Como se transforma a paternidade no Brasil? Faltam apenas 5 dias para o PAI: Os desafios da paternidade atual.
Compre já o seu ingresso!

e se não te incluírem no movimento?

quando você quer ajudar e não aceitam. o que fazer?

uma queixa que escuto bastante: pessoas brancas reclamando que não foram aceitas no movimento negro; homens reclamando que não foram aceitos no feminismo, etc etc.

essas pessoas dizem querer ajudar, se sentem excluídas, não sabem o que fazer, pedem minha opinião.

meu único conselho para pessoas privilegiadas que querem ajudar pessoas menos privilegiadas é:

SAIA DE SI E ESCUTE.

se o movimento não te aceita, converse com as pessoas do movimento e pergunte porque.

reconheça que elas não têm nenhuma obrigação nem de te aceitar, e nem mesmo de te explicar porque não estão te aceitando.

se não quiserem explicar, agradeça.

se explicarem, agradeça mais ainda.

então, quando responderem...  OUÇA!

se você é uma pessoa branca, ouça as negras.

se é hetero, ouça as gays.

se é homem, ouça as mulheres.

se é cis, ouça as trans.

não se defenda. não rebata. não responda.

não pense que é pessoal com você.

só ouça.

e respeite a decisão delas.

* * *

outras leituras

escrevo sobre privilégio há muitos anos. para quem quiser saber mais, recomendo principalmente a prisão privilégio. e também o meu livro outrofobia: textos militantes.

Legenda

os próximos encontros "as prisões" serão realizados na cidade de são paulo (25 de setembro) e em curitiba (2 de outubro). no encontro, são realizadas, entre outras atividades, a caminhada do privilégio. para mais detalhes, veja aqui

caminhada do privilégio, um vídeo.

* * *

assine a newsletter do alex castro

assine a newsletter do alex castro


publicado em 05 de Setembro de 2016, 18:26
File

Alex Castro

alex castro é. por enquanto. em breve, nem isso. // esse é um texto de ficção. // veja minha vídeo-biografia, me siga no facebook, assine minha newsletter.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura