Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

O que Scorsese fazia quando ainda estava na faculdade | Curta PdH #10

Dois curtas para você saber se o talento dele veio de berço ou não.

É isso mesmo, mais auto explicativo que o título, impossível.

Scorsese talvez seja o mais relevante diretor vivo dos Estados Unidos. Dirigiu filmes que não só foram sucesso de bilheteria e de crítica como conseguem, muitas vezes, captar o espírito de nosso tempo, trazer questões importantes à tona. O tal do Zeitgeist.

Nos idos de 67, ele fez esse filme chamado The Big Shave:

Link do Youtube

Que, numa primeira olhada, pode parecer o mais banal possível, não fosse a cartela vermelha, ao final, escrito VIET 67. Há o contexto da guerra do Vietnã, da idade do ator, da trilha, e tudo isso mistura na cabeça com um sentido todo novo (Ou não?).

O outro dele, anterior, menos experimental e mais narrativo, é um documentário, feito em 63, chamado It’s Not Just You, Murray, falado em inglês, com legendas automáticas do youtube:

Link do Youtube

O filme é um falso documentário sobre um gangster, figura presente nos filmes dele ao longo da vida. É engraçado ver o que de universo e estilo já estavam presentes desde aquela época, e que continuam atuais e frescos.

Outra coisa interessante é o fascínio dele por personagem, que aos poucos é seduzido por algum tipo de poder, e que perde sua humanidade por isso. Filmes como Touro Indomável, Taxi Driver, O Rei Da Comédia, Os Bons Companheiros e O Lobo de Wall Street são grandes e falam, de alguma maneira, sobre isso tudo.

Bom filme!

***

Curta PdH é um espaço sobre filmes de curta duração e grande relevância. Filmes que ajudem a entrar em contato com diferentes imagens, narrativas e vivências, permitindo que, em algum grau, nossa visão de mundo seja ampliada.


publicado em 16 de Janeiro de 2017, 17:40
File

Paulo Leierer

Escreve e dirige (tirou sua carta em 2003). É apaixonado por cinema desde que viu "Esqueceram de Mim" e morre de vergonha de escrever em terceira pessoa.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura