Neymar x Beats (o fone de U$200 você ainda vai querer comprar, acho)

Aquele fone de ouvido com um B, presente na orelha de quase todo atleta de ponta esses dias, simboliza a Beats. Criada pelo milionário rapper Dr. Dre, foi adquirida pela Apple há pouco, por U$3.000.000.000 .

A Beats é um fenômeno cultural em rápida ascensão. Sempre nos holofotes com seus fones de luxo, seja no esporte, na música ou no cinema. E objetos de desejo com gordas margens de lucro, em especial aqueles ligados aos jovens e entretenimento, são a cara da Apple. Não à toa ela fez a maior aquisição de sua história. A anterior havia sido a compra da NeXT, por U$400 milhões em 1996, num movimento que simbolizou a volta de Jobs à empresa.

Se você ainda não a conhecia, o comercial (daqueles acachapantes) lançado por eles hoje logo faria as honras:

Link YouTube 

Benjamin Arnold, analista da indústria de consumo, explica:

O que está realmente alavancando os fones premium não é apenas o crescimento de smartphones e tablets, mas serviços de música e vídeo como Netflix e Spotify, que fazem as pessoas buscarem por melhores aparelhos para escutar. Se trata de um consumo sério, ao invés dos clipes de 30 segundos do YouTube.

Ao que parece, os fones são fabricados por valores tão baixos quanto quatorze dólares e vendidos por duzentos. Já que não dá pra ser Neymar, vamos torrar nossos caraminguás nessas belezinhas superfaturadas e consumir a Copa de maneira "séria". A cultura do entretenimento em seu ápice.

Se estiver com seu fone premium na cabeça, aproveite a viagem:

* * *

Nota dos editores: esse é um post despretensioso, um formato rápido com o qual pretendemos experimentar para compartilhar com vocês ideias e recomendações que valem sua atenção.


publicado em 05 de Junho de 2014, 17:35
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura