Como se tornar o centro da festa, só que ao contrário

Muitos de nós compartilhamos esse desejo de dominar a roda de conversas, de ter as luzes em cima de nós. Mas às vezes, querer se tornar o centro das atenções pode ser um grande tiro no pé. É facílimo cair numa série de erros que caracterizam os grandes “malas” da humanidade. Basta fazer um pequeno esforço e se lembrar da última vez que você foi a uma festa em que alguém chegou e começou a tagarelar sem parar, inviabilizando qualquer possibilidade de socialização saudável com os outros integrantes do grupo.

Gente que gosta de chamar a atenção pode se tornar um grande pé no saco. Eu sei disso, você sabe disso. Talvez até já tenhamos nos tornado durante uma noite ou duas este desagradável ser humano que aluga os ouvidos alheios. Eu já. Você não?

Então, em vez de nos esforçarmos para ter a atenção – uma atitude típica de garotos mimados e inseguros –, por que não nos focarmos apenas em evitar algumas ações nocivas que facilmente nos tornariam malas sem-noção?

Abaixo vão alguns exageros que nos tornam o centro da festa, mas de um jeito que nós não gostaríamos de ser.

Link YouTube | Posso não ajudar a ser como Marty McFly, mas posso ajudar a não ser o pai dele

1. Queira ser o centro da festa

Vamos lidar com a verdade: a festa não tem um centro propriamente dito. Todos que estão ali vivenciam a festa a partir de um centro próprio. Mas é inegável que volta e meia alguém acaba conseguindo mais atenção. É até natural, afinal, todos temos habilidades e aptidões que facilitam ou não este efeito.

De qualquer forma, algo comum aos homens “centro de festa” é a ausência de preocupação em ser o centro da festa. O contrário, quando acontece, não gera o magnetismo natural que resulta na atenção voluntária das pessoas. Ao invés disso, acaba despertando uma espécie de aversão que é facilmente sentida pelas pobres vítimas, em função da arrogância ali manifestada.

2. Fale demais sobre o que não conhece

Numa festa, conversar é desejável. Na realidade, socializar das maneiras mais diversas é o próprio fundamento desta ocasião. Estamos ali para bater papo, dançar, beber, dar risada e falar besteira. No entanto, sempre que aparece algum pseudoespecialista, as pessoas têm a ânsia de vomitar ou sair correndo para as colinas. Não seja você essa pessoa.

É muito melhor discutir abertamente, perguntar com curiosidade ou falar sobre suas verdadeiras paixões. Sabemos o quanto é bonito ver uma pessoa falando sobre aquilo que ama fazer.

3. Feche-se e faça bico de "mamãe, quero ir embora"

Dentre as coisas mais feias que eu já vi um homem fazer está o bico de "mamãe, quero ir embora". Em geral, acontece com aqueles que estão fora do seu círculo social habitual, especialmente em ocasiões onde a namorada do indivíduo em questão o convida para conhecer os amigos dela.

Esta pessoa acaba se fechando, senta-se numa postura que inviabiliza qualquer papo – em geral, distante do grupo –, como quem grita "ei, gente, não estou me divertindo". O que, obviamente, é de uma agressividade sem tamanho. Ao mesmo tempo, faz bico e, quando solicitado na roda, simplesmente sorri azedo e diz que está tudo bem, quando é claro que não está.

Eventualmente, esta pessoa se torna o centro da festa, mas daquela forma que nós não gostaríamos de ser.

Quanto mais amarrada for a cara do sujeito, menos chances haverá de ele ser arremessado ao alto

4. Saia como um animal faminto indo à caça

Um clássico. Sair de casa sem foco, totalmente desesperado, tentando pegar alguém, enchendo a cara e perdendo a noção do que está fazendo. Em seguida, a ressaca moral e ser o assunto da semana.

Este é um erro tão perigoso quanto comum. Nós já vimos acontecer conosco e com os nossos amigos. E, mesmo assim, de vez em quando ainda caímos nessa zona lamacenta.

Assim como as mulheres sentem o cheiro de carência quando um homem se aproxima com este tipo de postura, outras pessoas também percebem quando estamos desesperadamente pedindo por atenção, diversão ou sexo. Não é bonito.

Com certeza, é algo a se evitar. Seja frugal ao se aproximar das pessoas e manifestar seus desejos. Melhor ainda se você puder ser aquele bom amigo que oferece algo, seja uma garrafa de cerveja ou uma música no violão.

Mas eu realmente quero ser o centro da festa. O que eu faço?

Ninguém é o centro de tudo. Só podemos ser o centro daqueles que se identificam conosco. Por isso, perder tempo com essas pretensões pode ser uma excelente maneira de estragar a sua festa e a dos outros também. Eventualmente vamos ser malas sem-noção ou heróis da noite. Tudo depende de diversos fatores mais ou menos aleatórios e alheios ao nosso controle.

Diante disso, o melhor que podemos fazer é sermos menos arrogantes e pretensiosos e tornarmos a nossa companhia a mais agradável possível. Na opinião de vocês, que posturas podem ser consideradas obstáculos para uma socialização mais efetiva e menos nociva?

Mecenas: 212 VIP MEN

212 VIP MEN é a nova fragrância masculina que representa todo o estilo e atitude de um genuíno VIP. Aquele que faz uma noite ser o que ela é.

Inspiradas pelo cheiro e atitude das festas mais exclusivas, as fragâncias do novo 212 VIP MEN formam um explosivo coquetel de vodca com frozen de menta, caviar de lima e especiarias vibrantes, como a King wood – conhecida no Brasil como madeira de Jacarandá, que dá um toque de ouro tropical, um aroma bem vibrante para a noite.

Não basta ir à festa. Seja a festa.

Link YouTube |


publicado em 20 de Dezembro de 2011, 06:08
Avatar01

Luciano Andolini

Cantor, guitarrista, compositor e editor do PapodeHomem nas horas vagas. Você pode ouvir no Spotify. Também escreve no Medium e em seu blog pessoal. Quer ser seu amigo no Facebook e Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura