Surfar ondas grandes é conviver com o impossível

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

Mark Visser é um surfista de ondas grandes. Esse cara não participa de campeonatos, não fica preocupado com colocações, rankings, circuitos ou medalhas. A vida dele é conviver com o impossível.

Surfar ondas grandes é um pouco, digo, bastante diferente do surf convencional. Para o feito, além de uma vasta experiência no esporte, o surfista é rebocado (de barco, lancha ou jet ski) até ondas gigantescas com, no mínimo, 20 pés (o que corresponde a 6,2 m). Para conseguir pegar uma dessas ondas, os surfistas utilizam pranchas chamadas "guns" ou "chasers rhino" (respectivamente traduzidas como "armas" e "caçadora de rinoceronte").

A paisagem também muda. Não é toda praia que tem ondas para surfar. Menor fica o número de praias com boas ondas para surfar. Fica então bem restrito os locais onde se podem encontrar ótimas ondas gigantes. Esses lugares são, em sua maioria, envolto em segredos e defendidos para permanecerem o mais inóspito possível. Coisa de surfista.

Para se ter ideia, Visser foi gravado caindo de uma onda de 30 pés (aproximadamente 9 m) em algum local no sul da Tasmânia, cujo nome segue mantido em segredo pelos surfistas locais.

Link Vimeo | Para cair em um turbilhão de água dessa magnitude, precisa ter músculos e pulmões em dia

Outro local com muitas histórias fica em Maui, no Havaí. Lá, há uma "ruptura" em um recife que proporciona o chamado Surf Break, uma quebra permanente que, em poucas palavras, modifica e potencializa a onda. Em Maui, no Havaí, esse recife cria ondas que são carinhosamente chamadas de Jaws (tubarões), devido ao tamanho assustador e ferocidade das ondas.

Chegar em Jaws já é considerada uma aventura a ser vencida. Desde 2006, o caminho para essas ondas apresenta diversas "armadilhas" para dificultar ao máximo a chegada de grande número de pessoas, justamente para desencorajar pessoas menos experientes a tentar encarar um desafio tão difícil. Na trilha que leva a Jaws, pode-se encontrar dezenas de veículos abandonados, que foram carbonizados e deixados como obstáculos. É bastante comum também encontrar "dentes de dragão" que impedem a passagem. Tudo para que só cheguem as pessoas certas para surfar as muralhas de água.

Segundo o próprio Mark, sua intenção no surf é fazer coisas que nunca foram realizadas antes. Em janeiro desse ano, ele surfou em Jaws. À noite.

Nesse dia, digo, nessa noite, as ondas chegaram a 12 pés metros de altura e, para realizar toda a tarefa, Visser utilizou roupas e prancha com leds.

Link YouTube | 12 metros. No escuro

Esse foi o primeiro feito da série chama 9 Lives. A próxima aventura foi chamada de Operação Deep Blue: surfar ondas com o dobro do tamanho das Jaws, no meio do meio do meio do oceano. Pra se ter ideia, essas ondas podem afundar um navio transatlântico.

O que temos, até o momento, é um pequeno teaser trailer de como a façanha foi conduzida. E claro que não vale nem eu tentar explicar. É melhor mesmo dar uma olhada no último vídeo:

Link Vimeo | Em busca da onda perfeita

Agora é torcer para que o australiano maroto tenha mesmo nove vidas pra gastar.


publicado em 12 de Setembro de 2011, 10:13
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: