Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

ela era

vem comigo

um câncer já escangalhado todo, daqueles que já tão num ponto daqueles de deixar a pessoa sem cor e uns tantos quilos mais magra, que já nem parece mais a mesma pessoa, mas outra pessoa bem diferente daquela pessoa que todo mundo olhava e dizia “olha, essa pessoa tem uma coisa até de iluminada, e eu não sou esotérica, mas, essa pessoa, ela tem uma luz, um algo além desse sorriso, algo além dessa boca cheia de dentes, algo além…”

e agora dizem “puxa vida, mas que merda; que infortúnio, né?” e dizem “ah, mas parece que esse tal câncer tá dentro de todo mundo, tá só esperando o momento pra ser ativado, todo mundo tem sua hora, é só tu ver, é cada vez mais comum que todo câncer seja raro, cada um tem o seu” e dizem “temos que respeitar e rezar para que não sofra, pois, a morte, meu filho, é uma etapa da vida, e não o contrário dela”; e tudo que tu consegue fazer é olhar pra esse câncer e pra essa pessoa com esse câncer e saber que não há nada mais de sagrado, ao mesmo tempo que não há sacrifício mais bonito que o desse câncer que escangalhou toda a pessoa e resumiu tanto tudo que essa pessoa que se deixou ser escangalhada toda por esse câncer acaba sendo sagrada com cor ou sem cor, com quilos ou sem quilos, sendo a mesma pessoa ou sendo mesmo outra pessoa, sendo com boca cheia de dentes ou com os olhos iluminados.

mas sendo pessoa.

Obs.: este texto foi originalmente publicado no Medium do autor.


publicado em 02 de Junho de 2017, 00:00
File

Sergio Trentini

Cursou psicologia, administração e jornalismo. Não terminou nenhuma das três. A última já passou da metade, e essa, jura que vai acabar. Assim como todas as histórias que começa a escrever. Escreve lá no Medium


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura