Descer a 80 km/h... em uma bicicletinha

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Asm selo png
  • 130x50 jpg

Eu era um dos fâs do programa Jackass, que passava na MTV lá no comecinho dos anos 2000, quando o nu metal era o som do momento e as boy bands ainda comandavam os programas de top 10.

Mas daí que, o que eu gostava mesmo no programa não eram os concursos de vômito, as empreitadas com coquetel de cocô ou as bizarras brincadeiras envolvendo insetos, perfurações ou carrinhos de brinquedos no ânus.

Eu gostava mesmo daquelas palhaçadas que aqueles marmanjos faziam como se fossem crianças de 12 anos. Aquelas coisas são divertidas e bem estúpidas ao mesmo tempo e que, quando já se está mais velho, não se tem mais tanta coragem pra fazer. Imagina o seguinte, meu amigo: em uma época em que YouTube era sonho, que o que salvava a pele da galera era o falecido Kazaa que, pra se baixar um episódio de Jackass, demorava mais ou menos mais de dias, pegar um bando de barbado descendo gramado em cima de gelo, pulando com bicicletas de cima do telhado pra copa de uma árvore, descendo morro dentro de pneus gigantes, etc. Era uma farra só. Eu alucinava com aquela pouca noção e excesso de diversão.

E aí que, em tempos carentes de Jackass, me caiu na mão esse vídeo:

Link YouTube | Se liga só na sola do tênis depois de dar esse rolê

O esquema é bem simples. Descer a ladeira sinuosa da chamada "Montanha Empoeirada" em tricículos cor-de-rosa e azul-bebê a uma velocidade que chega a 80 km/h. Sem freios, claro. Para diminuir a velocidade, utiliza-se o bom e velho par de tênis que gasta a sola no asfalto. Tudo feito com a mais pura inocência (leia-se imbecilidade) infantil.

Me lembra das épocas que passava Jackass na MTV, época em que eu achava o máximo entrar em carrinhos de supermercado e ser arremessado contra uma mureta.


publicado em 25 de Setembro de 2011, 07:10
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: