Mundo chato, suicídio e filmes que influenciam| Mais lidos de setembro

Aquele mês com um gostinho de remember.

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

A gente sabe que vocês gostam de falar de coisa boa; no mês de setembro não foi diferente. Muitos dos textos mais lidos tratavam de sexo, e entre os melhores jogos de SNES, riscos do sexo anal e perguntas para duas pessoas estranhas se apaixonarem, deu pra perceber que rolou um remember com vários acessos a conteúdos antigos.

Além disso, a participação é cada vez mais ativa e a gente fica muito feliz com isso. As vezes a vontade é de sentarmos com vocês na mesa de bar pra esquecer da hora e pirar nos assuntos do universo.

Enquanto esse dia não chega, vamos dar uma olhada em quais seriam os temas mais jogados nessa mesa? 

 

1. "11 coisas da pornografia que podem atrapalhar o sexo real", por Bella Prudencio (74.085)

2. "84 filmes que influenciaram a equipe do PapodeHomem", por Breno França (22.237)

3. "Eu nunca tive um objetivo sequer na vida", por Jason Fried (20.512)

4. "O mundo está muito chato para quem ainda não pulou para o século 21", por Ismael dos Anjos (20.092)

5. "5 coisas que eu gostaria de dizer às pessoas que pensam em suicídio", por Alex Castro (15.966)

6. "Queremos ouvir o que você tem a dizer sobre sua vida sexual", por Luciano Andolini (14.301)

7. "Estou saindo do Papo de Homem (e estamos buscando um novo diretor financeiro)", por Eduardo Amuri (13.399)

8. "É melhor ser gentil do que ter razão", por Breno França (12.622)

9. "Sobre coisas que você jurou nunca fazer", por Carol Rocha (11.982)

10. "Tudo que você precisa saber sobre votos brancos e nulos", por Bruno Blume (11.551)

 


publicado em 05 de Outubro de 2016, 11:30
Foto jpg

Carol Rocha

Leonina não praticante. Produziu a série Nossa História Invisível , é uma das idealizadoras do Papo de Mulher, coleciona memes no Facebook e horas perdidas no Instagram. Faz parte da equipe de conteúdo do Papo de Homem, odeia azeitona e adora lugares com sinuca (mesmo sem saber jogar).


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: