Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Vire sua vida de cabeça pra baixo, de vez em quando

Certo dia meu telefone tocou e aquela ligação mudou pra sempre minha vida, assim mesmo, bem clichê

Você acorda todo dia. Levanta da cama. Come alguma coisa correndo e sai para fazer o que quer que você faça da vida. Rotina é rotina para qualquer um, não tem jeito.

Eu estava vivendo a minha até que um dia o meu telefone tocou e um amigo me chamou para fazer um tal de Rally Mongol. A partir dali, as coisas não foram mais as mesmas. Ele me explicou que esse rali consiste em comprar um carro velho pelo e-bay em Londres, sair de uma cidade chamada Chichester, no interior da Inglaterra, cruzar 16.000 quilômetros atravessando toda a Europa e desbravar a Eurásia até Ullan Baatar, capital da Mongólia – quase no Japão.

Eu achava que ele só podia estar maluco e a única coisa que eu sabia sobre a Mongólia era que ficava em cima China no tabuleiro de War. Soma-se a isso o fato de eu também nunca ter me interessado por carros e não ser fã de dormir acampado por aí. Por outro lado, nunca fui bom em dizer não, e isso prevaleceu: acabei aceitando o convite. Quando percebi, estava prestes a fazer um rali e virar minha vida de cabeça para baixo.

Se quando você pensa em um rali te vem a cabeça o Paris-Dakar ou o Rali dos Sertões cheio de carros com computadores de bordo e caras de chapéu de safari, você não faz ideia do que é o Rally Mongol. Imagine um carro revestido de pelúcia e outro com um touro mecânico no teto. Agora imagine 300 carros assim em uma aventura sem percurso definido com algumas festinhas no meio do caminho, esse é o Rally Mongol.

E qual é o prêmio para quem chega em primeiro? Ser considerado um perdedor. Nesse rali, se você chega primeiro é porque não aproveitou a viagem o suficiente. Mas se você pensa que se trata apenas de mais um evento fútil, se enganou de novo. A viagem também é uma desculpa para salvar o mundo. Cada time tem que levantar mil libras (aproximadamente 4.900 reais) e doar o carro para uma instituição de caridade na Mongólia.

Voltando ao meu caso, eu sinceramente não sabia se estava me metendo numa aventura alucinante ou numa grande roubada. Comecei a pesquisar rotas no Google Maps e não conseguia encontrar estradas que nos levassem até Ulaan Baatar. Tentei todos os tipos de terreno e de satélite mas não me parecia haver uma maneira por terra de fazer todo o trajeto.

Foi então que resolvi entrar no site da organização do Rally e encontrar algumas respostas. De cara, encontrei a mensagem: “Nós somos os adventurists: lutando para deixar a sua vida menos chata”. Aquilo me pareceu interessante, mas não o suficiente, então fui adiante e resolvi ligar para os caras. Um sujeito chamado Sr. Jools – depois fui descobrir que era um dos criadores do rali – atendeu para me ajudar e então comecei com três perguntas bem básicas para quem nunca tinha feito algo parecido na vida: 1) onde se dorme durante o rali? 2) como levamos e estocamos nossa comida? e 3) o que acontece se algo der errado? Quem seria responsável por nós?

Jools foi curto e grosso, ele disse: “se prepare porque sua vida nunca mais será a mesma. Normalmente as pessoas armam barracas nas beiras das estradas ou dormem nos próprios carros. Se prepare psicologicamente porque a falta de comida será uma constante e para um time de quatro pessoas em um carro mil não adianta querer estocar mantimento, então, você deverá perder uns quilinhos.” Além disso, me lembro dele dizendo que o rali não se responsabilizava pelas equipes e que nós teríamos de resolver os nossos problemas. Para tanto, seria necessário contratar um seguro de vida, avisando a companhia que estava saindo para um rali que cruzaria três desertos num carro mil e que, portanto, resgate de helicóptero deveria estar entre as garantias da apólice.

O que em algum momento chegou a me parecer uma grande colônia de férias estava agora me parecendo um grande inferno inconsequente. Antes de se despedir, Jools ainda arrematou: “Isso não é sair de férias, é uma missão, e você não tem o direito de desistir. Nunca.”

Medo.

O Rally Mongol começou em 2003. Este Sr. Jools e um sujeito chamado Tom Morgan – dois ingleses que estavam morando na República Tcheca – se embebedaram uma noite e comentando sobre as chatices da vida normal pensaram na coisa mais estúpida que poderiam fazer. No dia seguinte, pegaram o carro que tinham e resolveram ir até a Mongólia. Chegaram até o extremo norte da Turquia quando o veículo deles simplesmente se despedaçou. Eles não desistiram.

No ano seguinte, já em Londres, conseguiram formar seis equipes para tentar mais uma vez. Das seis, quatro conseguiram finalmente chegar a Ulaan Baator, o paraíso desconhecido. Pouco a pouco o rali foi se estabelecendo e virando uma febre na Europa chegando a 300 equipes em 2012, ano em que eu me meti nessa confusão com o primeiro time brasileiro a topar a loucura.

Tenho que concordar com o Sr. Jools, aquela viagem mudou minha vida e com certeza a deixou muito menos chata para todo o sempre. Desde então acordo todo dia pensando em uma maneira de ir para a Mongólia, mas descobri que não é preciso percorrer 16 mil quilômetros para alcançar esse objetivo, você pode combater a chatice da sua rotina dentro dela mesmo, é só lembrar de virar a sua vida de cabeça para baixo de vez em quando.

Essa viagem toda virou uma série para o canal Multishow, que você pode assistir aqui, mas as histórias não couberam no programa e essa jornada acabou virando um livro chamado Tudo Errado que está em fase de financiamento coletivo.

Você pode ajudar ele a se concretizar no Catarse e recebê-lo em casa. Mais do que todas as histórias que se pode viver em uma aventura como essa, o livro narra uma viagem de auto-conhecimento e mostra como a estupidez pode vencer a chatice num mundo onde levamos a vida (e nossas rotinas) tão a sério.


publicado em 17 de Junho de 2016, 00:10
Raphael erichsen

Raphael Erichsen

Dramático desde criancinha, Raphael faz documentários e é diretor de criação na 3film. Além disso, curte guitarras barulhentas, gin e granola. Não gosta tanto assim de aventuras, mas sempre acaba se metendo em alguma. Pode ser encontrado no Facebook.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura