Nosso documentário "O silêncio dos homens" bateu 1 milhão de espectadores! Se torne um membro da Jornada PdH e apoie nossas atividades para chegarmos em cada vez mais pessoas. A cada R$10 de apoio, impactamos 500 pessoas.

Músicas para elevar nossa imunidade à indiferença

Músicas lançadas durante a pandemia fortalecem o sentimento de conexão entre pessoas do mundo inteiro

Quantas vezes a música esteve presente na sua rotina de isolamento social nessa pandemia? A  música pode exercer uma grande influência sobre nosso estado de espírito. Algumas nos deixam mais tristes, outras, mais alegres. Seja como for, a música nos humaniza.

Eu particularmente não conheço nenhuma religião ou cultura no mundo sem música. Através dela nos conectamos com outros seres humanos ou com os Deuses. 

Há registros antropológicos que sugerem que os primeiros artefatos criados pelo homem foram instrumentos musicais feitos com ossos de animais. Incrível pensar que nossos antepassados primatas, antes mesmo de criarem armas para se alimentar ou para conquistar territórios, criaram instrumentos musicais!!! 

Mais do que isso, em muitas culturas indígenas - povos que estão vulneráveis ao coronavírus - como das etnias ayahuasqueiras, a música é um remédio. Usada em rituais de cura, através de cantos ancestrais, desperta a força das plantas medicinais em conjunto aos seres divinos da floresta:

 

A Música e a Pandemia

De OneRepublic a Central Única das Favelas - CUFA, preparei uma seleção de músicas lançadas em meio à pandemia para fortalecer nossa união e até nossa imunidade: tanto fisiológica, quanto emocional. Como diz a sabedoria popular: “quem canta os males espanta”! 

Nessa lista trouxe ritmos diversos. Do samba ao Rock, são mais que trilhas sonoras, também são registros audiovisuais criados e destinados a refletir este tempo de pandemia. Entre cenas de cidades desertas, gestos de solidariedade e atos de bravura dos profissionais da saúde, podemos sentir que estamos, apesar dos diferentes contexto, todos juntos vivendo o mesmo problema de diferentes formas. 

1. CUFA - O Mundo Parou! (24 de mar. de 2020)

Número de pessoas curadas em todo mundo até esta data: 108.897

2. Cristóvam - Andrà Tutto Bene (25 de mar. de 2020)

3. Milton Nascimento e Criolo - Não Existe Amor em SP (25 de mar. de 2020)

Número de pessoas curadas em todo mundo até esta data: 114.248

4. OneRepublic - Better Days (13 de abr. de 2020)

Número de pessoas curadas em todo mundo até esta data: 444.711

5. James Blunt - The Greatest (17 de abr. de 2020)

Número de pessoas curadas em todo mundo até esta data: 547.721

6. The Rolling Stones - Living In A Ghost Town (23 de abr. de 2020)

Número de pessoas curadas em todo mundo até esta data: 751.891

7. Avril Lavigne - We Are Warriors (30 de abr. de 2020)

Número de pessoas curadas em todo mundo até esta data: 1.047.997

8. Kodaline - Saving Grace (4 de mai. de 2020)

Número de pessoas curadas em todo mundo até esta data: 1.205.275

9. Residente - Antes Que el Mundo Se Acabe (14 de mai. de 2020)

Número de pessoas curadas em todo mundo até esta data: 1.702.394

*Dados do Worldometers

Com a licença poética de Lenine, 'somos precários, provisórios e perecíveis', mas ainda estamos vivos.

O vírus, que não é nem sequer um ser vivo, conseguiu nos tornar mais cientes de nossa humanidade. Diante da tragédia humanitária causada pela COVID19 compartilhamos dores, angústias, tristezas, ansiedade, medos, incertezas, expectativas e inspirações.

Nesse momento, mais do que nunca, é importante estarmos protegidos, tentando o máximo possível manter o isolamento ou distanciamento social, junto com as medidas de higiene e prevenção. Mas estar distanciado, sem toques, sem abraços, não significa estarmos solitários ou indiferentes.

Podemos nos conectar  também pela música.

Lenine - Vivo

 

Não tenho dúvida que sairemos mais resistentes e também mais ternos dessa pandemia. Estas músicas, são ao mesmo tempo um grito de socorro e um canto de cura. Hinos ao amor e odes à esperança.

Espero que todos possam se permitir parar um instante para escutar o silêncio das cidades vazias, para descobrirmos que na verdade, em cada casa, lar ou abrigo, há choros, suspiros, gemidos e sorrisos, que sempre estiveram ali, mas nunca conseguiam ser ouvidos. São notas musicais anônimas, mas que formam uma verdadeira orquestra da humanidade. 

Em uma dessas casas, os Rolling Stones, que apesar serem ícones, são uma banda composta por roqueiros idosos. Vulneráveis à COVID19, encontraram inspiração para enfrentar este momento cantando, compondo, dançando, tocando suas guitarras e baterias.

Entre tantos sons é possível também ouvir Criolo cantando junto com Milton Nascimento; duas gerações da música brasileira, se unindo para ressignificar a canção “Não Existe Amor em SP”. Enquanto isso, em Porto Rico, em alguma casa próxima da Calle 13, o cantor René Pérez reúne beijos apaixonados em todos os cantos do mundo de diversos tipos de casais. 

O que todas essas músicas têm em comum? O amor! O amor ao que se faz, o amor à música, o amor ao próximo. O amor pode elevar nossa imunidade mais do que qualquer outra cura milagrosa. Como afirma o cantor açoriano Cristóvam em várias línguas para que tenhamos certeza: “vai ficar tudo bem”! 

Espero que muitas músicas novas surjam depois da publicação dessa lista; se souberem de alguma, compartilhem nos comentários!


publicado em 27 de Maio de 2020, 10:50
Avatarlucasprado jpg

Lucas Prado

Lucas Prado, 35 anos, manaueiro (nascido em Minas Gerais com raízes em Manaus), servidor público, entusiasta de inovação, cinéfilo, colecionador, escritor e poeta, autor do livro "Ninho".


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura