Cosmopolitas? Não, ainda somos bairristas.

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Vivara130x50 jpg
  • Selo dorel jpg

Um dos discursos mais comuns sobre a Internet envolve se empolgar com o acesso ao conhecimento, citando o Projeto Gutenberg ("Você pode ler mais de 30.000 livros!"), e com as redes sociais, afirmando de peito cheio que é possível falar com qualquer pessoa em qualquer lugar do mundo.

Mas será que usamos a rede internacional de modo internacional? Ou estamos usando um avião para ir de um bairro a outro?

Para evitar a desculpa da barreira linguística, preciso a pergunta: quantos papos com pessoas de Portugal você teve na última semana?

"Cara, ela mandou umas dez fotos assim, peladona. Agora preciso ir pra Portugal!"

Ethan Zuckerman e o "Cala boca Galvão" no TED

Ethan Zuckerman, pesquisador sênior da Berkman Center for Internet and Society (Harvard University), usou a pegadinha "Cala boca Galvão" para mostrar que ela só foi possível pela completo desconhecimento americano da cultura brasileira. É esse o argumento de partida de uma palestra excelente.

"Se você é um geek branco americano, você tende a interagir com outros geeks brancos americanos."
"Vemos as pessoas que já conhecemos e as pessoas parecidas com as que já conhecemos. E tendemos a não ver o quadro mais amplo."

De fato, o seu mundo é feito com tudo aquilo com o qual você interage. Se você não interage com islandeses, você praticamente vive em um mundo sem islandeses. É como se você estivesse num bar cheio de ruivas e você nunca sequer as visse! Isso acontece se entendermos o bar como sendo a Internet e também como sendo o mundo.

Zuckerman fala em bolhas de filtragem para mostrar como o tamanho do nosso mundo pode ser estreitado ao ponto de apenas nos relacionarmos com gente parecida, que fala, pensa, age e vive mais ou menos do mesmo jeito que nós. Um soco direto na nossa ferida – basta listar as pessoas com quem você fala no Twitter ou com quem troca email.

A palestra avança muito mais. Deixo o vídeo com vocês para seguirmos o papo nos comentários. Tem legenda em português, basta selecionar no player do TED.

Link TED

“Não é suficiente a gente tomar a decisão pessoal de querer um mundo mais conectado, amplo, vasto. É preciso repensar os sistemas que temos. É preciso corrigir nossa mídia, a Internet, a educação, nossas políticas de imigração… temos que procurar jeitos de ampliar a capacidade de descobrirmos coisas ao acaso, expandir as traduções entre as línguas do mundo, acolher e celebrar as figuras que fazem as pontes e as conexões, e descobrir como cultivar a xenofilia. É isso que estou tentando fazer e preciso de sua ajuda”
–Ethan Zuckerman

TEDxAmazônia

Este é o primeiro post em nosso canal especial de apoio ao TEDxAmazônia, que será realizado nos dias 6 e 7 de novembro num auditório flutuante no Rio Negro. Serão cerca de 45 palestras sobre o tema "Qualidade de vida para todas as espécies do planeta". O público foi selecionado e participará de graça. As inscrições estão encerradas, mas avisamos várias vezes pelo Twitter.

Uma parte da equipe PdH estará lá. Seguiremos escrevendo sobre o TEDxAmazônia e sobre ideias que merecem ser compartilhadas. Abraços!


publicado em 11 de Outubro de 2010, 05:00
Gustavo gitti julho 2015 200

Gustavo Gitti

Professor de TaKeTiNa, colunista da revista Vida Simples, autor do antigo Não2Não1 e coordenador do lugar. Interessado na transformação pelo ritmo e pelo silêncio. No Twitter, no Instagram e no Facebook. Seu site: www.gustavogitti.com


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: