

Vivemos numa época que parece condenar aqueles vistos como parados ou pouco sociáveis [ver Eu preciso sair da rotina| ID #14] .

Para começar, vamos quebrar alguns mitos.

Você pode ser uma pessoa tranquila, de hábitos low profile e não ser nada tímido. Sociabilidade significa estabelecer relacionamentos saudáveis, usando critérios pessoais. Não é falar com todos e ter toneladas de amigos.

Timidez não é introversão

Existe uma confusão clássica entre os conceitos de introspecção, extroversão e timidez.

O predominantemente introvertido prioriza o mundo das sensações, sentimentos e pensamentos que se passam em sua mente. Quando reconhece estímulos externos que aprecie, interage com tranquilidade, ainda que prefira ficar mais calado e reservado. Escolhe passar mais tempo consigo mesmo por opção e não por medo das pessoas.

O predominantemente extrovertido adora observar a realidade concreta, palpável, experimental e que atinge seus cinco sentidos. O introvertido teria a sensibilidade necessária para compor uma música, já o extrovertido teria mais facilidade para dançar essa música. A apreensão rítmica e coordenação motora são habilidades próprias do extrovertido. A diferença reside entre serem modo de operação mental distintos, um centrado no mundo externo e o outro no interno.

Já o  tímido tem medo da desaprovação social e da rejeição. Se vê aprisionado num jogo de forças internas que o impedem de interagir e se expressar com naturalidade, em especial nas situações nas quais não tenha controle.

Eu sou um introvertido não tímido, entendeu a diferença?

Uma pessoa poderia também ser extrovertida, tímida e comunicativa. Ou seja, teria sua atenção focada no mundo externo, teria grande medo de rejeição e mesmo assim se comunicaria bastante – provavelmente de maneira ansiosa e sem qualidade.

Projeção de perfeição

Como já disse em outro texto [ver Travo quando vejo gente melhor do que eu | ID #13], costumamos travar ao nos vermos em situações que ameacem nosso ego e as expectativas que temos de nós mesmos.

O tímido carrega um general interno que o impede de agir, falar e arriscar, sob pena de ser punido por dose maciça de culpa e vergonha [ver Os mecanismos da culpa e vergonha | ID #8]. Se debate com uma imagem interna de perfeição, que só passa na alfandega mental se tiver com todos os requisitos em ordem.

É comum o tímido afirmar que fica observando, estudando o ambiente antes de se abrir. Em resumo, ele fica julgando as circunstâncias e pessoas e vendo se elas são ameaçadoras ou confiáveis. Esse é um crivo perigoso, pois por trás dessa aparente fragilidade existe um controlador, julgando as pessoas o tempo todo, por diferentes motivos. "Esse parece meio maluco, não vou falar" e "essa deve ser brava, nem vou arriscar" ou ainda "essa garota é muito linda, vai me tratar como um lixo".

Note a quantidade de julgamentos que podem ou não ser coerentes com a realidade? Para o tímido seus julgamentos justificam e solidificam a 'sua' percepção de realidade. E decide por seguir calado.

Na bolha de realidade onde habita a timidez, as pessoas são intimidadoras. Mas note que essa hostilidade percebida pode ser apenas uma projeção de seus medos. Repare nessa sua frase: "vou chegar em uma mulher, tudo trava". Quem trava? Sua mente que anseia aprovação incondicional trava sua habilidade de se comunicar.

A vergonha é a constatação imaginária de ter contrariado expectativas sociais como alguém que perde a honra/amor/consideração diante de um grupo. É a falta de garantia que trava você.

A timidez não é um traço de personalidade

"Já deixei de fazer muitas coisas por causa dela."

Cuidado com essa afirmação. A timidez não é um traço de personalidade mas uma disfunção da sua fluência emocional, quase como uma obsessividade por perfeição associada com negatividade. Lembra do que afirmou? "Tenho pensamentos negativos com certa frequência".

Não assuma a timidez como um traço inevitável de sua vida, ela é só um jogo de forças que se reforçam pela sua escolha diária. E como todo hábito, pode ser reajustada. Basta treinar sensações de quebra, falha, perda e imprevisibilidades.

Já ouvi de muitos tímidos uma frase reveladora: "fico com medo do que vão pensar de mim, não gosto que fiquem me olhando", ou seja, o centro da argumentação é:

"Claro que vão olhar para mim e pensar algo sobre isso."

"Claro que vão olhar para mim e pensar algo sobre isso."

Será que somos tão importantes a ponto de nossas opiniões ou gestos serem de suma importância?

Choque de realidade: você não é o centro das atenções, meu amigo.

Você não é uma autoridade suprema incorrigível e tem total direito de falar bobagens, se mexer estranhamente ou perder o compasso do assunto. Ninguém vai deixar de ser amado por conta disso. O desejo secreto de ser querido e reconhecido, no entanto, pode fazer com que se superestime e... trave.

Agora vamos seguir observando algumas falas marcantes da pergunta desse artigo:

"Não sou arrogante, sou tímido"

Ouço os tímidos dizerem que são taxados de arrogantes, antipáticos, antissociais e solitários. Para os olhos dos outros é isso que aparenta, quem vai dizer o contrário? O tímido não olha nos olhos, mal fala com os outros quando evocado e foge de trocar impressões e revelar a si mesmo aos todos. As relações com o tímido são sempre unilaterais, os outros dão e ele só observa fechado no seu medo e hipersensibilidade.

Se impõe mil barreiras para que as pessoas conheçam você a única conclusão óbvia é que não quer ser conhecido de fato.

O arrogante não é aquele que pouco se importa com a opinião dos outros? Você tem deixado as pessoas gostarem de você e ouvir o que elas realmente tem a dizer sobre sua vida? Ou prefere ficar fechado nesse casulo de autopiedade e falta de valor?

"Quando me sinto à vontade, me solto"

Se ponha no lugar dos outros, que trabalham para conquistar sua confiança! Parece uma escalada que o o tímido impõe para selecionar os demais. Quem merece sobe no ranking, quem não merece cai. Pra quê?

Perceba um detalhe simples, os outros não podem se responsabilizar por tornar o ambiente mais confortável para você. Deixe de esperar figuras maternais e afáveis a todo momento cercando seus passos.

"Algum método ou 'treino' para resolver este meu problema?"

Experimentação e concretude para sair da sua caixola e interagir com a realidade. Encontre pequenas ilhas de segurança e teste a sociabilização, fale mais que o habitual, ouse novos caminhos, gestos, ações e palavras já nos ambientes controlados. Aprenda a lidar com rejeições banais como ligações telefônicas ou recusas em redes sociais. Depois, se quiser, progrida e saia numa balada, teste tomadas de foras, até criar uma casca emocional contra negativas inofensivas – sim, são inofensivas.

Cumprimente mais as pessoas, mesmo aquelas que não são tão íntimas e olhe no olho das pessoas quando fala, mesmo que seja torturante. Sorria mais vezes, pois nem deve reparar que sua cara costuma ser sisuda e fechada. Se quiser passe ridículo, tropece de propósito e note que isso não desfigura sua personalidade, aliás nada pode desfigurar seu valor pessoal se você não der permissão a isso.

Ah, e psicólogos não mordem, procure um caso queira aprofundar essa conversa.

* * *

Quer se aprofundar na visão presente neste artigo?

Este artigo é parte da visão que nos motivou a criar o nosso principal evento do ano, o Homens Possíveis

Teremos a presença de homens com grandes trajetórias compartilhando suas visões sobre masculinidade e como podemos nos aprimorar em nossas jornadas.

Homens Possíveis é um evento inteiro dedicado a palestras, vivências, integração e rodas de papo sobre as maiores questões da masculinidade atual. Vai ser 09/12, sábado, em São Paulo. A edição passada foi incrível e esta está ainda melhor, garanta o seu ingresso. Esperamos vocês lá!


publicado em 05 de Junho de 2013, 12:33
File

Frederico Mattos

Sonhador, psicólogo provocador, autor dos livros "Relacionamento para Leigos" e "Como se libertar do ex". Adora contar e ouvir histórias de vida. Nas demais horas cultiva a felicidade, lava pratos, oferece treinamentos online em A Mente Humana e escreve no blog Sobre a vida.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: