"Ficou chato pra mim": O Pequeno Hércules cresceu e não levanta mais pesos

Ele ficou conhecido por ser o garoto mais forte e definido do mundo, mas hoje, aos 23, se cansou dos treinos

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

Richard Sandrak ficou conhecido na Internet como "o Pequeno Hércules", pelos seus feitos com a ajuda do pai, que o treinava desde os dois anos com profissionais de fisiculturismo e artes marciais como o Taekwondo. 

Bem, no começo do ano saiu uma entrevista com ele, hoje, aos 24 anos e trabalhando como dublê na Universal Studios, em Orlando, nos Estados Unidos. Houve o espanto e o alívio de vê-lo saudável e não mais forte como quando garoto, mas um rapaz comum, de barba e coque na cabeça, braços finos, serenidade na fala.

Quando tinha oito anos, ele chegava a levantar 95 kg e fazia 600 flexões e abdominais a mando do pai. 

Hoje, suas prioridades são só outras:

"Eu não levanto peso mais. Isso se tornou muito chato para mim".

"Eu queria ser cientista. Mais especificamente, talvez, um engenheiro da NASA". 

E, quando perguntado se ele achava que essa ideia poderia se tornar realidade, ele disse:

"Claro. Eu não vejo razão alguma para que não se torne".

Hoje, até a pedido da própria profissão, ele se exercita andando de skate, fazendo corridas em escadas e algumas repetições de barra.

O interessante aqui é ver, o que poderia se tornar uma tragédia pessoal ou, numa ideia mais maluca, um "talento desperdiçado", virando apenas "passado", "algo que ficou chato".

Muito dessa história envolve questões masculinas como a busca por um corpo forte, a figura do pai e seguir seus conselhos ou seus passos, a questão da desistência, da alteração de um curso que tinha tudo para ser "promissor", a escolha por um ritmo mais lento, o afastamento.

E tudo bem.

Mesmo.

Link YouTube


publicado em 27 de Junho de 2017, 00:00
Logo pdh png

Redação PdH

Mantemos nosso radar ligado para trazer a você notícias, conversas e ponderações que valham o seu tempo. Para mergulhar na toca do coelho e conhecer a visão editorial do PdH, venha por aqui.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: